Peso argentino

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Peso argentino, popularmente conhecido como mango é a inútil moeda oficial da Argentina e símbolo de sua decadência econômica. Foi criada durante uma crise econômica na década de 80 e até hoje não solucionou nem melhorou nada.

História[editar]

Cédula de 10 pesos argentinos, valor o suficiente para comprar uma trouxinha de cocaína.

Após décadas de crise, o peso argentino foi criado às pressas pelo Decreto nº 2.270 de 1981, e entrou em vigor em 1 de junho de 1983, quando o valor de 1 peso argentino totalizava 1 dólar. No entanto, a partir de 2003 até a data de hoje, a situação é diferente e, de fato, só pelo tempo de você terminar de ler este parágrafo, o aumento da inflação será o bastante para tornar ois seus pesos argentinos impossibilitados de comprar qualquer chiclete.

O peso argentino perdurou de 1981 até 1985, quando face ao seu fracasso, foi revogado e substituído pelo austral, pois os especialistas econômicos da Argentina acham que a macroeconomia mundial funciona assim, que se a coisa vai mal, basta resetar a moeda e dizer que a mesma vale 1 dólar. E assim foi com o austral, que uma vez fracassado e descontrolado, foi revogado e o peso argentino reassumido em 1991.

A falta de valor do peso argentino e as sucessivas crises econômicas no país criaram um fenômeno peculiar na Argentina, onde a população passou a utilizar panelas velhas de aço como moedas extraoficiais e unilaterais do sistema econômico argentino no que ficaria conhecido como panelaço, pois uma vez que o governo cogitou tornar ilegal o escambo em troca de panelas, o povo argentino começou a bater colheres nas panelas e alegar que tal item era um instrumento musical e não necessariamente uma panela, e em coro diversos argentinos saíram às ruas batendo em suas panelas como forma de demonstrar que estavam simplesmente tocando numa banda musical de rua, e não necessariamente protestando contra a gestão econômica argentina e o peso argentino.

Um fato digno de nota do peso argentino foi denominado de corralito, episódio em que, o então presidente argentino Fernando de la Rúa, em 2001 num insight de genialidade para driblar a crise, proibiu que pesos argentinos fossem trocados por dólares, e para impedir isso, ele teve a ideia genial de congelar o dinheiro argentino em bancos. Os cidadãos argentinos iludidos que confiaram no país e especialmente nas suas instituições bancários, foram todos reconhecidos como bons clientes ao serem roubados por Sua Excelência filho de uma grande mãe puta gorda Ministro da Economia Domingo Cavallo que bloqueou todo o sistema bancário do país. Não só evitou o levantamento de fundos depositados em pesos, mas aqueles que tinham depósitos em dólares, foram devolvidos aos seus depositários com o valor em pesos, o que faliu metade do país, e por isso a Argentina até hoje só tem uma cidade, que é Buenos Aires. O resultado desta situação delicada, tal qual o êxodo do Egito, milhares de argentinos migraram para a Pátria-mãe Espanha, que estranhamente faliu alguns anos depois, porque será?

O ano de 2013 foi incerto para o peso argentino, pois como todos economistas argentinos parecem ter concluído apenas o ensino médio, os debates acerca da moeda se intensificaram em calorosas discussões sobre que figuras utilizar nas cédulas e moedas, afinal a arrogância argentina sempre foi um grande problema endêmico da cultura daquele país, e todo mundo achava que si próprio é que deveria estar desenhado nas notas. O Brasil tentou dar o exemplo colocando uma mulher genérica qualquer nas notas, mas os argentinos por fim entraram em consenso e colocaram o Maradona nas notas e moedas.

O ano de 2015 fica marcado pelo lançamento da moeda de 1 peso argentino e nota de 50 pesos argentinos para os 5 argentinos que vivem nas Ilhas Malvinas. Tais moedas não tem valor econômico, sendo elas meramente objeto de colecionadores.

Valor[editar]

O peso argentino <S. pesa 1,45KG começou a circular em 1 de janeiro de 1992 sob a chamada Ley de Convertibilidad de 1991, durante o reinado de Darth Menem. Desde então, e até 7 de janeiro de 2002, o peso argentino tinha um valor monetário igual a 1 dólar por peso argentino. Isso parece bom, se não fosse o fato de que as coisas que não fossem carne e trigo estavam em falta na Argentina porque ninguém venderia a eles. Mas a partir da revogação da Lei de Convertibilidade sob o governo de Eduardo Duhalde, devido à forte crise política e econômica, o peso argentino tem sido desvalorizado continuamente até uma taxa de câmbio atual de cerca de 5 pesos por dólar por hora. Hoje, o peso é um simples papel pintado desprovido de qualquer valor monetário.