Mario Party 5

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg Mario Party 5 é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, Lara Croft consegue mais uma relíquia.


Mario Orgy Party 5
Mario Party 5.jpg
Informações
Desenvolvedor Hudson Soft
Publicador Nintendo
Ano 2003
Gênero tabuleiro
Plataformas GameCube
Avaliação 30%
Idade para jogar Livre

Cquote1.png Já enjoei Cquote2.png
Botini sobre o quinto Mario Party

Cquote1.png PQP! Minhas moedas Cquote2.png
Boo sobre Chomp

Cquote1.png DONKEY KONG!!! O Zangief do Mario Party!! Cquote2.png
Marco Bianchi revoltado com o corte de Donkey Kong como personagem jogável

Marioparty5.png Mario Party 5 é o Mario Party 4 com algumas mínimas modificações. Ele foi o primeiro fracasso da série que jamais venderia bem para o GameCube.

Nesse jogo Mario vai parar num mundo todo estranho, fruto da mente bizarra de Shigeru Miyamoto, tudo durante uma grave overdose de cogumelos. Nesse mundo mágico, muito próximos das trips de LSD você anda em tabuleiros e encara jogos de tabuleiro dentro do jogo de tabuleiro. Com vários minigames de ficar apertando o "A" sem parar e outros onde você gira roletas, você pode encontrar também um voleyball ao estilo bomberman.

História[editar]

Um dos minigames com mensagens subliminares onde você precisa descobrir qual Petey Piranha tem os maiores tentáculos.

Tudo acontece numa terra muito distante, onde só os mais potentes cogumelos alucinógenos são capazes de te levar. Mmuito além do País das Maravilhas, nessa terra você se locomove em tabuleiros usando dados, e em cada final de turno você e mais três pessoas participam de algum joguinho realmente estranho, arrecadando assim moedas, e com essas moedas conseguir comprar maconha estrelas para revender no mercado negro em roca de crack.

Mario então começa a conversar com estrelas e comer cogumelos, e assim começa o vício jogo.

Jogabilidade[editar]

É só jogar na CPU que até as próximas gerações vão vir bugadas.

Além do modo Historia, uma das novidades do jogo e o que deixou ele mais insuportável do que antes, é a remoção do donkey kong dos itens, trazendo aquelas capsulas de LSD que sua avó toma toda hora, a alegria é que elas ficam espalhadas pelo cenário onde você pode pega-las quando passar (se você não ficar tirando só 1 no dado) e é claro ainda tem as maquinas onde você pode comprar uma capsula totalmente aleatória. Essas capsulas podem ser jogadas no cenário tomando o lugar de um espaço comum, depois é só esperar um idiota a CPU passar por lá.

E para não ficar entediante nas primeiras 24 horas depois de jogar todos os tabuleiros, o jogo contem um modo combate com carros super poderosos e fodôes, também junto com o modo de bônus com minigames extras (que, eu não sei porque colocaram junto com os outros) e um jogo de cartas com tabuleiros, onde a unica diferença do modo party é a ausência dos minigames e do animo para jogar.

Personagens Jogpaveis[editar]

Mario dando um pulo muito longo.

Novos

Tabuleiros[editar]

Donkey Kong trazendo azar sorte.

Curiosidades[editar]

  • Toad roubou a aeronave do Magikoopa. Podemos reparar escrito ""Magikoopa Capsule" naquele troço.
  • Agora que o fantasma FDP é um personagem jogável, o Chomp é responsável por fuder com suas moedas.
  • Existe no jogo diversas citações de Paper Mario: The Thousand-Year Door e Paper Mario, mas como você não jogou nem um, nem outro... tanto faz...
  • Donkey Kong continua fazendo merda, mesmo não sendo personagem jogável.
  • Você continua tirando um monte de 1 no dado