Porrinha

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Raio-X de um campeão de porrinha.

Porrinha é o jogo oficial dos bares e botecos do Brasil inteiro, pode ser jogado por 2 a 50 jogadores, é patrimônio cultural brasileiro. Quando todos os assuntos da mesa do bar se esgotaram, quando já jogaram truco, pôquer e magic, quando já pediram a conta, quando já azararam todas as mulheres possíveis, quando já deram mole para todos os homens disponíveis, a porrinha é uma pedida obrigatória antes de voltar para casa e ter aquela ressaca.

O palitinho é ideal para se fazer apostas porque ao contrário de qualquer outro jogo é impossível trapacear no palitinho a menos que você seja um ninja, o derrotado deve fazer coisas com os palitinhos que você nem queira imaginar (isso explica em partes a origem do nome do jogo), por isso o palitinho só é recomendável para seres com mais de 18 anos (não necessariamente idade mental) porque ele pode causar danos psicológicos irreversíveis. Rir alto do derrotado é uma obrigação numa típica partida de porrinha.

O Comitê Olímpico Brasileiro estuda lançar uma proposta que torne a Porrinha uma modalidade olímpica, junto com o truco, capoeira, pebolim e o tazo. Existem associações de porrinha em todos estados do Brasil (e não estamos falando de punheteiros).

História[editar]

As origens do nome "Porrinha" remonta a época do Brasil Colonial. O jogo que era proibido para mulheres na época, desde sempre deveria ser praticado com as mãos, e como a higiene não era o ponto forte do povo daquela época, aquele bando de mãos sobre a mesa virou sinônimo de porrinha.

Regras[editar]

Cquote1.png Lona! Cquote2.png
Jesus
Material Necessário

Cada um dos jogadores precisa de três palitos, duas mãos sadias e acima de tudo muita falta do que fazer.

Como jogar

Cada jogador deve colocar 3 palitos na mão (palitos de dente podem espetar e ferir sua mão, palitos de fósforo podem se incendiar e queimar sua mão). Cada jogador decide colocar de nenhum a 3 palitos numa de suas mãos e a estende para dar início a rodada.

Cada um dos jogadores fala, um por vez, um número palpite no sentido horário, apesar disso ser uma bagunça e todo mundo atropelar o outro sem contar aquele bafo de cachaça das horas que ficaram enchendo a cara no bar.

Todos abrem as mãos e aquele que acertar a soma dos catetos da hipotenusa do total de palitos retira um dos palitos de sua mão. Parece simples, mas não é, todo mundo esquece os números que pediram, não é raro após a soma dos palitos ver umas 4 pessoas levantando juntos gritando "Acertei!".

Uma garota que não entendeu o significado do jogo.

O primeiro que der a cagada de acertar 3 vezes essas somatórias, e assim ficar com a mão vazia vence, ficando livre de pagar alguma prenda ridícula.

Num jogo oficial de porrinha existem algumas regras idiotas que foram inventadas para nada. Na primeira rodada não é permitido usar a mão vazia ("lona", que significa zero, o que custava falar "zero"?). Não é permitido também a repetição numa mesma rodada (todo mundo pedir 6 e 7 num jogo com 4 pessoas não pode).

A medida que a mesa vai esvaziando do pessoal que vai ganhando, vão sobrando os n00bs, zoar o nível intelectual dessas pessoas causa uma grande satisfação para o ego. A final da porrinha é na verdade para decidir quem será o perdedor.

Quando sobra o azarado, será de responsabilidade dele pagar a conta (se estiver num bar), lavar a louça (se estiver num churrasco), beijar o Marquito (se estiver num circo) e outras coisas mais humilhantes que podem ser encontradas na cabeça sádica e criativa de jogadores de porrinha de todo Brasil.

A estratégia[editar]

A Porrinha é usada também para tirar a limpo qualquer decisão importante.

Pode não parecer, mas esse simples ato trouxa de colocar palitos na mão e falar um número apostando e depois somar que 2 palitos mais 3 palitos é igual a 5 palitos, requer um grande raciocínio e conhecimentos de média aritmética, assim como noções básicas de estatística e probabilidade e conhecimentos avançados de matemática aplicada.

O cálculo é simples, contar o número de mãos no jogo e dividir isso pelo quadrado do número de palitos, essa é a melhor pedida. Em um jogo de alto nível o palpite, olhar, tom de voz e suor dos adversários podem ser decisivos.

Outra coisa importante é sempre reparar nas mãos dos adversários que não estão no jogo, se estiverem abertas é porque ele está lançando 3 palitos na mesa enquanto descansa a palma de sua outra mão que tem sido constantemente espetada pelos palitos.

O primeiro a pedir o palpite sempre está em desvantagem e por isso sempre solta um blefe, já o último da rodada não tem mais nenhum número decente para pedir e tem sempre que pedir coisas como 3 ou 12 numa partida entre 4 pessoas por exemplo.

... Na realidade, no final das contas, como estão todo mundo bêbado, vai na pura sorte mesmo, e aquele que perdeu vai ter que pagar com o toba mas como estará bêbado, não se importará.