Mike Oldfield

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Só não é maior que o número de mulheres que eu catei Cquote2.png
Chuck Norris sobre o número de instrumentos tocados por Mike
Cquote1.png Sempre que posso eu ouço às longas músicas desse grande instrumentista. Cquote2.png
Beethoven sobre as músicas de Mike
Cquote1.png É o cara do Túbular Béus, né ?? Cquote2.png
Seu amigo que se acha sobre Mike Oldfield

Mike Oldfield, conhecido popularmente como Michel Campoantigo, é um músico megalomaníaco que se acha. Só porque compôs o famoso Tubular Bells (Tubos Belos) quando ainda era um adolescente, foi considerado um gênio pela crítica do mundo todo. No entanto, todo o resto de sua carreira foi baseado apenas nesse grande sucesso e ele nunca mais fez algo bom no mundo da música.

Vida[editar]

O famoso look de psicopata.

Há controvérsias sobre o local de nascimento deste estranho ser do mundo musical. Alguns afirmam que nasceu no Leste Europeu, em um daqueles países que ninguém sabe direito onde ficam (Lituânia, Letônia, Estônia, Eslovênia, Eslováquia, Moldávia...). Outros dizem ter nascido em uma região inóspita da África. Pouco se sabe sobre sua infância, a não ser que ele era abusado pelo pai e que sua mãe se prostituía. Isso certamente o influenciou na parte musical. Aos 2 anos, ganhou o primeiro instrumento: um piano de cauda clássico Fritz Dobbert. Aos 3, já tocava peças como Sonata ao Luar - 3º Movimento, Rapsódias de Rachmaninoff, Tocatas e Fugas para órgão de Bach, 7ª Sinfonia de Mozart, Canon em D maior e Ronda Alla Turca invertida com os pés na cabeça. Depois, aos 4 anos, passou para a guitarra (tocando Arpeggios From Hell) e baixo (seguindo as linhas de baixo de John Entwistle). Uma vez que adquiriu velocidade nesses instrumentos, aprendeu muitos outros, totalizando 345. Com 14 anos, montou a primeira banda, com um colega de classe com quem diziam que ele mantinha relações. Foi evoluindo, até que, com 17 anos, compôs o maldito Tubular Bells de que todo mundo já está cansado de ouvir falar. Com a obra pronta, ele deu um pé na bunda dos colegas e continuou sozinho sua carreira. Primeiramente, foi à Decca Chorros Records para apresentar seu longo projeto (uma música de 49 minutos). O engenheiro de som que ouviu o projeto de Mike foi internado numa clínica psiquiátrica e está até hoje em tratamento contra esquizofrenia... Mas Mike não desistiu: levou as fitas para a recém-criada Virgem-Maria Records. O dono desta gravadora era um megalomaníaco doidão que havia participado de serenatas hippies e de repente resolveu criar uma gravadora musical. O sujeito tinha um gosto péssimo pra música (anos mais tarde, ele iria produzir a banda Rebeldes). Não é de se estranhar que ele adorou o projeto de Oldfield e lhe deu um contrato de 17 anos, que acabaria em 1990. O álbum logo foi lançado, em 1973. Não foi mera coincidência o fato do número de casos de suicídio ter aumentado naquele ano...

Típico comportamento de Mike durante as gravações, logo depois de ingerir um 'ácido'

Realmente, o álbum foi um sucesso, vendendo pouco mais de 300 milhões de cópias (só para comparar, o The Wall, do Pink Floyd, vendeu o equivalente a 10 bananas na feira da esquina). O problema é que Mike 'gastou' toda a sua genialidade nesse disco, e, quando voltou pro estúdio para gravar, já não tinha mais idéias. Foi então que começou a fase da chamada 'World Music', um estilo totalmente sem graça que só copia músicas típicas de vários países. Os dois álbuns seguintes eram uma mistura de música Irlandesa, Escocesa, Árabe e Baiana. Venderam 4 unidades na loja de CDs piratas do Zé Melão (os dois juntos). Meio desiludido, voltou para o estúdio com uma nova idéia: gravar músicas para filmes infantis. Não deu muito certo. A crise havia chegado em sua carreira. Mesmo assim, ainda lançou mais dois álbuns que não deram em nada, até seu contrato acabar em 1990. Foi então que teve a genial idéia de regravar seu único sucesso: Tubular Bells. E assim, sua carreira continua até hoje.

