Professor de Filosofia 2

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Garota hentai.gif PERVERTIIIIIDOOO(a)!

Tava procurando putaria e caiu nesta página "sem querer", não é?! Pelo menos feche a porta do quarto e divirta-se!

Professor de Filosofia 2
Erickmunhoz.jpg
Pôster de divulgação do filme
O bastante para gozar várias vezes
Direção Sandro Lima, sempre ele
Elenco Erick Munhoz, Demacol e seu cu
Gênero Pornô
Produtora Ícaro Studios
Lançamento 2000 e lá vai pregas
Idioma Português, Gritos de Urso Grande, Peludo e Manso
Exibição Bandeira do Brasil Brasil

Professor de Filosofia 2 é o segundo filme da segunda série mais aclamada pela crítica e a segunda mais firmeza do cinema curitibano, perdendo apenas para Pai de Família.

Aqui, ao invejar seu primo Jailson Mendes, Erick Munhoz faz uma mixagem de todos os filmes do Rei da Delícia, fazendo com que Demacol apareça pelado do nada enquanto ele toma suco de laranja.

Enredo[editar]

Erick como Jailson, Demacol como Guina e o suco de laranja como ele mesmo, apenas mais uma cópia nada delícia do filme original clássico. Recuse imitações!

O enredo é uma releitura genérica de Ursos Grandes, Peludos e Mansos, a única diferença é que Jailson é substituído por Erick, e Paulo Guina é substituído por Demacol. O suco de laranja está presente em ambas as obras, pois é ele quem faz fluir as delícias todas.

Para os hereges que não conhecem o enredo do filme clássico, aqui Erick Munhoz bebe seu sucuzinho de laranja enquanto olha para o horizonte, preparando-se para ir trabalhar, para dar aulas de filosofia na Escolinha do Professor Guina. Porém, antes que ele vá para a laputa diária, Erick é abordado em sua mesa de café da manhã por Demacol, seu macho, que aparece pelado e pede para que ele trabalhe em seu cacete, em seu salame.

Após este pedido inegável, os dois passam a batalhar para descobrir com quantos paus se faz uma delícia, algo que só macho virgem faz.

Elenco[editar]

Esta produção passa lições de vida importantes, como por exemplo: Tomar suco de laranja no café da manhã antes de ir trabalhar é como um "Bat-Chamado", mas no caso um "Macho-Chamado", que faz aparecer um homem pelado na sua frente te pedindo para trabalhar em seu cacete.

Esta produção nacional conta com vários atores nada deliciosos, cujas atuações são ocas, os quais são:

  • Erick Munhoz como Filósofo de Família, um pesquisador das verdades naturais do universo, que faz uso das escolas socráticas, platonáticas e pitonáticas para entender qual é o real sentido de tomar no cu, se ele faz isto apenas por prazer ou se isto representa algo de importante para o universo e para os multiversos. Neste filme, antes de ir ministrar suas aulas na USP e UNIFESP, e demonstrar para os seus alunos como se deve fumar maconha e levar no oco de maneira correta, Erick Munhoz aprecia um suco cítrico, e do nada, recebe a visita de Demacol, que aparece pelado pedindo que o filósofo ensine filosofia para a sua cabeça de baixo, o que não poderia ser negado por Erick, que começa a trabalhar no cacete.
  • Demacol como ele mesmo, desta vez ele não se vestiu como princesa e nem como odalisca, graças aos céus. Nesta produção, ele carrega o pesado fardo de substituir Paulo Guina na função de macho que aparece pelado e pede para que um urso trabalhe em seu cacete. Antes de aparecer na mesa de café da manhã de Erick Munhoz, Demacol estava apenas hibernando no espaço-oco, como uma entidade mística de ébano, mas quando o Filósofo de Família inicia a degustação de suco de laranja, Demacol encara isto como um chamado, e após abrir um buraco negro, aparece do nada na frente do Filósofo de Família, que passa a apreciar aquele "caralho preto" (HOLMS, Ivan, Odalisca Demacol, ep. 1 de 1).

Recepção[editar]

A atuação de Erick é avaliada negativamente pela crítica especializada, pois ele aparenta estar sempre seguindo pela sombra de Jailson, botar um suco de laranja em cena foi a gota d'água. Para os especualistas, Erick é uma versão genérica de Jajá, que cobra cachês mais baratos, mas é muito menos delícia do que o original, o de verdade, cujos gritos de macho virgem são insubstituíveis para uma boa atuação sólida.

A atuação de Demacol, como sempre, é considerada como uma âncora, que puxa a qualidade do filme para o fundo do oceano, pois ele não possui nenhum pingo de carisma ou beleza, não sendo nada delícia, como já denunciavam os fãs mais ardentes da série Pai de Família. Demacol não possui frases impactantes como Paulo Guina, nem possui abraços calorosos como os de Kauan Desu, o máximo que ele consegue é dar beijos gays que brocham até os viados.

Ver também[editar]