Parada de Lucas

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Pobre0002.jpg Essi artigu é faveladu!

Nem por isso tá involvida cum droga, putaria ou ladruagi!

Não leia se for gayúcho ou do BOPE!

Bandeira rj.jpg Coé, merhmão, eshte arhtchigo eh CARIOCA!

Não vandalize, senão a chapa vai ficarh quentche, cara. Agora deixa eu irh na praia pegarh um bronze nesse sol de 50 graush, comendo unsh bishcoitosh.


Cquote1.png Você quis dizer: Favela de Lucas Cquote2.png
Google sobre Parada de Lucas
Cquote1.png Corajoso esse Lucas pra fazer uma parada aqui hein!? Cquote2.png
Qualquer um sobre Parada de Lucas
Cquote1.png PÁ! Cquote2.png
Qualquer um sobre barulho mais escutado no bairro

Parada de Lucas é um bairro de classe abaixo-da-média na zona norte do Rio de Janeiro. O nome é escroto assim pois um português de nome Lucas parou nessa localidade, provavelmente pra comer uma coxinha de frango da tia da barraquinha e beber uma Coca cola e depois seguir viagem provavelmente para Angra dos Reis, pois devia ser rico para fazer com que essa porcaria virasse um feudo dele bairro com seu nome. Mas por algum motivo ficou em definitivo, e, certamente não foi porque o povo de lá era bonito.

História[editar]

A bela barraquinha que Lucas parou. Vide quanta higiene!

Um português chamado Lucas decidiu ir à uma sesmaria qualquer pedir um pedaço de terra para fazer sua Colheita Feliz e viver disso até o fim dos tempos, como todo português fazia antigamente até descobrirem a fórmula mágica do pão francês e a palavra padaria. Mas, como todas as outras terras estavam ocupadas, restou pra ele uma na puta que pariu, apenas 2 km depois do Inferno e 1 km antes da cidade de Japeri. Mesmo insatisfeito, não deu outra, ele seguiu caminho até lá, onde pensava em plantar cenouras.

No caminho, bate a fome, e, decide parar num lugar onde vê uma barraquinha cuja placa dizia Çaugadinhus da Tia (sic). Lucas ficou mais intrigado com a placa do que com a existência de um projeto de lanchonete lá, mas como já estava com fome mesmo, parou. No meio daquele grande nada, em conversas com a obesa que ali atendia, o tempo foi passando e como todo bom português é inteligente, deu falta de uma coisa muito comum de se colocar na coxinha de frango.

Cquote1.png Essssxtá faltando uma couve nesssssxta bagaça! Cquote2.png

Uma típica queixa da população da área é a de pessoas circulando livremente com armamento pesado.

A atendente não entendeu e chamou o cara de louco. Mas não sabia a loucura que ele faria depois: decidiu ficar por ali e começar uma plantação de couves, para abrir sua própria lanconete e depois entrar para o ramo de fast-foods, que sem dúvida fariam sucesso no Império! Imagine, na carreata de enforcamento do Tiradentes, todos com fome, e, sem problemas, um Mc Portuga estava ali para satisfazer a fome de todos com um McCouve espetacular!

Bom, para isso ele também pegou um empréstimo trilionário com o Banco BMG, para construir uma estação de trem que fosse capaz de levar essas couves para todo o resto do estado. Ele colocou isso na conta do bairro como um todo e por esse outro motivo todos os habitantes da área são tão pobres. Essa estação de trem existe até hoje e a placa de boas vindas diz Bem vindo ao buraco onde Judas perdeu as botas, com versão já em inglês demonstrando que até um buraco no meio do nada no RJ está se preparando para as Olimpíadas. Em inglês as inscrições são You're in the Highway to Hell, nada mais do que uma outra homenagem, dessa vez ao AC/DC, que estava nesse trem enquanto compunha Highway to Hell.

Ao ver a merda que tinha se metido, Lucas decidiu recorrer à religiosidade e construiu uma capela no alto de um morro para ver se protegia a área e afastava a criminalidade. Não deu muito certo, assim como os outros portugueses já tinham tentado colocando o Cristo Redentor no alto de uma montanha no Rio pra ver se as favelas sumiam. Até hoje existe o tal morro da capela, e lá embaixo existe uma escola de samba, que é onde o pessoal fica bêbado e faz todos os pecados para depois subir o morro e se confessar para o padre. Se bem que váááárias igrejas evangélicas de nome gigante surgiram na área e ofereçeram o pacote de remissão geral por uma simples quantia em dinheiro e facilitou ainda mais a vida do povo na área.

Em 1900 e guaraná com rolha só tinha um ponto do tal bairro que tinha água potável e segue assim até hoje, mas a água não é mais potável e os moradores cruzavam meio mundo com galões para pegar um pouco da mesma para beber. Apenas para beber, tomavam banho apenas quando chovia, por isso também não eram tão limpos. Isso podia ser pior, imagina se no Maranhão fosse assim? (quem disse que não é?)

Passatempos do bairro[editar]

Mais um dia pacato em Parada de Lucas.

Geralmente quem vive lá acaba virando fera no atletismo, muito por ter que praticar isso no dia a dia, seja por arrastão, seja por bala perdida. ALiás, balas perdidas vindas dos traficantes da favela do bairro, que curtem jogar tiroleza ou tiro ao alvo, onde o alvo geralmente são os PM's, o que para alguns nada mais é do que um Counter Strike ao vivo.

Para outros é um pedido desesperado do povo da região para que o próximo Grand Theft Auto se passe por ali, até para o bairro ganhar mais visibilidade e o comércio, carro-chefe da economia (importante: cocaína e maconha não são contadas como comércio) sofreria um enrriquecimento de mais de 100% com a venda de royalties para a Rockstar Games.

Antes da falência da Rede Manchete, os habitantes da área costumavam não assistir outro canal, até porque, com a audiência alta, havia a chance maior de personalidades extremamente talentosas, como Dicró e Reginaldo Rossi serem vistas pelo pessoal que morava por ali. Mesmo assim era pequena, visto que quando eles vinham normalmente seus carros (Fuscas ou no máximo uma Fiat 147 arrumadinha) tinham vidros fumê (na verdade era papel colorido da cor preta grudado com durex, o que importava é que eles não ficassem na mira de AK-47 de alguém da favela).