Osella

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Banner irreal.jpg


Osella faliu!
Graficozero.JPG Nem o Lula quita suas dívidas!

Outros que ficaram no vermelho.

Macarraopre.jpg PORCA PUTTANA!!

Questo articolo è 100% made in Italia ed è sotto il controllo di Cosa Nostra! Perciò sta' bene attento a dove metti le tue manacce zozze o i nostri amici verranno a casa tua per spezzarti le gambine!


Cquote1.png Você quis dizer: Ofélia? Cquote2.png
Google sobre Osella


A Osella é uma ex-equipe italiana de Fórmula 1.

História[editar]

Logo da Equipe Ofélia Osella

Fundada pelo seu fundador (ou afundador) Sem Consenzo Osella, a equipe se destacou na categoria principalmente nas décadas de 80 e 90, por ser a pior equipe da Fórmula 1. Na década de 80, em especial, a equipe italiana rivalizava com sua conterrânea Coloni pelo título de então pior equipe da principal categoria do automobilismo mundial.

Na época, muita gente se perguntava, como é que a Osella fazia pra se manter na F-1, mesmo diante de tamanha escassez de recursos (financeiros, judiciários, minerais, vegetais, bombas caseiras e por aí vai), e, por causa disso, escassez também de resultados (na pista era um verdadeiro horror; era pior que a Minardi, que depois viria a sucedê-la no cargo). Em [[1987], por exemplo, o carro era tão pesado, mas tão pesado, que, se botasse o carro do lado do Rei Momo, ninguém iria conseguir distinguir um do outro. Então, o dono da equipe, Sem Consenzo Osella, não pensou duas vezes: falou assim pro carro (a equipe só tinha um piloto por falta de verbas): "Meu filho, vou te botar já numa academia pra você perder peso e ganhar competitividade. Olha só como você está gordo; tá mais gordo que o Gornaldo. Tu vai passar o dia inteiro no spa, durante, pelo menos um mês." E assim foi. Pouco antes de começar a temporada, o carro, que pesava cerca de 1.500 quilos, perdeu incríveis 50 quilos é realmente impressionante a imensa quantidade de quilos perdidos, mas não conseguiu a competitividade desejada por seu chefe. Resultado: o carro ficou mesmo revezando com a Coloni que também só tinha um carro, pois sofria os mesmos problemas da Osella, o posto de pior equipe da categoria. Volta e meia a também italiana Rial e a francesa AGS entravam na briga por esse posto.

Carro do presidente da equipe Osella.

Primeira Corrida[editar]

Logo na primeira corrida em Jacarepaguá, o piloto italiano Ox Cof, da Osella, se classificou em penúltimo, e o piloto também italiano Pasqualete Trapini, da Coloni, ficou logo atrás, em último. Na largada, Cof conseguiu sair melhor que Trapini na primeira curva. Mesmo assim, Trapini foi tentar ultrapassá-lo. Detalhe: nesse momento Cof estava tentando uma ultrapassagem em cima do francês Philipe Estreito, da equipe AGS, que, com um pouco mais de sorte, e com um orçamento um pouco melhor além de um outro piloto, conquistava honrosamente o posto de antepenúltima equipe da categoria maior de monopostos. Recapitulando: Trapini tentava passar Cof, que por sua vez, tentava passar Estreito. Imaginem a cena, senhoras e senhores: eram três idiotas paspalhos tentando fazer uma curva onde só cabia um. Eram os legítimos Moe, Curly e Larry do automobilismo mundial. Vale lembrar aqui que os três pilotos eram comediantes e cambistas do Maracanã nas horas vagas, pra ajudar no orçamento das equipes. Porque eles corriam de graça, lógico. Afinal, suas equipes não tinham dinheiro nem pra gasosa, que na verdade era diesel usado do caminhão das equipes.

Então, voltando à cena, os três patetas idiotas paspalhos bateram com o carro um no outro e rodopiaram e bateram quase ao mesmo tempo no guard-rail. No resultado final da corrida, Estreito era o antepenúltimo na classificação geral com um total de 250 metros percorridos, o herói da Osella, Cof, foi o penúltimo com 220 metros. E o Trapini, foi o último, com 175 metros percorridos.

Outros Dados[editar]

A Osella tinha como fortes características o patrocinador desde o início. Trata-se da FONDMETAL, que, mais tarde, foi rebatizada de BOM DE META, por sua meta ser bastante clara: ficar sempre nas últimas posições. Outra forte característica da escuderia italiana é pedir empréstimos a quase todos os bancos da Itália, e, ainda assim, ter um dos piores orçamentos da categoria, e se encher de dívidas galopantes, tão galopantes, que todos os funcionários vão do hotel ao autódromo a cavalo, que saía mais em conta, justamente por não gastar combustível. Mas em compensação, os boxes da equipe ficam sempre cheirando a merda porque os pobres animais realizavam ali o seu trabalho diário de defecação e urinação (eca!!!!).

Na pista, o piloto tinha extrema dificuldade em guiar o carro, pois a direção era dura demais - nem em ferro-velho os restos dos carros são assim - e os pedais idem. Fora a caixa de câmbio - na época manual - que, quase sempre quebrava antes da primeira volta. Então, muitas vezes a equipe não treinava, pra poupar equipamento. E foi assim durante muitos anos, até meados da década de 90, quando faliu definitivamente, deixando esse posto para a sua conterrânea Minardi, que tocaria esse projeto adiante, ou seja, ela continuaria a saga que consagrou as equipes italianas, quase que em sua totalidade (só a Ferrari foi bem-sucedida).