Rio Madeira

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Rio Madeira é um caudaloso rio brasileiro muito famoso por sua água barrenta e nada potável, considerado por hidrógrafos (nossa, tem profissão pra tudo mesmo heim) o rio mais naturalmente escroto do mundo, nem necessitando de ajuda humana para estar repleto de Staphylococcus, cólera e micro-organismos similares que te desaconselham beber desse rio sem que fique com baita caganeira depois, isso se um jacaré não te comer enquanto você estiver na beira do rio bebendo dessa água barrenta. Como não podemos beber dessa água abundante toda, a principal utilidade do rio Madeira é mesmo sempre inundar a BR-364 e ilhar o Acre rendendo piadas sobre a precariedade da região.

Curso[editar]

Aventureiros tentando chegar no Acre, e o rio Madeira não deixando.

O rio Madeira começa na Cordilheira dos Andes com outro nome, talvez rio Evo Moralez, e vai descendo toda Bolívia (agora porque não consideram o rio Mamoré a nascente, não me pergunte). Aparentemente parece que esse rio boliviano vai chegar no Acre, mas então ele se encontra com o rio Abunã bem na fronteira e recebe a preciosa informação de que o Acre é um local de má fama e nada aconselhável de se visitar, tanto que a FIFA recusou-se veementemente de que a cidade de Rio Branco fosse uma sede da Copa do Mundo de 2014, então, devidamente alertado, o rio Madeira vira seu curso rumo a nordeste e corta o estado de Rondônia diagonalmente. Infelizmente não sabia o rio como os rondonienses o maltratariam, o rio passa por diversas aldeias até chegar no fundo do poço ao passar pela capital Porto Velho, adquirindo ali o seu aspecto amarronzado de cocô, além de ser assoreado, enlameado, poluído, recheado de mercúrio e lama, e seguir seu caminho.

O rio então chega no estado do Amazonas já com um aspecto deplorável, os ribeirinhos da região visivelmente desnutridos e parecendo que estão a beira da morte já são a pista da insalubridade do rio nessa altura. Passa então em cidades de má fama como Humaitá e Manicoré, só piorando, até finalmente terminar seu martírio em terras tupiniquins em Itacoatiara, quando cai no rio Amazonas e deixa de existir.

O rio tem duas estações bem definidas, de maio a outubro enfrenta o período de seca quando surgem praias em suas margens e farofeiros de Rondônia se reúnem para assorear o que restou do rio, e de novembro a abril o período de cheia o rio mostra toda a fraqueza do Madeira ao seu alagado pelo refluxo de água vindo do Amazonas, sempre isolando o Acre.

Exploração econômica[editar]

Desde as comitivas de Marechal Rondon os brasileiros tem procurado meios de depredar a natureza e erradicar o rio Madeira. Recebeu esse nome justamente porque era o único meio de escoação da madeira extraviada da Amazônia. Mas o principal produto que é extraído diretamente do rio é o barro, adquirido em qualquer ponto do rio, exportado para todo o resto do Brasil.

Ecologia[editar]

Como o rio Madeira é lar do boto-cor-de-rosa até hoje nenhum biólogo se atreveu a pesquisar sobre a fauna da região, obviamente com medo de serem estuprados pelo nada amigável golfinho que habita aquela área. Por causa dessa preguiça dos biólogos, que só sabem ficar perdendo tempo falando de refutar criacionismo como se isso fosse ajudar alguma coisa, não temos a informação útil até hoje sobre quais tipos de peixe habitam o rio Madeira.