Ministérios do Brasil

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
NovoWikisplode.gif
Para os neo-ateus que preferem acreditar em mentiras, os supostos experts da Wikipédia têm um artigo sobre: Ministérios do Brasil.

Os Ministérios do Brasil são órgãos que muitas vezes foram criados para fins escusos, como apadrinhamento político e retribuição de favores prestados na eleição por terceiros, sendo alguns pouquíssimos ministérios criados para questões verdadeiramente complexas, como o Ministério da Fazenda e o Ministério da Agricultura. E esses ministérios citados ainda sofreram com mais sub-divisões afim de acomodar todos os criminosos que ajudaram de alguma forma nas últimas campanhas eleitorais, sendo eles representantes de partidos ou amigos pessoais do presidente.

Divisão para o comando das pastas[editar]

A divisão de cargos ministeriais no Brasil sempre se dá conforme o nível de importância e o valor que o ministério manipula anualmente. Obviamente que quanto mais os cargos são populares e quanto mais dinheiro ele possui, melhor para o infeliz que irá ocupar a chefia da pasta, pois nas próximas eleições ha maior probabilidade dele ser eleito devido ao modo de votar do brasileiro — vou neçe aki puqe vi ele falanu coizas bouas na tevelisaum.

Os ministérios mais relevantes para as maiores organizações criminosas da república bananeira são os ministérios do Planejamento, da Saúde, da Agricultura e o também o ministério do Desenvolvimento Social e Agrário. São ministérios que melhor manipulam o erário, com a vantagem de lidar diretamente com um idiota brasileiro logo, são cargos que já garantem pelo menos a vitória nas eleições a algum cargo de nível estadual (governador ou senador).

Ministros[editar]

Bandeira do Ministro de Estado do Brasil, também usado como forro de mesa. Nunca teve serventia nenhuma...

Para assumir uma boquinha em algum ministério do Brasil, é necessário primeiramente que o aspirante a indicação precise ser alguém popular dentro do partido ou se não, que pelo menos seja amigo pessoal do presidente da república, prometendo-lhe lealdade nos momentos mais difíceis, não importando as divergências pessoais.

Em alguns ministérios, a ficha criminal pode contar como uma qualificação a mais no currículo dos candidatos a uma vaga na chefia de algum órgão ministerial. Para ser um ministro do Planejamento, é necessário entender bem de acordos políticos debaixo dos panos ou ainda ser alguém com um longo histórico peculatista.

Já em outros ministérios como o do Meio Ambiente, do Esporte ou de Ciência e Tecnologia, o cargo de chefia pode ser assumido pelo primeiro imbecil que passar na porta do gabinete da presidência, não requerendo experiência, domínio, conhecimento ou qualquer noção sobre a área que este burro irá assumir (ex.: George Hilton, Aldo Rebelo ou qualquer bancário licenciado da Banco Universal). Normalmente quem assumi tais ministérios é alguém dos partidos de menor expressão, partidos com possibilidade zero de eleger algum representante a nível nacional, mas que tem domínio sobre a Câmara dos Deputados ou tenha um bom número de cadeiras ocupadas no Senado (PP, PRB, PCdoB, PSD ou PR).

Ministérios do Brasil[editar]

A seguir, uma pequena demonstração dos milhares dos cabides ministeriais brasileiro.

Secretarias com status de ministério
Órgãos com status de ministério

Antigos Ministérios[editar]

Alguns ministérios que já foram extintos foram o ministério das Comunicações, o Relações Institucionais (e que voltou como SeGov) e o maior cabide de empregos públicos já criado pelo homem (ou por um invertebrado), sim senhoras e senhores, o utilíssimo e indispensável Ministério da Pesca.

Ver também[editar]