Multiplayer

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg Multiplayer é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, alguém dropou uma Blood Essence.


Em jogos multiplayer, você pode ser quem você quiser!

Um game multiplayer (tradução: jogo multijogador, mas nem professores de português falam assim) é um game ou um modo de game em que é necessário mais de uma pessoa para se jogar, contrariando todos os propósitos de um video game que é feito para solitários falhos sem vida social que não saem de casa. Por causa disso, existem poucos jogos que são exclusivamente multiplayer local, pois é muito rara a ocasião em que o moleque consiga seus pais ou algum amigo para jogar com ele - e quando traz o amigo, dá o controle mais fodido a ele, para assim ganhar vantagem no game, e depois o moleque ainda se pergunta porque ninguém gosta dele.

Logo que surgiu a Internet, a indústria de games notou que a maioria dos gamers são falhos que jogam sozinhos e não sabem falar com pessoas. Hoje em dia, com vários games multiplayer online, os gamers jogam juntos no conforto de suas casas e trocam mensagens carinhosas como "fuck you n00b" "VSF APELAO LIXOOOOOO" e o clássico "MAKE ME A SANDWICH BITCH". Esse tipo de game ficou tão popular que, o que era considerado apenas um minigame perto de um singleplayer principal (no caso de multiplayers locais), agora virou uma indústria com vários jogos exclusivamente multiplayer online onde as pessoas não só gastam suas vidas tentando ser os melhores jogadores, como também gastam dinheiro comprando cosméticos ridículos - o que não é diferente da vida real, pois, se você ver bem, os caras nem saem de casa para gastar com roupa, então, que comprem roupas para seus avatares.

Existem vários gêneros de multiplayers, o mais popular sendo o de tiro, seja FPS ou TPS, isso porque as pessoas querem abrir o jogo e já entrar matando geral - ou morrendo pra caralho se forem n00bs. Há também os jogos de luta, em que há uma curva de aprendizado gigantesca, isto é, se você é novato ou até mesmo casual, as chances de ser estuprado no online são muito altas, e somente masoquistas insistem em tais jogos - de fato, é mais fácil lutar na vida real. Outro gênero muito popular são os MMORPGs e os MOBAs, que requerem um sacrifício ainda maior da vida social para que se jogue efetivamente comparado aos gêneros anteriores - e como você não tem, provavelmente já angariou 6 mil horas jogadas no Dota 2 na Steam, né safado?

História[editar]

As origens[editar]

O primeiro rage quit da história

Como já dito anteriormente, uma sessão de video game normalmente é uma sessão solitária: é somente o gamer, um pacote de Doritos, uma garrafa de Coca-Cola (ou Fruki se for pobre), um lubrificante para a punhetinha básica depois do game e os lenços de papel. Mas, acredite ou não, nem sempre foi assim, pois o considerado primeiro video game já feito na história é exclusivamente multiplayer. Muitos jogos, no início, iam pela lógica dos jogos de tabuleiro e cartas, em que você necessita de um companheiro para jogar - sendo que as pessoas só jogam essas merdas se forem para apostar, com exceção de pais que jogavam com os filhos na época em que não se podia estacioná-los em frente à TV/smartphone.

Não demorou muito para os desenvolvedores reconhecerem o potencial de jogos eletrônicos serem algo que se possa fazer sozinho. Pois assim como no sexo, nem sempre é fácil ou barato conseguir alguém para se fazer, sendo necessárias as alternativas. Enquanto a maioria dos jogos oferecia suporte a dois jogadores, ainda era possível jogar sozinho.

Nintendo[editar]

Quando se fazia menos pontos que o coleguinha

Praticamente todos os jogos do Nintendinho e do Super Nintendo ofereciam suporte multiplayer, só que, como era de se esperar para sistemas da época, era uma merda. O problema é que eles nem ao menos tentavam, pois o multiplayer era sempre o mesmo game, só que, quando um jogador morria, era a vez do outro jogar. Talvez a Nintendo soubesse que sempre há guerras disputando o controle quando as pessoas fazem esse esquema de "morreu/passou de fase, passa o controle" por conta própria então, nesse modo, ao menos cada um tinha seu controle e não haveria brigas - a não ser a briga clássica do amigo que é visita ficar com o controle mais fodido.