Instrumentos[editar]

Aí está uma lista de alguns instrumentos tocados pelo megalomaníaco:

Uma minúscula amostra da coleção de guitarras de Mike
Sua guitarra preferida

(Citando apenas aqueles que ele usou no seu primeiro disco.)

Também convém mencionar que Mike Oldfield é completamente incapaz de cantar. Ele tentou uma vez, e resultou no que conhecemos hoje como "Peste Bulbônica".

Discografia[editar]

  • Tubos Belos: Seu único sucesso. Uma barulheira só em que ele, sozinho, toca 345 instrumentos numa única música de 49 minutos. Desses 345, 2177 foram tocados ao mesmo tempo (não me pergunte como, eu só estou escrevendo este artigo...).
  • Herege Rígido: World Music inspirada pelas músicas tradicionais da Irlanda e da Escócia. Inclui cânticos natalinos.
  • Ómeudeus: World Music inspirada pela música tradicional brasileira misturada com músicas árabes. Conta com a participação de um grupo percussionista do Praladebagdajistão.
  • Encantado: Música de trilha-sonora para um filme da Xuxa.
  • Em Crise: Álbum que revela a crise pela qual passava. 120% das músicas falam de suicídio e sacrifícios.
  • Campo de Concentração: Álbum no qual seus instintos psicopatas começam a dar sinal. Contém mensagens subliminares com judeus gritando 'Socorro, fui confundido com um judeu' ao contrário.
  • Ahmolek: Inspirado na frase que ouviu numa favela brasileira. Gostou tanto do nosso país que convidou o Olodum baiano para participar do álbum. Toda a percussão ficou por conta deles.
  • Tubos Belos 2: Tentativa de recriar o antigo sucesso.
  • Tubos Belos 3: Re-tentativa de re-recriar o antigo sucesso.
  • Tubos Belos 3,5: Re-tentativa re-de re-recriar re-o re-antigo re-sucesso.
  • Tubos Belos Versão Orquestrada: Versão fresca-nada-a-ver do antigo sucesso.
  • Tubos Belos com Olodum: Recriando o antigo sucesso agora com a participação dos amigos da Bahia.
  • Tubos Belos com Cláudia Leitte: Convidou a amiga de longas datas para fazer parte do álbum.
  • Tubos Belos featuring 50 Cent: Versão internacional à-la-Rap com o astro estadunidense.
  • Tubos Belos e outras histórias: Inclui "novo" material (historinhas infantis narradas nos intervalos das seções da música de 45 minutos).
  • Tubos Belos na Roda de Samba: Versão à-la-Rio, com músicos cariocas (e com direito a solos de cavaquinho distorcido).
Tocando cavaquinho entre amigos na cidade maravilhosa
  • Tubos Belos 10: Re-recriando² o antigo sucesso.
  • Tubos Belos com Ch&X: Versão sertaneja com altos agudos de Xororó e arrebatadores silêncios de Chitãozinho.
  • Tubos Belos 2003: Versão de 2003.
  • Tubos Belos 2004: Versão de 2004.
  • Tubos Belos 2005: Versão de 2005.
  • Tubos Belos 2006: Versão de 2006.
  • Tubos Belos 2007 - First semester: Versão de 2007 - 1º semestre.
  • Tubos Belos 2007 - Second semester: Versão de 2007 - 2º semestre.
  • Tubos Belos 2008 and a Half: Versão de 2008 e meio.
  • Tubos Belos... Já é 2009 ? : Versão de... 2009 ?. (Ele já não tinha mais ideias de relançamentos...)
  • Tubos Belos Revisitado: Versão revisitada (não diga !).
  • Tubos Belos e os Feros: Versão hiper-mega-sem-criatividade que parodia a versão animada da Disney do conto "A Bela e a Fera"; foi um fiasco de vendas (que surpresa !).
  • Tubos Belos 2012 - End of the World Version: versão de 2012, em que Mike adiciona elementos como mistério, especulação, surpresa, pânico, tungstênio e sazón. Este é o mais recente lançamento do doidão, mas não se preocupe: ano que vem ele inventa mais alguma coisa pra lançar !!



Slash fuckat.jpg