Pokémon (série de jogos)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Pokémon
Pokemon, logo dos jogos.png
Logotipo
Gênero caçar calango no matinho
Desenvolvedor Nintendo e The Pokémon Company
Publicador Game Freak
Plataforma de origem Caixotinho da Nintendo
Primeiro lançamento Pokémon Red e Green (1996)
Último lançamento Pokémon Sword / Shield (2019)

Jogos de Pokémon são uns jogos da Nintendo de rinha de galo com elementos de RPG, sempre tudo muito parecido, uma franquia de estrondoso sucesso ao redor do mundo pois permite que crianças possam livremente e sem culpa surrar animais fictícios até sua quase morte, e repetidas vezes, o quanto seu sadismo permitir, de modo que tais jogos acalmam essas crianças na vida real, depois de virtualmente descontar por horas sua fúrias nos singelos animaizinhos desse jogo, sendo permitido você espancar até os pokémons mais fofos, não apenas aqueles que tem cara de malvado. Estes jogos são sempre a mesma coisa, uma alusão levemente velada de apologia a crueldade para com os animais com muita rinha de galo, devemos portanto explorar ecossistemas equilibrados e capturar animais fictícios para começar os maus tratos. Estes animais fictícios chamados de "pokémons" tornam-se seus escravos assim que capturados e te obedecem fielmente, mesmo que você os ordene lutar numa batalha suicida e dolorosa. Nesses jogos cruéis precisamos explorar ataques combinados de nossos pokémons que explorem as fraquezas dos pokémons inimigos de modo a machucá-los da maneira mais cruel possível. Tudo se resume depois a enfrentar e vencer a Elite Four, que apesar do nome é sempre formada por 5 cidadãos, já que sempre tem um inimigo final misterioso.

Estes jogos de Pokémon ainda potencializariam ao máximo toda a ganância que a Nintendo poderia demonstrar para seus fãs, pois desde o primeiro jogo a The Pokémon Company faz a mesma coisa para explorar seus fãs e lançam dois jogos exatamente iguais, mas com capas diferentes e bichos diferentes entre uma versão ou outra. Assim ao invés de gastar um salário mínimo inteiro para comprar um jogo, o pobre coitado tem que gastar dois salários para adquirir dois jogos exatamente iguais. O mais estranho disso tudo é que ninguém nunca reclamou, e a prática foi aceita como se fosse algo totalmente normal.

Série principal[editar]

Tudo começou com o lançamento de Pokémon Pink, Fuschia & Donkey-Color-When-It-Runs-Away (Green, Red & Blue para os daltônicos) em 1996. O jogo foi uma verdadeira febre entre a criançada porque trazia novidades nunca antes vistas no mundo do videogame. Além da premissa inovadora que consistia em colocar animais fictícios para cair na porrada até quase a morte, agora você podia trocar seus animais capturados com os amigos, como verdadeiros contrabandistas de animais silvestres, usando o fantástico cabo Game Link que após uns 3 ou 4 usos já estava dando mal contato, algo planejado pela Nintendo justamente para emular um stress fidedigno de que você está fazendo algo errado, contrabandeando pokémons.

O sucesso do primeiro jogo rendeu continuação. Logo lançavam o Pokémon Gold & Silver com quase nenhuma novidade em relação ao primeiro jogo, apenas uma distinção entre machos e fêmeas que francamente só serviu para inspirar hentai furry e trazer gente doente para a franquia, além da adição de mais 150 pokémons.

Fato recorrente nos jogos de Pokémon. Assim que vence uma batalha o seu oponente é obrigado a te fazer um pagamento.

Com o lançamento do Game Boy Advance a série Pokémon precisou acompanhar essa evolução. Surgia então o Pokémon Ruby & Sapphire. A mesma coisa dos jogos anteriores, mas agora com cores e com a adição de mais uns 100 pokémons, todos com lepra, além de uma baleia voadora como capa do Sapphire, o que sem dúvidas chamava a atenção de sua mãe na hora de comprar joguinhos.

A criatividade para algo novo ia decrescendo, mas a ganância ia só aumentando, então foi até previsível o lançamento de Pokémon FireRed & LeafGreen, um remake dos primeiros jogos. Então nada de novo, pode-se considerar como caça-níquel esse jogo.

Com o lançamento do Nintendo DS, foi a vez de forçarem ainda mais a barra e lançarem o Pokémon Diamond & Pearl, até então ainda sem qualquer novidade, apenas a possibilidade usar wi-fi para contrabandear Pokémons, uma possibilidade que desagradou muito os fãs raiz da série.

