Ministério da Defesa

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Brasão do Brasil.png
Ministério da Defesa
Esplanada dos Ministérios, Bloco Q - Brasília
Portal do Ataque
Criado em 10 de junho de 1999
(talvez mais novo que você)
Orçamento R$ 78,806 bi (2019)
Ministro Raul Jegue-man
Subordinados Infraero
Hospital das Forças Armadas
Escola Superior de Guerra
Agência Nacional de Aviação Civil
Força Nacional
® Desciclopédia
Logo gov fed 2016 barrig.png

Cquote1.png Mas eu ganho tão pouco para resolver essas crises!!! Cquote2.png
Waldir Pires


O Ministério da Defesa (MD) é o ministério responsável por cuidar das Forças Armadas brasileiras, Exército, Marinha e Aeronáutica ─ por responsável entenda-se ouvir os militares reclamarem dos baixos salários. Foi criado em 1999 após mais uma expansão ministerial realizada ainda no desGoverno Fernando Henrique. O ministério é conhecido pela morosidade na vigilância das fronteiras e também pela extrema falta de organização que pode ser acompanhado pelos órgãos subordinados ao ministério, como a Agência Nacional de Aloprados Civis (ANAC) e a Empresa Brasileira da falta de Infraestrutura Aeroportuária, a Infraero.

História[editar]

Waldir Pires, ex-Ministro da Defesa, cuidando do Apagão Aéreo

Alvíssaras foram feitas durante a criação do Ministério no governo FHC que finalmente um civil iria mandar nos militares. Os militares, coitados, deram de ombros e bateram continência, pois estão tão na merda que nem pedir aumento podem para evitar insubordinação, pedindo para que suas esposas façam protestos.

De 2005 a 2008, durante o caos aéreo que resultou no último voo Gol 1907, o ministério da defesa foi o grande gestor do Apagão Aéreo. Na época, o ministério teve um certo poder sobre a Infraero, mas não muito sobre a Anac. O ministro da Defesa substituiu o presidente da República nas cerimônias de vaias públicas dos parentes das vítimas de acidentes aéreos.

O Ministério da Defesa também foi um ministério tampão para jogar um vice-presidente quando ele ficava falando muita asneira sobre o corte de juros.

Atribuições[editar]

A seriedade dos ministros da defesa impõe respeito a qualquer inimigo estrangeiro.

O órgão é responsável pelo controle (ou pela falta dele) quando envolve algum assunto que envolve riscos a segurança nacional, como foi no caos aéreo, jogos panacamericanos, copa do mundo e jogos olímpicos. Nestes eventos, o ministério é quem se descabela todo afim de tentar garantir a segurança de milhares de turistas em um país que não tem segurança nem o Silvio Santos está imune a criminalidadis brasilis.

O MD também tem a obrigação de atuar quando qualquer ser minimamente relevante dos Estados Unidos vai "passear" em território brasileiro, como é o caso das visitas dos presidentes George W. Bush e Barack Odrama. Neste caso, o ministério convoca todo o efetivo das forças armadas, incluindo a força policial e a força nacional apenas para garantir a segurança dos gringos em um raio de 1km, enquanto o caos reina nos arredores.

Ministros[editar]

O ministério já deu emprego pra muito cacife da política nacional, sobretudo nesta última década. Incluem-se entre os embustes a ocupar tal cargo o ex-vice presidente José Alencar, o hoje semi-apresuntado Waldir Pires, o compositor Nelson Jobim ─ estes dois últimos, os responsáveis pela gerência do famigerado apagão aéreo ─, o ex-relações exteriores Celso Amorim, o Aldo Rebelo que dispensa apresentações e por fim, o ex-administrador do feudo baiano, Jaques Wagner. A lista de nomes dá a real dimensão do porquê das forças armadas estarem à míngua e tão sucateadas assim.

Ver também[editar]