Mark Knopfler

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Bebê tocando guitarra.jpg Este artigo é sobre um GUITARRISTA!

Ele idolatra o Rock como se sua vida dependesse disso e sabe tocar o riff de Smoke On The Water.

Blues broth 1978.jpg .:: Mark Knopfler é bluseiro! ::.

Isso explica porque ele faz solos de guitarra de dez minutos.

Com certeza alguma música dele é de autoria de Willie Dixon.

Mark Knopfler
Mark Knopfler em pessoa!

Informação Geral
Origem: Europa
País: Inglaterra Escócia
Gênero: São vários. Leia o artigo mais mais detalhes.
Período passivo Ativo: anos 70 - até morrer
Quilos de Maconha Fumados: 6x10²³ Quilos
Bandas que fez parte
Dire Straits
Ramones
e mais umas 9 bandas
NovoWikisplode.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Mark Knopfler.

Cquote1.png Eu quem lhe ensinou a técnica sem palhetas!! Cquote2.png
Chimbinha sobre Mark Knopfler
Cquote1.png Com sua guitarra envenenada ele vai fazer altos solos com uma turminha do barulho!! Cquote2.png
Narrador da sessão da tarde sobre Mark knofpler
Cquote1.png Esse cara era supinpa!! Cquote2.png
Seu avo sobre Mark knofpler
Cquote1.png Meu parsa na maconha Guitarra!! Cquote2.png
Eric Clapton sobre Mark knofpler
Mark Knopfler foi um cara que tocava guitarra, compunha músicas, cantava, bebia Rule Brittania e jogava sinuca. Tocou em pelo menos umas 11 bandas (sendo que menos de uma fez sucesso) e atualmente faz bicos e canta sozinho. Ele já tocou quase todos os estilos musicais existentes na Terra e ainda quer entrar para o Guiness Book ao fazer a façanha de tocar além de todos os estilos de músicas existentes na Terra, tocar todos os estilos de música existente em Marte, Júpiter e outros mais de 8 mil planetas. Para isso, enquanto toca sem guitarra e sem palheta, fica estudando a cultura local. E como pode ter percebido no último disco que lançou, ele já incluiu repertórios venusianos, com Before Gas & TV, dissertando sobre o acidente ocorrido, que matou muitos habitantes de lá com um gás venenoso, provavelmente oriundo de alguma rede televisiva.

Infância[editar]

Nascido pobre na Escócia, Mark passava por necessidades pois o pai era comunista e não tinha ideia do que sua mãe fazia. Logo aos 2 anos de idade mostrava-se muito bom com instrumentos de corda. Era ele quem tocava os sinos da igreja local. Além de compor as melodias do sino, fazia solos no início da missa e durante as músicas religiosas.

Aos 5 anos, Knopfler viu um cara tocando uma guitarra. Era mágico para ele pois o cara tocava sem as mãos. Esse ser misterioso viu o garoto e decidiu ensiná-lo a técnica. O garoto aprendeu rapidamente, porém como não tinha dinheiro para comprar uma guitarra, quase ultrapassa seu mestre inovando com uma nova técnica inédita: O NoGuitar. Fazia solos sem a guitarra. Pegava uma raquete e começava a dedilhar, produzindo um solo. Há rumores que foi aí que apareceu o "Air Guitar".

Juventude[editar]

Com 13 anos ganha a primeira guitarra. Era uma de plástico comprada em lojas de 1,99. Foi aí que ele inovou mais uma vez com uma técnica inédita quase chegando perto do seu mestre. A técnica de tocar guitarra sem palhetas. Deve-se ao fato de ser pobre e não ter dinheiro para comprar uma.

A primeira paixão[editar]

A Stratocaster Vermelhinha

Com 17 anos, fazia apresentações como artista de rua. Com as emolas que ia ganhando, guardava em um cofrinho. Certo dia, caminhava com o cofrinho pela rua, a fim de comprar livros para a faculdade, quando repentinamente viu em uma loja uma coisa que lhe chamou a atenção. Era alta, robusta e vermelha. Foi amor à primeira vista. Não pensou duas vezes e entrou na loja, gastando todo o dinheiro lá, comprando a Stratocaster vermelha. Ele amava ela e ela o amava. Aonde ele ia, ela ia também. Saíam sempre juntos. Porém, como tudo que é bom dura pouco, Mark decide dar um tempo com ela e a deixa em casa, indo concluir seus estudos.

