Peso colombiano

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Caro usuário, se você quiser continuar esta chamada, introduza cinco milhões de pesos Cquote2.png
Telefone público em Bogotá
Cquote1.png Agora vamos aos indicadores econômicos! O peso colombiano frente ao dólar está sendo negociado agora em dois mil... digo, cinco mil... não em mil, espere, em dez mil... Cquote2.png
Um jornalista econômico observando o termômetro do peso colombiano

Peso colombiano, popularmente conhecido como barra ou lucas, dependendo da região, cujo símbolo aleatório ditado por gringos foi o COB $, lembrando que o cifrão colombiano não é feito com apenas um traço como qualquer moeda que se preze, o símbolo do peso colombiano é desenhado com duas linhas sobre a letra S, o que significa que ele é duplamente desvalorizado, esse cifrão é tão idiota que nem existe interesse de colocá-lo no teclado. O peso colombiano é um dos dinheiros subdesenvolvidos da América do Sul, servindo apenas para a Colômbia. Sua circulação é controlada pelo Banco da República da Colômbia cujo controle é tal que o seu movimento é bastante restrito.

História[editar]

Respectivamente, uma cédula de 40 mil barras, e outra de 500 lucas.

O peso colombiano foi criado em 1994 inspirado na criação do real no Brasil. Todavia, o objetivo da criação do peso colombiano era bem mais clara, sendo ele uma tentativa desesperada do governo em controlar e combater ostensivamente o mal que é o tráfico de drogas no país. A ideia era munir os estudantes maconheirinhos de Bogotá e Medellín com pesos colombianos, tornando-os miseráveis e assim impedindo-os de comprar dorgas. O que o governo não esperava é que 99% das drogas cultivadas na Colômbia são vendidas nas universidades do Brasil, onde não há pesos colombianos, e isso explica porque as FARC passou a dominar a Colômbia a partir da década de 90, pois começou a receber em dólar, o que significa ser milionário em termos de peso colombiano.

Fato curioso ocorreu em 1997, quando com menos de 3 anos de circulação, o governo já precisou revogar e remover de circulação a cédula de $ 1000 pesos colombianos por esta ser azul já não ser capaz de comprar nem um chiclete. O motivo de sua remoção foi porque ela tinha o rosto de Simon Bolívar. Tal nota foi substituída por uma moeda de plástico sintético, fato este que serviu para colocar em prática a criatividade do povo colombiano em suas casas. Tal moeda patética era tão fácil de reproduzir que chegou a se tornar dever-de-casa de professores de artes plásticas quando era muito comum os alunos colombianos escutarem "Crianças, para a próxima semana tragam-me cem mil pesos em moedas". Entre 1997 e 2002 esteve em circulação esta fajuta moeda de $ 1000 pesos colombianos, o que muito estimulou a criatividade, consciência, cidadania e o patriotismo do povo colombiano que passou a reproduzir em massa a moeda nacional poupando assim grande trabalho que a Casa da Moeda teria em Bogotá. Estas grandes amostras de solidariedade foram tão bem sucedidas que o Banco Central da Colômbia decidiu retirar do mercado em 2002 estas moedas para não perturbar os colombianos com mais trabalho.

Em 1998, em comemoração ao 50º aniversário da OEA, uma organização que não tem nada a ver com a Colômbia, o então presidente da Colômbia César Gaviria só por puxa-saquismo barato decidiu dedicar uma moeda de 5000 pesos à OEA, todavia foram cunhadas apenas 5000 moedas comemorativas destas, que estão agora todas em museus em Nova York exibidos como curiosidades para mundo.

O governo de Álvaro Uribe teve uma excelente ideia em 2006, quando o Banco Central colocou em circulação a moeda de 20 pesos colombianos, incapaz de comprar caroços de goiaba, mas toda bonita e dourada, ideal para os colombianos oferecerem sempre que são abordados por ladrões em ônibus (ou seja, os cobradores) que se maravilham com a beleza da moeda sem perceber o real medíocre valor da mesma. Agora as moedas de 20 pesos colombianos são guardadas em casas como relíquias e decoração, sem valor comercial.

Valor[editar]

Normalmente, os jornalistas dos noticiários noturnos nos exibem indicadores econômicos nos meios de comunicação, mas na Colômbia isso é desnecessário, porque o comportamento do câmbio do peso colombiano é similar ao comportamento de um ioiô.

Com 1 peso colombiano você não pode comprar nada. Com 2 pesos tampouco. Com 3 pesos menos ainda. Agora com 100 pesos... ainda não é possível comprar nada. Todavia, com 500 pesos já é possível comprar alguma bugiganga no mercado. Com 1000 pesos um suco de uva de caixinha. Com 2000 pesos você já consegue ter 1 dólar e começar a economia para a fuga para os EUA. Com 2500 pesos aí já é possível adquirir uma moedinha de 1 euro e começar a economizar a fuga para a Espanha, quem sabe. Com 5000 pesos você pode comprar um Gatorade. Com duas notas de 5000 você já tem 10.000 pesos de modo que você pode adquirir um almoço ou cocaína para trocar por notas de real e ficar milionário na Colômbia.