O Peculiar Exame do Índio

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

O Peculiar Exame do Índio é uma mega-produção brasileira arromba quarteirão do gênero comédia, produzida no ano de 2000 e lá vai pregas, digo, prego, que conta a história de um jovem índio tupi-guarani que, com seu sorriso sedutor abençoado por Tupã, faz um jogo de sedução com o médico em residência James Matarazzo, que não resiste, vaim, e acaba comendo o cu cabeludinho do indígena.

História[editar]

Índio degusta aquele suco de laranja que não pode faltar na mesa dos verdadeiros machos virgens.

O filme começa com uma partida de truco valido o toba entre o Índio de Família, Alexandre Senna e mais um viadão aleatório que entrou pela cota de delícias.

Após as primeiras rodadas, com todo mundo já assado e não aguentando mais apostar, a galera embriagada por ter tomado muito Noku, começa a bater papo e falar um monte de merda. Assim, Índio diz que vai seduzir James Matarazzo, o médico em formação que está trabalhando em sua aldeia, e vai dar o cu pra ele. Os demais presentes não acreditam nisto, acham que é apenas falácia, porém, para demonstrar poder e compromisso com sua palavra, Índio faz o que qualquer homem faria, tira o pau pra fora e o bate na mesa, executando assim uma espécie de ritual de juramento.

No final do dia, não podendo descumprir com sua palavra de tupi, Índio vai até a oca, não confundir com oco, do doutor Matarazzo, e diz que está com fortes e agudas dores anais. Muito solícito, o doutor começa a fazer aquele exame peculiar, utilizando um método inovador que aprendeu no Rio Grande do Sul, Matarazzo faz movimentos de vai e vem no pênis do indígena, para assim localizar o foco da dor com maior facilidade e prazer.

Neste momento, percebendo que estava rolando um clima, Índio, incorporando o espírito de valentia de seus antepassados que caçavam ursos grandes, peludos e mansos, dá uma investida em Matarazzo, falando palavras sedutoras em seu ouvido, como "vai me comer vaim?". Não podendo negar o pedido de um oprimido indígena, Matarazzo faz aquilo que deve ser feito, sacando seu estetoscópio particular e fazendo exames em seu paciente por dentro, que sai de seu consultório curado, apesar de ainda com dores anais.

Recepção[editar]

O filme é considerado pelos críticos virgens como um marco na história do cinema nacional, por retratar a realidade de masculinidade dos indígenas brasileiros, além de mostrar o que eles fazem quando não estão cobrando pedágios ilegais de caminhoneiros nas estradas.

As atuações fortes e seguras de Matarazzo e Índio são elogiadas pela crítica especializada, pois eles conseguem manter o espectador ligado do princípio do exame até o final da cena. A participação especial de Alexandre Senna também não é esquecida, sua atuação de apoio é elogiada pelos machos virgens que não o viam em cena desde o Teste Pornô.

Apenas nas duas primeiras semanas de estreia, o filme arrecadou cerca de vinte milhões de euros mundo afora, e foi líder de bilheteria em todos os cinemas nos quais foi exibido. Esta foi uma das produções mais prolíficas e rentáveis da Ícaro Studios, perdendo apenas para a trilogia essencial de Pai de Família, virtualmente imbatível em popularidade, e para O Problema na Mangueira, que conta com Mangueira Boy, ator no mesmo nível que o Índio.