Ministério da Justiça e da Segurança Pública

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Brasão do Brasil.png
Ministério da Injustiça e da falta de Segurança Pública
Esplanada dos Ministérios, Bloco T – Brasília
Blog do ministério
Criado em 3 de julho de 1822
Orçamento R$ 12,3 bilhões (2019)
Ministro Alexandre de Moraes
Subordinados Arquivo Nacional
Departamento Penitenciário Nacional
Departamento de Polícia Federal
Força Nacional
Polícia Rodoviária Federal
Defensoria Pública da União
® Desciclopédia

O Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSC), ou simplesmente Ministério da Justiça, é um ministério cujo o ministro é o responsável por dialogar com os advogados de gente poderosa que estiverem enfrentando algum perrengue com a justiça brasileira, como foi o caso do Zéduardo Cardoso e os advogados da ex-presidente Dilma Rousseff, ou ainda, advogarem para o PCC, como é o caso do atual ministro Alexandre Moraes.

O ministério da Justiça ainda tem como função exemplificar o porquê da justiça brasileira ser tão parcial tal como ela é, começando por alguns tipos de indivíduos que ascenderam ao cargo que incluem dr. adevogado de direito da "exa. Presidente da República", empresários de multinacionais (que com certeza deveriam ter tretas com a justiça brasileira), novelistas, senhores feudais, ímprobos, trambiqueiros, cleptomaníacos em geral e ainda mais "doutores adevogados".

História[editar]

Logo gov fed 2016 barrig.png

O hoje Ministério da Justiça e Cidadania foi criado por um capacho a mando de Portugal e que regia a orquestra desarmônica chamada Império do Brasil. Os portugueses de Portugal queria fazer um pequeno teste com os portugueses do Brasil antes de implantar o sistema de controle jurídico lá na terrinha do "Brasil da Europa". A ideia sempre foi cuidar para que gente como Dom Pedro I, caso fosse pego dirigindo sua charrete sem habilitação ou com mais de 0,000000000012% de licor no sangue, por exemplo, não tivesse que ter a dor de cabeça de comparecer a uma audiência em um tribunal, ou passar pelo constrangimento de ser flagrado adentrando mesmo recinto daqueles caras que deviam pensões alimentícias para várias concubinas Brasil afora. Para evitar isso, os gajos mandaram implantar uma Secretaria de Estado dos da Justiça, ou seja, o órgão de fa(c)to.

Ao longo de todo esse tempo de existência, somada a outras ditaduras ditatoriais ou ditaduras democraticamente autoritárias, o ministério foi acumulando funções como a intercessão por poderosos da pátria como o extravagante, exocêntrico, exotérico e exosférico Assis Chatooubrian, o ministério também ficou responsável pela queima de Arquivo Nacional (não posso entrar em mais detalhes, ou serei morto pelo KGB), pela regulamentação do cartel através do CADE e por fim, o ministério ficou responsável por fomentar o negócio dos índios (a venda de terras) através da desapropriação de terras feitas pela Funai, também conhecido por quem não é índio ou não desfruta de imunidade criminal como Fuda-se ai.

Ministros notáveis[editar]

Só deu maluco neste ministério. Entre os mais famosos membro deste cargo estão o novelista Ruy Babosa, o ex-exelentíssimo e honorável presidente da república durante o breve período que o país foi respeitado: Nereu Ramos, o ex-presidente-sqn TAM Credo Never, Tramando Falcão, Goldbery amante de Costa e Silva, Tom Jobim, Renan Encalheiros, Mácio Toma um Basto, o quebrador Tenso Garro, o adebogado José Eduardo Cardozo, também conhecido como Estámas Turbando[1] e o chapa do PCC e grande parceiro da firma, Alexandre de Moraes.

Atribuições atuais[editar]

O ministro da justiça é obrigado a interver para ajudar seu indicador em caso de pedaladas.
Na imagem, a presidente pega com as mãos, ou melhor, as pernas na massa.

Por vezes o ministério foi se mostrando falho como permitir que Thor Batista (e depois seu pai) adentrassem um tribunal e comparecessem a uma audiência. Por outro lado, recentemente o ministério voltou às origens atuando em prol do mandatário da porra toda, a ex-presidanta Dilma Roubapraself, onde o ministro da justiça, como um bom advogado (se é que isso existe) intercedeu junto ao juiz em favor de sua cliente pega com a boca na botija (ou simplesmente fodida) onde ela foi acusada de dar pequenas pedaladas no fisco no que a globo denominou como "escândalo do Lava Jato".

O ministro da justiça também tem por como obrigação, garantir o bem estar de poderosos, quando o mesmo mandar prender manifestantes, vale tudo. O ministro, para ser indicado, tem de ter uma longa experiência com convivência com criminosos e saber trabalhar com eles em equipe, como foi o caso do primeiro indicado do Temeroso, Lex Luthor.

Ver Também[editar]