Porcas, guaraná e bomba depois

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Porcas, guaraná e bomba depois... antes de explicar o que caraleo é isso, fico pensando por que fãs de chaves criam links assim? E porque eu e outros desciclôs ainda criamos essas páginas ao ver o link? Só avisando que tudo tem limite, se criarem algo como peka da Chiquinha o link será apagado... assim espero.

Indo às porcas[editar]

Pela cara de bunda murcha do Chaves, já dava pra imaginar que viria uma frase dessas.

As porquinhas nõa têm nada com isso, foi mais uma forma do Roberto Bolaños encher Mestre linguiça, mas como há gosto pra tudo, alguns fãs gostam também disso. O Chaves inventou isso quando lia uma daquelas cartas em que ele parece estar lendo com o nariz e não com os olhos ou então, parece estar lendo com os olhos, mas repassando com o pau do Chaves e não com a boca, então quem pediu para que ele lesse a carta por estar muito ancioso, acaba tendo que ler para o disléxico assim mesmo.

Pode não achar que o Chaves é disléxico porque ele está aprendendo a ler e isso pra ele seria normal, porém não, o Chaves já sabe ler, até porque ele tem 8 anos, não 6, e o Mestre Linguiça já o aturaria há mais de um ano, então é dislexia mesmo, que dizem que o cérebro lê, mas não interpreta direito ou seja o Chaves é disléxico mesmo. Amigão essas sequências do Chaves lendo cartas ou revistinhas do Chapolin ou dele mesmo, de forma errada só não são mais chatas do que aquelas sequências de ...e o que eu disse? — ...e como é?

Todavia essas sequências só não são totalmente chatas porque sai algumas frases que são de cair o cu da bunda, algumas vezes até o Seu Madruga ri ao invés de mandar o Chaves ir à merda ou pra dentro do barril e ler sozinho mesmo. Quando alguém é burro disléxico igual ao Chaves, dizem que aquilo que pode interferir na interpretação do texto é o que pode estar povoando a cabeça do acometido dessa enfermidade. Dependendo do que ele estiver na mente, irá interferir no que ele possa dizer e até formar aquelas frases estranhas e sem nada haver com o que a pessoa escreveu.

Onde surgiu isso?[editar]

A frase original ficarei devendo por hora, até que veja o episódio original em Espanhol, mas na dublagem a frase era poucas, guarânias e bumba meu boi, se referindo a algumas festas típicas em que as tias teriam arrastado a Chiquinha junto. O Chaves disse porcas, guaraná e bomba depois, que pode querer dizer muitas coisas dependendo do que ele estava na cabeça. As porquinhas, talvez seja remosrço por ele estar pensando em sanduíche de presunto,

Até a porquinha fez cara de paisagem diante da burrice dislexia do Chaves.

guaraná pode ser que fosse o acompanhamento, bombas depois pode se referir aos fogos de artifício das festividades, mas também pode ser bombas que ele estudou na aula do Mestre Linguiça que caíram em algum lugar desafortunado, não no México, que agora pode ter melhorado, mas naquela época já tinham tanta dó que nem corria o risco de jogarem bomba lá, nem durante algumas das duas grandes guerras, assim como o Brasil naquele tempo também não corria, risco, países já tão fudidos nem era preciso, não importando se o inimigo ou aliado quisesse fuder ou fazer um teste em algum lugar, por isso apenas lugares que já poderiam ser considerados gente, como Alemanha, alguns outros lugares da Europa e Japão, é que viram estragos, principalmente o Japão, que viram as bombas depois e também durante e antes.

É claro que a aula do Mestre Linguiça, caso tenha possivelmente falado em bombas, deve ter sido <d>ainda pior melhor do que o que você viu acima, não se sabe mesmo em que o Chaves estaria pensando, talvez ainda em comida, sendo as bombas aquelas que são doces em formato de bigolinho, mas não se sabe se doces assim são chamados de bomba no México, caso sejam os bigolinhos as bombas seriam então, a sobremesa: porcas, seja em forma de pernil assado, Mestre linguiça, bacon ou sanduíche de presunto, guaraná e bomba depois, mas ainda que o Chaves só pense em comida, nunca se sabe o que pode estar passando pela moleira sacudida, mesmo sem ter levado cascudo.