Massacre de Lisboa de 1506

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Judeu0.jpg Cadê o moedinha?

Este artigo é judeu! Ele odeia romanos, foi escolhido por Javé e não come camarão porque é caro e anti-kosher. O autor deste artigo provavelmente é contador e deve estar cuidando da lujinha.

O Massacre de Lisboa de 1506 - é uma data onde os cristãos demonstraram todo seu amor e caridade. Uma multidão movida pelo islamismo fanatismo religioso, fez coisas que eu não posso colocar nesse artigo em razão do Golpe Militar, da Inquisição e da Maísa (a neta do Silvio Santos), mas que teu pai, teu tio, teu avô, o pastor alemão do vizinho e o Michael Jackson fizeram contigo quando você era de menor.

Como bons seguidores de Cristo os espanhóis converteram os judeus por meio de degolações, torturas entre outras táticas de conversão que testemunhas de Jeová usam até hoje.

Depois disso, como de costume, os judeus viajaram para Portugal, onde foram muito mau bem aceitos pelos portugueses. Até que em um belo domingo de Páscoa, quando cristãos rezavam na Igreja pelo fim da peste negra e da seca, um idiota fiel jurou ter visto a imagem de Cristo no altar, que só podia significar uma coisa né? O Messias estava mandando um sinal de misericórdia para aquele povo bonzinho que são os católicos. Mas como sempre tem alguém para acabar com a graça de tudo, no meio daquele alvoroço de "Aleluias" e vucovuco, um cristão-novo(que eram os judeus que viravam cristãos depois de umas porradas assistir uma missa)tentou explicar que a luz era apenas o reflexo do sol, mas foi calado pela multidão, que o espancou até a morte. Mas eles só o mataram após ouvir um discusso do padre:

Cquote1.png Matem este gajo filho de uma meretriz!!! Cquote2.png
Padre português sobre argumento do cristão-novo

Não se dando por satisfeitos eles começaram a culpar todos os judeus de Portugal pela peste negra e a seca, mesmo esses considerando os cristãos-novos como traidores. Esse período pode ser considerado como ótimo para o rei, ruim para Igreja e péssimo para os judeus.

  • Ótimo para o rei que pararam de importunar ele pedindo água e cura para doenças.
  • Ruim para Igreja que pararam de ganhar dinheiro vendendo indulgência, já que aos invés de vendê-las eles davam para quem trouxesse um judeu morto. Funcionava assim, se você levasse um judeu morto ganhava perdão pelos últimos 100 dias, se matasse 10, tinha promoção e ganhava pelos últimos 3.000 dias, assim começou a promoção de vender 3 por 10.
  • E péssimo para os judeus que só se fuderam.
Judeu ferrado.jpg

Durante o tempo de duração desses atos, os judeus começaram a ser vendidos em lojas turcas, que já tinham muito mais experiência em matar judeus que os portugueses. O comércio se intensificou tanto que eles começaram a vender feito galinhas: coxas, braços, peito. E no meio disso até alguns católicos também foram mortos e vendidos em pedacinhos.

A justiça finalmente foi feita e os judeus foram levados a julgamento... E incriminados pela peste negra, a seca, e pelo filho que fizeram em uma freira, detalhe que ela só podia ter contato com a bíblia e com o bispo, essa anormalidade, foi eplicada pelo bispo como sendo "bruxaria". Mas o movimento foi obrigado a cessar por interveção de forças reais, após o namorado escudeiro do rei,que era cristão-novo ser morto. Mas com a criação do Tribunal do Santo Ofício, os judeus foram levados a outro julgamento justo e imparcial, os judeus foram expulsos de Portugal, mas para saírem de lá, tinham que pagar uma quantia absurda em moedas (normal, já que todo judeu é rico), mas uma vez Portugal inovou e a prática é usada hoje na China, onde o criminosos tem que pagar pela "bala" que vai ser carinhosamente colocada na sua nuca (com ajuda de um revólver) e pela hora de trabalho do soldado chinês.

E essa foi a 647986º vez que expulsaram os judeus.

Ver também[editar]