Momotarō

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Maisacapeta.jpg Este artigo trata de crianças realmente CHATAS!

Que fofinho, este artigo é sobre uma criancinha bobinha. Edite-o até ela
deixar de ser fofinha, senão Maísa irá te ligar!

Será a Princesa Peach? Não! É o Momotarō travestido!

Momotarō é uma verdadeira raridade na mitologia japonesa, sendo um dos poucos contos em que ninguém morre e termina com um final feliz. Por isso mesmo, é também uma das lendas mais chatas de todo o Japão, afinal, quem é que gosta das coisas politicamente corretas na ficção?

O fedelho[editar]

mais de 8000 anos atrás, havia um casal de velhos caquéticos que nunca conseguiram ter filhos, pois a mulher mesmo durante a juventude era uma baranga e consequentemente isso fazia com que o homem jamais conseguisse levantar a pipa do vovô.

Um dia, enquanto lavava as fraldas geriátricas cuecas cagadas do marido à beira do rio, a velha viu um pêssego gigante sendo arrastado pela correnteza e foi atrás dele. Sabe-se lá como, ela arranjou força o suficiente para tirá-lo da água e levá-lo para casa. Quando a fruta já estava prestes a ser cortada para servir de refeição ao casal de idosos, eis que sai uma criança ali de dentro, dizendo que foi enviada por Deus para ser o filho que eles jamais conseguiram ter. Os velhos ficaram meio decepcionados, afinal, preferiam comer o pêssego ao invés de ter que criar um guri retardado quando já estavam quase na idade de bater as botas, mas como não tinham escolha, acabaram aceitando o moleque, que passou a ser chamado de Momotarō (Menino Pêssego).

Coragem[editar]

Vendo que não passava de um baita estorvo na vida de seus "pais", Momotarō decidiu ir embora, mas não sem antes cometer a sacanagem de novamente deixar os velhos passando fome e roubar uns bolinhos feitos por sua mãe para levar consigo durante a viagem que estava prestes a fazer para a puta que pariu.

Enquanto caminhava por esse mundão afora, Momotarō conheceu um cachorro, um macaco e um faisão que passaram a lhe fazer companhia. Também ficou sabendo da existência dos malvados onis e decidiu que iria derrotá-los, já que não tinha porra nenhuma para fazer.

Os animais que o acompanhavam não ficaram muito felizes com a ideia de Momotarō enfrentar os onis, mas este ofereceu a eles como suborno os bolinhos que trazia consigo, então todos eles continuaram juntos, mesmo sabendo a merda em que estavam se metendo.

Felicidade[editar]

Quando Momotarō e seus amigos chegaram à ilha dos onis, quis ir direto ao castelo do rei. Chegando lá, ele também subornou o monarca com bolinhos, tal qual fez com os bichos que o acompanhavam, e desta forma, ambos firmaram um trato de que os onis nunca mais atacariam as pessoas se em troca Momotarō lhe enviasse regularmente mais daqueles bolinhos via Sedex.

Esta é a verdadeira história de Momotarō, que até hoje é considerado um herói pelos japoneses por livrá-los dos onis.