Os games cujo multiplayer era diferente, ou seja, algo simultâneo, normalmente era exclusivamente multiplayer - lembrando que o "multiplayer" que estamos falando aqui era só para duas pessoas. O Super Mario Bros. original de fliperama era de dois jogadores, por exemplo, e o Luigi (aka Mario verde) só existe por causa desse modo.


PlayStation e Nintendo 64[editar]

Mais raro que achar um game que suporte tantos jogadores era achar gente pra jogar, e se conseguisse reunir 5 pessoas em um mesmo lugar ninguém jogaria porra nenhuma, fariam uma orgia

No GrillStation 1 e no Nintendo 69 foi-se popularizando o multiplayer simultâneo com tela dividida - o que era uma merda porque a maioria das pessoas tinham televisores pequenos, que inclusive era dividido em até quatro partes dependendo do jogo. As brigas da época incluíam as dos moleques exigirem que os outros NÃO OLHASSEM PARA A TELA UM DO OUTRO para não localizá-los no mapa caso fosse um game de tiro estilo Medal of Honor. Jogos de luta, futebol e corrida, populares em arcades, agora puderam ser aproveitados à vontade nas casas da pirralhada, sendo que muitos tinham pais nerds que gastavam fichas em fliperama, e, por já manjarem dos games, davam um pau nos filhos e nos amigos dos filhos em casa.

Multiplayer local:

Multiplayer online[editar]

A molecada faz fila pra jogar

Com a Internet crescendo e o multipalyer tosco de tela dividida se tornando obsoleto e sendo deixado de lado pela maioria dos gamers, começou-se a desenvolver games exclusivamente online. Um dos mais populares foi o Counter-Strike, e como a maioria dos brasileiros eram pobres na época (estamos falando do começo da década de 2000, quando você nem era projeto de gente), eles se juntavam em LAN houses para jogar em LAN - o que talvez seja a única ocasião em que o LAN de LAN house foi utilizado corretamente. O legal é que, diferente dos jogos online de hoje em dia, se você xingasse alguém no jogo, teria que enfrentar a briga na vida real, e você poderia ser assassinado (ou perder, playboy, no dialeto certo) pois tais LAN houses eram localizadas em favelas. É até engraçado pensar que os donos de LAN houses conseguiam manter o local sem que favelados roubassem todo o equipamento, o que nos leva a crer que os traficantes que mandam na porra toda gostavam de relaxar no fim do dia jogando um CSzinho.

Houve casos de favelados que se viciaram em games multiplayer desde aqueles tempos: os caras matavam aula e vendiam tudo o que tinha para ficar jogando CS, o que explicaria o investimento dos traficantes no negócio pois isso era praticamente uma droga. Se naqueles tempos já era assim, quem dirá agora em que os games são praticamente de graça (os pais pagam) e os gamers podem jogar à vontade em casa.


Jogos multiplayers[editar]

Exemplo de jogos multiplayers - e se você é gamer, provavelmente já perdeu alguns anos de sua vida em pelo menos um dos games listados abaixo.

World of Warcraft
O MMORPG mais popular de todos os tempos e provavelmente o mais caro.
Dota 2
Um MOBA estratégico que compete com League of Legends na categoria de "jogo que mais tira vida social de seus jogadores".
Team Fortress 2
FPS que popularizou o esquema de cobrar por itens dentro do game, gerando muito mais lucro do que cobrar pelo game em si (tanto que TF2 É F2P, um termo nerd para gratuito).
Minecraft
Praticamente um LEGO virtual, onde você pode montar casas sozinho ou reunir seus amiguinhos para montarem junto com você.
Fortnite
Um battle royale, modo de jogo em que 100 pessoas caem em um mapa para SE MATAREM.

Ver também[editar]