Mark dando Ré tomando um Sol com a Stratocaster Vermelha

Mark segue para Nova York para fazer um curso de Arquitetura. No entanto, havia alguma coisa dentro dele que ele queria botar para fora, e não era vômito ou seu pênis; era, sim, uma grande necessidade artística. Entediado, começou a matar aula e a cheirar cocaína cola de sapateiro, até descobrir uma banda local, os Ramones, que estava precisando de um baterista. Apesar de não saber tocar o instrumento, Mark se animou quando viu que nenhum dos outros sabia qualquer coisa sobre música. Assim, em 1977, assumiu o nome artístico de Marky Ramone e empunhou com entusiasmo as baquetas.

A Era Ramones[editar]

Pode-se dizer que Marky foi o principal responsável pelo sucesso da banda, já que era o único integrante que tinha alguma formação musical. O público, então, começou a comparecer aos shows sem usar protetores de ouvido ou sacos de vômito, e os Ramones começaram, finalmente, a ser vistos com algum interesse. Não é por acaso que a época em que ele esteve presente foi quando os principais hits da banda (como I Wanna be Sedated) foram compostos.

Entretanto, como tudo que é bom dura pouco, Marky cansou-se de levar a banda nas costas e resolveu seguir seu sonho de ser um grande guitarrista como seu mestre Chimbinha. Assim, em 1983 pediu demissão da banda (sendo substituído pelo espírito de Elvis Presley) e voltou para a Inglaterra, onde mais uma vez decide voltar a estudar. Inconsoláveis, os Ramones colecionam fracasso atrás de fracasso até 1989, quando colocaram na bateria um sósia de Marky e lhe deram o mesmo nome. Imediatamente voltaram a fazer sucesso, com o lançamento do álbum Brain Drain, aquele que tem Pet Sematary.

A Era Dire Straits[editar]

artigo principal: Dire Straits

De volta à Inglaterra e ao curso de Arquitetura na Universidade de Frio Kent, Mark decide fazer turismo sexual numa noite fria de março. Com muito "Sexo", "Wisky" e "Rock 'n Roll", vara a noite em uma dessas casas de diversão. A farra foi tanta que ao acordar viu apenas uma mulher e dois rapazes. Um era o amigo John. O outro era o Pick Whiters. Como estavam praticamente no mesmo curso da faculdade, concordam em rachar um apartamento entre eles. Percebendo que os dois também gostavam de música e cada um tinha seu instrumento, bate aquela saudade no peito e volta para a Escócia. Voltando para o apartamento, traz a vermelhinha e de quebra o irmão caçula junto.

Mark com os três caras decidem fazer uma banda. Antes era conhecida como "Os corredores do Café", mas não teve a atenção desejada. Depois, devido a situação financeira dos quatros rapazes, uma pessoa qualquer decidiu chamá-los de "Os 100-Dinheiro" ou simplesmente de "Pobretões".

Lançaram uns 13 álbuns até que Mark se cansa, despede todo mundo e resolve fazer outras coisas da vida.

Solo[editar]

Na carreira solo, Mark lança uns álbuns.

Discos e fatos sobre os mesmos[editar]

  • Coração de Ouro (1996) - Após terminar ser traído pela segunda esposa, faz esse álbum para tentar amenizar a dor.
  • Privatizado (2012) - Um álbum diferente dos outros, que fala sobre política, especialmente o estilo neoliberal dos anos 80 e 90, quando o objetivo é que a intervenção do estado seja a mínima possível.
  • Treco (2015) - Este fala sobre coisas diversas encontradas pela rua ou limpando a casa, como tampinhas de garrafa, bolinhas de algodão, coleções de selos, moedas e figurinhas... enfim, trecos.
  • Embaixo da Estrada Whatever (2018) - É uma espécie de "lado B" do disco de 2006, com algumas composições extras sobre túneis e mendigos que moram debaixo de viadutos.
Matisyahu20.jpg Cadê o moedinha?

Este artigo é judeu! Ele odeia romanos, foi escolhido por Javé e não come camarão porque é caro e anti-kosher. O autor deste artigo provavelmente é contador e deve estar cuidando da lujinha.