Plácido de Castro

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Isto non ecziste! Cquote2.png
Padre Quevedo sobre Plácido de Castro
Cquote1.png Isto não existe mesmo Cquote2.png
Você sobre a afirmação acima
Cquote1.png Você quis dizer: Chiqueiro ? Cquote2.png
Google sobre Assunto
Cquote1.png Prefiro não comentar! Cquote2.png
Copélia sobre Placido de castro
Cquote1.png Eu moro lá... Cquote2.png
Peter Pan sobre Plácido de Castro
Cquote1.png Eu também moro lá... Cquote2.png
Pai da Fiona, rei de Tão, Tão Distante sobre Plácido de Castro
Cquote1.png Não Existe Cquote2.png
Paulista sobre Plácido de Castro

Plácido de Castro é mais uma cidade que não existe da Conspiração Acriana, portanto não possui nenhuma origem.

História

Reza a lenda que foi enterrada uma cabeça de burro no centro da cidade, por soldados bolivianos, logo no fim da revolução acreana, e esta cabeça de burro chucro, segundo suas crenças, tinha um poder tal que jamais permitiria que o local se desenvolvesse. Os bolivianos ficaram tão indignados por perder seu território que tomaram esta trágica decisão: se a terra não for da Bolívia, também não será de mais ninguém. Tanto é que a cidade, até os dias atuais, só regride a cada dia que se passa.

Geografia

Antigo bairro boliviano de Plácido de Catro, único imune aos alagamentos, foi extinto depois que aliens abduziram a todos dali.

Plácido de Castro está localizado no meio de lugar nenhum, mais precisamente no Acre.

Há informações nada confiáveis provenientes da Wikipédia de que para se chegar até lá são necessárias 15 horas de avião, 31 horas de ônibus, 19 horas de carro, Cinco dias de barco, 20 horas de canoa e mais 8 horas e meia de cipó.

Economia

A base da economia placidiana são a folha de coca (para a comercialização da cocaína), maconha, e o Daime (cipó mágico que deixa os acrianos muito doidões).

Há teorias de que estas remessas abasteceriam o mundo paralelo ao Acre, em especial os lugarejos de Mato Grosso, Goiás e São Paulo.

Em Plácido de Catro é encontrado tudo que não presta. Terreiro de macumba, freiras que se casam, taxistas que oferecem carona e chuva, muita chuva, com enchentes de bônus.

População

A população placidiana é predominantemente estranha, parecem todos terem vindos de mundos paralelos, e locais que nunca existiram. Na verdade, acredita-se que personagens de mangás e seriados norte-americanos falidos, após encerrarem suas vidas artísticas, se dirigem para o Acre, mais precisamente no município de Plácido de Castro.

Há informações de que estes, em geral, seriam nordestinos, em geral cearenses, especialmente porque para aguentar tanta loucura, só mesmo tendo um estilo de palhaço de piadas sem graça para aguentar tal lugarejo.

Pessoas ignorantes é que escrevem baboseiras como tal está escrito. Na verdade são pessoas como estas (ignorantes) que vem para o Acre tentar uma vida melhor, sair da miséria.

Transportes

Possível apenas por cipó, canoa, animais encantados, vassoura Nimbus 2000, pau-de-arara e portais mágicos.

Não existem avenidas, apenas um beco no centro da cidade que é tomado todo como uma ciclovia. Não existe também calçada (os moradores da cidade andam todos nas ruas, que já são muito estreitas, característica das cidades acrianas).