Pitfall!

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg Pitfall! é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, Sagat solta um Tiger Robocop.


Cair na Cova!
Pitfail.png
Logotipo ainda no Atari
Gênero simulador de boneco leproso se fodendo
Desenvolvedor Activision
Publicador Activision
Plataforma de origem Atari 2600
Primeiro lançamento Pitfall! do Atari (1982)
Último lançamento Pitfall: The Lost Expedition (2004)

Pitfall!, apesar de muitos duvidarem que exista mais de um jogo daquele boneco fodido, é uma série de jogos (fracassada e esquecida, é verdade) de propriedade da Activision. Por mais que seus jogos sejam incrivelmente toscos, mal desenvolvidos, terrivelmente ruins, curtíssimos, pior que Mineirinho Ultra Adventures, eles adquiriram status de "cult", por isso surpreenda-se que há quem fale bem desses jogos altamente toscos. Outra verdade que é difícil ser escondida é que só o primeiro jogo de 1982 é relativamente conhecido, e as sequências são todas massivamente desconhecidos, todos os jogos dessa série são uma aula sobre como "não" fazer um joguinho.

Jogos[editar]

  • Pitfall! clássico - O único jogo que as pessoas realmente conhecem, e conhecem só por fazer parte da história dos videogames mesmo, pois é considerado o pior jogo de plataforma de todos os tempos, afinal jamais alguém realmente se divertiu jogando essa birosca, e se por um estranho acaso alguén realmente se divertiu, foi uma sensação que durou 5 segundos até o zeramento do jogo.
  • Pitfall II: Lost Caverns - Um ano após o lançamento do primeiro jogo, percebendo que o Pitfall I só tinha 3 míseras fases, essa continuação foi desenvolvida para que os donos do Atari ficassem mais de 5 segundos com um jogo, dessa vez uns 10 minutos, que é o tempo médio para se enjoar dessa porcaria repetitiva, já que nessa continuação devemos guiar o boneco por uma caverna cheio de limões gigantes que devem ser coletados.
  • Super Pitfall - O nome "Super" é só uma mera enganação (plágio mesmo de Super Mario), que de super essa desgraça tem nada. O que aconteceu é alguém que se sentia muito espertinho pegou os sprites do Super Mario Bros. de 1985, coloriu o Mario de azul, nem se deu ao trabalho de remover o bigode (criar um lábio se demonstrou tarefa difícil demais). O problema é que esse desenvolvedor claramente tinha Mal de Parkhinson o que resultou em um jogo altamente leproso, como se tivessem feito um jogo de Atari 2600 para o NES.
  • Pitfall: The Mayan Adventure - Aquele jogo exageradamente genérico, com cara de Mega Drive mesmo, é uma espécie de jogo do Aladdin mas com o chicote do Simon.
  • Pitfall 3D: Beyond the Jungle - O jogo anterior até que estava decente, mas com o objetivo de sepultar de uma vez por todas essa série, a Activision contratou marmotas nãoa destradas para produzir esse jogo, resultando no 3D mais cretino que se possa imaginar.
  • Pitfall: The Lost Expedition - O último prego no caixão dessa série, porque com gráficos de PS1 foi lançado para GameCube. Provavelmente, baseado-se no que é o primeiro jogo da série, alguém achou que fãs de Pitfall gostam de gráficos toscos. O jogo é apenas uma grande vergonha alheia, criado por estagiários.
  • Mineirinho Ultra Adventures - Aparentemente este jogo é um spin-off claro de Pitfall, embora não haja nenhuma confirmação oficial, levando em consideração ruindade, gráficos horríveis e tosquice geral, claramente são jogos que fazem parte de uma mesma série.

Legado[editar]

De inventor do estilo "side-scroling" dos jogos de plataforma, à cagador do mesmo estilo, a série Pitfall! ensinou a indústria dos games a como fazer e ao mesmo tempo como não fazer um jogo de plataforma. Por isso sempre tem aqueles gamers simpáticos à Pitfall!, por mais ruins que sejam todos jogos da série, sem exceção. Outro paradigma introduzido por Pitfall! foi criar-se jogos sem qualquer enredo sobre um boneco procurando objetos só "porque sim".

v d e h
Pitfall logo.jpg