Ministério das Comunicações

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Brasão do Brasil.png
Ministério da falha de Comunicação
Esplanada dos Ministérios, Bloco R – Brasília
Site do mano MC Governo
Criado em 25 de fevereiro de 1967
Anterior Conselho Nacional de Telecomunicações
Extinto em 12 de maio de 2016
Sucedido por Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações
Orçamento 0 reais† (2019)
Ministro André Figueiredo
Subordinados ANATEL
Correios
Telebras
® Desciclopédia
Logo Gov Brazil 2015.jpg

O Ministério das Comunicações foi meu órgão ministerial brasileiro, criado em 1967 na dita dura militar e extinto somente em 2016, durante a merdinha de reforminha ministerial ministrada pelo então presidente exercitável Michel Temerário, quando foi fudido com o Ministério da Ciência e Tecnologia, passando a fazer parte do mesmo. O ministério é conhecido pela sigla MC (a mesma usada por criminosos em geral) e tem como principal função, prezar pelo bom funcionamento da rede de telecomunicações. Bem, só de ler isso você já deve estar se imaginando: Cquote1.png Pra que essa porra serve afinal?? Cquote2.png, já que a telefonia é uma porcaria, a Anatel então nem se fala, praticamente não existe, as rádios qualquer imbecil sobe um sinal de radiofrequência — e estão nem aí se pode afetar ou não os aviões, a Infraero é um outro cabide de um outro ministério que só aparece na merda, como foi em 2005 e 2007 — na televisão quem manda é a Rede Globo, os Correios trabalha no modo foda-se e inclusão digital por parte do governo (MWAHAHAHAHAHA!) sempre foi uma piada.

Origem[editar]

Cândido Rondon deve se revirar no túmulo por ter de servir de patrono a essa porcaria.

O ministério surgiu da necessidade que o então presidente civil do regime militar (hue! que irônico) Castello Caucasiano tinha de controlar a mídia, pois os órgãos de imprensa também tinham de temer o pau de arara, caso contrário fariam da vida deles um grande inferno. Castello Branco sabia do poder da imprensa antes mesmo do Caso Escola Base, ainda mais eles que tinham tudo a temer, já que tinham acabado de matar, ops... serem acusados de uma fatalidade ocasional que foi a morte de Vladimir Herzog, olha que eles até tentaram socorrer o jornalista.

O órgão começou como um simples engodo para a implantação do Serviço Nacional de Informações, ou melhor, o Temido SNI, cão farejador e o x-9 do próprio governo. Com o fim da dieta militar não tinha mais motivos para manter o ministério funcionando a não ser para indicar aliados políticos em nome da tal governabilidade. Com isso, o governo passou a servir pra porra nenhuma.

O que fazem afinal?[editar]

Na linda e utópica teoria, este ministério deveria ser o principal fomentador da comunicação nacional, o responsável pelos investimentos governamentais na rede postal e telefônica, cabendo ao ministério gerenciar o Plano Nacional de Banda Larga bem como cuidar do FUST, mas como bem podemos ver, a internet mal chega a 27% das casas do brejo brazilis, além do Plano Nacional de Banda Larga que tinha por objetivo principal promover a venda crescente de computadores da Casas Bahia e com isso oferecer a esses pobres cidadãos por meio da livre coerção, uma banda larga tão ruim quando a rampeira que pariu o presidente da Anatel. O melhor que esse plano "nacional" ridículo conseguiu foi dar um Celeron/Sempron para cada pé rapado das regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul. Os índios do Norte, batiam ponto na porta do antigo ministério todo o dia para pedir internet de melhor qualidade as aldeias deles também.

Alguns célebres ministros da telecomunicações foram o deus baiano Antônio Carlos Magalhães, o Napoleão Ruimnaparte, o ex-repórter do fantástico Hélio Costa, Paulo Bernardo, Ricardo Berzoini e o último embuste a ocupar o cargo foi o André Figueiredo.

Ver também[editar]