Faltou criatividade e precisam de dinheiro? Mais remakes! Surge então Pokémon HeartGold & SoulSilver. Foi nessa época que os caras da Nintendo descobriram que seus fãs eram burros e comprariam qualquer merda de Pokémon, então ficou estabelecido que lançariam jogos anuais, por mais repetitivos que fossem.

Depois ainda lançaram o primeiro Pokémon racista, o Pokémon Black & White, no qual devemos optar entre branco e preto. Novidades nesse jogo só a opção de escolher entre menino, menina ou menino-viado. O sucesso foi tão grande que Michael Jackson até lançou um clipe musical para o jogo e tornou o primeiro jogo a ter uma continuação direta, o Pokémon Black 2 & White 2.

Então para o Nintendo 3DS lançaram o Pokémon Cromossomos X & Y, que surpreendeu ao plagiar o seu próprio plágio, copiando na cara dura o Digimon e introduzindo mega-evoluções e alguns pokémons digitais. De resto, tudo muito igual, mas agora com a adição de um novo tipo de Pokémon chamado Fada criado para nerfar o tipo dragão que estava ficando excessivamente apelão.

Antes de trazer qualquer novidade, bom trazer mais um remake, assim lançam o Pokémon Omega Ruby & Alpha Sapphire, e seguindo a ordem e tendência, pelo visto logo vão lançar o remake do primeiro remake, talvez um Pokémon Omega Heart FireRed/LeafGreen, porque trouxa para comprar parece que sempre terá.

Novidades mesmo vieram é no Pokémon Sun & Moon, exceto essa mania de lançar dois jogos e obrigar os trouxas a comprar um jogo pelo preço de dois, isso continuou a mesmíssima coisa de sempre. Agora o enredo é mais diversificado, os gráficos são mais bonitos e fizeram o favor de extinguir as HMs, o inferno de qualquer pokémaníaco. Além disso agora alguns pokémons tem a liberdade de assumirem sua sexualidade e assim exibirem a sua forma Boiola, diversificando ainda mais o jogo.

Jogos para consoles[editar]

Como a Nintendo nunca foi boa de consoles, os jogos que saíram de Pokémon mais relativamente relevantes foram aqueles para Nintendo 64, no caso Pokémon Stadium, Pokémon Snap e Pokémon Stadium 2, que conseguiam ser piores que as versões para Game Boy e Game Boy Color, ninguém nunca entendeu como faziam o jogo de console mais incompleto, mais defasado e mais feio. Enquanto no primeiro Pokémonzinho em preto e branco para Game Boy você tinha todo um enredo pelo menos, batalhas, capturas, nesses jogos de Pokémon Stadium você só caía direto na rinha de galo.

Depois disso, do Pokémon Colosseum em diante, só jogos fracassados e esquecíveis, sempre piores que as versões portáteis de suas épocas.

Série Mystery Dungeon[editar]

Os jogos dessa série são conhecidos só pelos fãs mais hardcore de Pokémon, muito porque explora de modo mais agressivo assuntos como sexo furry e zoofilia, então é só pra quem gosta disso mesmo. Nesses jogos controlamos os pokémons diretamente, e não um humano torturador destes. Somos geralmente incumbidos a desvendar mistérios do cotidiano desses bichinhos, é jogando isso que descobrimos como um Diglett caga por exemplo, já que estamos controlando esses bichos diretamente. Os jogos são sempre um RPG-puzzle-visual novel furry, definitivamente não é rpa qualquer um.

Série Ranger[editar]

Tentativa fracassada de fazer uns jogos de Pokémon em estilo ação-aventura. Os jogos da série Pokémon Ranger simplesmente não fazem o menor sentido (não que os outros jogos façam, mas pelo menos tentam explicar). Em Pokémon Ranger você fica andando pra lá e pra cá, voando, nadando, andando muito e conversando muito.

Série Rumble[editar]

Até hoje ninguém conseguiu entender direito o que são esses jogos, mas aparentemente são para crianças de 2 a 5 anos de idade, por isso não faz sentido para outras pessoas de outras faixas-etárias. O pouco que se identifica desses jogos é que alguns pokémons cabeçudos são arremessados numa jaula e precisam se matar cruelmente até sobrar apenas um. Não basta apenas matar, é necessário pulverizar os adversários.

Pokémon GO[editar]

O Pokémon GO foi a primeira experiência pokémon lançada para mobiles. Ninguém nem se preocupou com a qualidade do jogo, que é enjoativa e bem merda, para falar a verdade, logo foi só uma modinha que dominou alguns meses de 2016, até cair no ostracismo total. Muito embora alguns youtubers bem retardados continuem insistindo nessa porra de jogo sem graça.