Meghalaya

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Meghalaya é um pedaço da Índia que esqueceu de ir para Bangladesh, localizado a leste do país em algum lugar escondido na Bengala.

História[editar]

A maior cachoeira sem urina de toda Índia fica em Meghalaya.

Na antiguidade, este território alagado entre o Sundarbans e Himalaia era habitado por tribos primitivas de nudistas que eram continuamente mortos por todos os desastres naturais conhecidos pelo homem, incluindo alguns que foram inventados pelos bengaleses como "chuva torrencial de nabos", o que levou ao povo procriar de maneira exponencialmente para compensar as perdas dos desastres naturais inevitáveis.

A vida era tão ruim para os meghalayanos que, quando os ingleses vieram, eles pensaram: "Ah, que se dane! Esse é o menor dos problemas!" e languidamente deram boas-vindas à invasão inglesa. Os britânicos recompensaram sua lealdade não desmatando o pântano da região para construir algum tipo de fábrica. Lord Cuzão foi o gênio que teve a ideia de separar esse pequeno território de Assam em 1970.

Economia[editar]

O estado é cheio de depósitos de resíduos tóxicos conhecidos como "cidades" e fábricas têxteis conhecidas como "centros para crianças de creches".

Geografia[editar]

Meghalaya tem os pântanos de Bangladesh, fede igual Bangladesh, parece Bangladesh, mas não é e nem faz parte de Bangladesh.

Cultura[editar]

Neste pequeno território feliz o riso é um fenômeno social, devido aos ricos depósitos de óxido nitroso no solo, devido à decomposição de vacas que morrem e não podem ser comidas. Por causa dessa felicidade inexplicável, há uma tradição de colocar nomes imbecis nos filhos, como "Piscina da Silva".

Língua[editar]

Em Meghalaya, os idiomas oficiais são o khasi e o garo, um dos poucos idiomas da Índia escritos em alfabeto latino. Esse segundo se deu por causa da falta completa de alfabetismo da população, então os ingleses que tiveram que intervir e criar gentilmente um alfabeto para eles, mas que não consistisse em símbolos que parecessem pirocas.