Raio privatizador

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Papel-ricos2.jpg Meu iate é muito grande para navegar no Caribe...

Este artigo é rico e seu autor só compra coisa chic. Seus advogados estão de olho em você, então não vandalize! Pobre? Tenho nojo de pobre, tudo o que tem é feito de prástico...

Vamos, meu bem, PewDiePie ganha mais no YouTube.


Raio Privatizador[editar]

O que era?[editar]

Raio Privatizador foi um desenho brasileiro feito por americanos na década de 90, contava a história de uma pacata cidade chamada "Chefide" estatizada, onde a cada 10 pessoas que nasciam, morriam doze, mas, então, surge um herói que podia ser chamado de coxinha, liberaloide ou elite branca, mas, seu nome verdadeiro era Paulo Batista um ex PSTU que depois de servir nas gulags do partido se revoltou com a causa Corpotunista e decidiu acabar com a vermelhidão da cidade.

Episódio especiais[editar]

Em um dos seus melhores episódios ele quase morreu tentado vender a estatal Petropobre, mas não conseguiu e alguns anos depois a cidade teve um enorme prejuízo que acabou com a comida da cidade que ainda restava, depois que o partido da "Revolução CoPetralin" distribuírão a riqueza da cidade entre seus membros.

Cancelamento[editar]

Enquanto isso. os diretores já haviam cancelado o desenho pois as música de Chico Buarque dava mais audiência.

O retorno[editar]

Depois de alguns anos foi lançado uma nova versão em Singapura, lá a animação se consolidou no mercado e dá lucros para a empresa até hoje.

Outras versões[editar]

Outra versão foi lançada na Coreia do Norte, pais rico da Ásia, lá o nome foi mudado para "Zé estatizador" e fez enorme sucesso pois as crianças assistiam o desenho no telão da praça junto com 20.000.00.00 de pessoas e se esquecia da fome.