Poconé

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Poconé é um município pequeno, mas que mesmo assim está entre os maiores do estado de Mato Grosso porque é maior dentre os pequenos.

História[editar]

A famosa e moderna Rodovia Transpantaneira, uma de suas opulentes pontes na entrada de Poconé.

Vilarejo fundado em 1777 no norte do pantanal. Foi colonizado por faiscadores, muambeiros, aventureiros, meretrizes, mercadores e outros tipos comuns naqueles filmes de faroeste que, seduzidos pela abundância do ouro facilmente extraído acabaram naquele fim de mundo onde ficaram presos para sempre.

Obviamente, aquele garimpo fácil acabou, e com o fim disso, 99% dos pioneiros foram embora para procurar lugar melhor para minerar. Poconé terminaria completamente despovoado, se não fosse alguns fazendeiros que insistiram ficar ali criando gado para evitar a fadiga de ter que se mudar.

A falsa explicação para o nome do pequeno vilarejo vem da onomatopéia do galope do cavalo "pocotó", uma homenagem aos famosos cavalos pantaneiros, únicos de Poconé, especialistas em atravessar rios cheios de piranhas e sobreviverem, além do que suas éguas sempre dão um bom alívio às necessidades sexuais dos solitários boiadeiros de Poconé. Na realidade, quem deu o nome à cidade foram os colonos japoneses: que, ao receber seu salário sempre afirmavam: "é poco, né?".

Em 1831 Poconé foi transformada em município e seus mais de 100 anos de história nada tem a dizer. A cidade foi um palco de uma das aventuras de Scooby Doo na captura do Monstro Lamacento do Pântano.

Geografia[editar]

Geografia predominantemente do pantanal, com aquele clima quente e úmido e lamaçais e atoleiros por todas partes.

Poconé foi incluída pela UNESCO como a cidade do relevo mais maltratado do mundo. A quantidade de buracos abertos ao redor da cidade são inúmeros, criados por algum espírito de porco que agride sem pensar duas vezes o sensível solo pantaneiro. Andar de noite na periferia de Poconé é um perigo, a não ser que você queira cair em um penhasco criado por alguma indústria mineradora.

Economia[editar]

Uma vista aérea panorâmica de Poconé.

Economia baseada 99% na pecuária, especialmente na criação de bois de corte. Os outros 1% é aquela cagada que fazem nas pedreiras lá causando uma erosão criminosa no solo pantaneiro.

Outra exploração econômica também bem sucedida em Poconé, que até hoje vem sustentando muitas famílias miseráveis daquele local, é a extração de bocaiúva (Coco-de-espinho), onde para muitos é a única forma de sobrevivência, alimentação e moradia (com suas casas feitas de tijolos de cocos empilhados).

Transportes[editar]

Poconé é servida pelas rodovias MT-60 (que liga Poconé à Cuiabá) e a MT-370 (que liga Poconé ao Acre -Se ele existir realmente-). Mas a maneira mais simples de chegar em Poconé é cavando um buraco na China e saindo em alguma das crateras de Poconé.