Professor de Filosofia (filme)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Professor de Filosofia é um filme brasileiro lançado em 2001. Seu enredo acompanha a trajetória de um professor de filosofia da USP que se perde na floresta do Acre após o uso de cogumelos alucinógenos, e precisa travar uma batalha com Bob, o Construtor para voltar para a realidade.

Alguns anos após seu lançamento, o filme tornou-se obrigatório em todos os cursos da USP, UNIFESP e Mackenzie.

Enredo[editar]

Erick Munhoz refletindo sobre o que Platão, Sócrates e Píton pensariam sobre tomar no cu depois de almoçar.

Após uma aula desgastante, na qual teve que ensinar seus alunos a fumar maconha e a gritar "Fora Temer", Erick Munhoz, professor de filosofia graduado em Harvard, vai para a sala dos professores, onde aprecia um pouco de LSD para relaxar de sua rotina desgastante.

Depois de alguns minutos, Erick entra em um mundo lisérgico, o Fantástico Mundo de Bob, onde se vê dentro de uma floresta acreana, da qual não há saída. Não sabendo como voltar para a realidade, Erick resolve ser como a água e adaptar-se ao ambiente, colhendo algumas madeiras para fazer uma fogueira, e então, passar a noite na floresta cantando e dançando com os animaizinhos fofos do local.

O que o professor de filosofia não sabia é que estava sendo vigiado por Bob, o Construtor, o guardião das matas, que come o cu de humanos que invadem os domínios selvagens da mãe natureza.

Após uma observação aprofundada do cofrinho do professor de filosofia, Bob, o Construtor, revela-se, e já vai mandando o recado, que iria comer o cu de Erick. Não querendo quebrar as boas vibes do local, o protagonista deste artigo nada faz, a não ser abaixar as calças e entrar na dança. E assim os dois começam a produzir uma obra artística, cuja gravação do momento será exibida futuramente no MAM.

Personagens[editar]

  • Erick Munhoz - Professor de filosofia petista e drogado, entra num mundo imaginário após o uso de drogas pesadas em quantidades desproporcionais. É comido por Bob, o Construtor, que nada mais é do que uma representação de seus instintos mais ocultos.
  • Bob, o Construtor - O guardião das matas, que assume a forma de um lenhador que come o cu de humanos que ameaçam romper o tênue equilíbrio da vida selvagem. Deixa um oco no professor de filosofia.

Recepção[editar]

Lançado no mesmo DVD que o "Ursos Grandes, Peludos e Mansos", "Professor de Filosofia" não obteve os holofotes, apesar de ser uma produção digna e bem-pensada. Os críticos não conseguiram evitar as comparações de Erick com Jailson Mendes, chamando o professor de filosofia de "plágio descarado", já que além de gordo e manso, o mesmo utilizou-se do mesmo recursos do pai de família, que são os gritos de macho virgem. Atualmente, o filme é considerado underground, e é apreciado apenas pelos nerds homossexuais que compram o DVD original da Ícaro Studios.