Primavera do Leste

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Nós semo tudo gaucho! Cquote2.png
frase habitual de quem nasce em Primavera do Leste
Cquote1.png O sonho do primaverense é um dia ser gaúcho Cquote2.png
primaverense sobre Primavera do Leste

Primavera do Leste é só mais uma pequena cidade postilante a ser capital do suposto estado do Mato Grosso do Norte, mas visto que as cidades de Sinop e Sorriso são totalmente superiores, a cidade passou a defender a criação do Mato Grosso do Leste excluindo-se Rondonópolis que nesse cenário hipotético se tornaria uma cidade-estado e deixaria Primavera do Leste como capital de um Mato Grosso do Leste.

Tudo que se falar sobre Primavera do Leste também se aplica às cidades mato-grossenses de Campo Verde, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum, Sapezal, Campo Novo do Parecis, Jaciara, Sinop, Sorriso e Tangará da Serra. Todas essas cidades são clones umas das outras. Todas possuem a mesma história, o mesmo tipo de gente vivendo nelas, as mesmas ruas, as mesmas praças, as mesmas avenidas. A única coisa que muda é o nome das cidades e nada mais.

História[editar]

A famosa estátua do padroeiro da cidade e sua elefantíase e o espírito do Gasparzinho que o mesmo carrega ao ombro. Um dos grandes pontos turísticos da cidade por ser a maior estátua do mundo inteiramente feita com massinha de modelar, trabalho de algum estagiário de artes plásticas.

Por muitos anos a região da atual Primavera do Leste foi uma zona de mata isolada e inexplorada, tão inóspita que até os índios se negavam a habitar ali. Faltavam estradas, armazéns, financiamentos, puteiros e tudo o mais que se necessitasse, sendo a região apenas ponto de passagem de tropeiros, vagabundos e fazendeiros perdidos. O Banco do Brasil se negava a executar qualquer financiamento pelo região, sabendo que apenas gaúchos caloteiros rondavam por ali.

Todavia, em 1986, do nada, alguém muito desocupado decidiu criar uma cidade nova em folha, e teoricamente planejada (apesar de tudo ser uma bagunça) sob o motivo de abrigar todos sulistas que estivessem devendo o estado até o pescoço e que teriam suas dívidas perdoadas caso pagassem a penitência de ir viver em Primavera do Leste. O local escolhido foi no entrocamento entre a BR-070 com a MT-130, de maneira que todo tipo de caminhoneiro pudesse chegar na cidade para aproveitar das putas de beira de estrada.

Geografia[editar]

Localizado em algum local misterioso, a sua vegetação é predominantemente formada por floresta amazônica, cerrado, pantanal, savana sub-saariana, tundra e campos gerais, mas todos destruídos por madeireiros, agricultores ou por ONGS escravagistas turcas.

A maior novidade é o novo lago da cidade localizado ao lado do centro de tratamento de esgoto, que foi criado para a população ir fim de semana se acostumar com o cheiro antes da água mal-cheirosa chegar às suas torneiras, para que não reclamem. Metade da água da cidade fede bosta e a outra metade tem bosta mesmo.

Clima[editar]

Quente, muito quente, porém pode nevar se teletransportarem esse vilarejo para as serras do Rio Grande do Sul. Apesar das chuvas não darem trégua.

Política[editar]

A cidade não tem prefeito e nem funcionários públicos, pelo menos não na prática e apenas na teoria. Havendo apenas sonegadores, dançarinos de reboleition, líderes de seitas neo-cambrianas e desmatadores.

Economia[editar]

Extração de madeira de lei em extinção para a fabricação de palitos de dente e serragem é o grande motor da economia primaverense. Além de matar índios, derrubar a mata nativa, contaminar as águas, degradar o solo e intoxicar a natureza e o homem.

Escritorios de Advocacia, as farmácias, escritorios de arquitetura, aluguel de carriola e borracharia são o grande motor da economia primaverense. Além de tudo isto, a cidade é pródiga em salões de estética, lojas de roupas baratas, micro-lojas de grandes redes varejistas e algumas franquias de alimentação de segunda linha, além de 2579 carrinhos de lanche que se denominam food-trucks espalhados por tudo que é canteiro de avenida da cidade.

A atividade econômica gira em torno de financiamentos de lavouras fictícias pelos bancos , que são os verdadeiros donos de todas as lavouras de soja, milho, jabuticaba, inhame e mandioca da região, além de jenipapo, gergelim e algodão, em todas as cidades gaúchas de MT , como Sinop, Sorriso, Tangará da Serra e Primavera do Leste ainda existe a criação de filhotes de lacraia, a exploração sexual de septuagenários, a venda de órgãos e de cabelos como atividades importantes.

População[editar]

Se você entrou no Facebook de uma mulher primaverense e viu aquelas fotos de lindas loirinhas e está pensando que ir para Primavera do Leste é garantia de pegar geral, tire seu cavalinho da chuva. Dificilmente você vai pegar uma loirinha nas festas e baladas da cidade, pois as mulheres da cidade tem fama de frescas e se acham superiores. Ao puxar assunto na balada elas ficam com aquela cara de mulher mal comida e dando uma de santinha, e depois vão para casa de um agroboy corno fazer seu sexo anual (gaúcho é fraco é só faz sexo uma vez no ano mesmo).

Lazer[editar]

A cidade (como a maioria das cidades do Mato Grosso) possui uma longa avenida onde os filhinhos de papai circulam com suas hiluxs (financiada em 345 vezes. Agora compram Amarok também, é mais barata) de uma lado a outro até ficar tonto. Na maioria das vezes isso é feito de vidro aberto (até nos dias de chuva) para que as gauchinhas interesseiras consigam visualizar quem tem carrão. Depois disso todos vão para uma oca casa noturna onde as mesmas gauchinhas começam a dar mole e se esfregar na cara do agroboy que estavam passando de Hilux 2h atrás.