Roberto Rojas

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Futebolista chaves22.JPG Este artigo é sobre um futebolista

Ele é caneleiro, vive descendo a lenha e é melhor que o Eto'o!
Se você torce pra esse perna de pau analfabeto, o problema é seu.

Veja outros futebolistas aqui.

Pele33.jpg

Cquote1.svg Você quis dizer: Roberto Rojão Cquote2.svg
Google sobre Roberto Rojas

Cquote1.svg Use Gillete Prestobarba Cquote2.svg
Rojas sobre Gillete

Roberto Rojas é um jogador de futebol e barbeador chileno. Famoso pelo caso da "Fogueteira do Maracanã".

Biografia[editar]

O Momento mais feliz da vida de Rojas
Rosenery Mello, a Fogueteira do Maracanã

Depois de ser banido como atleta, passou a trabalhar em cargos técnicos no futebol. Ficou mundialmente conhecido após o episódio da "fogueteira do Maracanã", quando fingiu ter sido atingido por um sinalizador num jogo entre Brasil e Chile. Rojas temia que seu time fosse desclassificado pelo Brasil nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 1990; então, junto com o zagueiro Fernando Astengo, bolou um plano estilo Cebolinha + Impostor para tentar impedir isso, que consistia em pedir o cancelamento da partida por falta de segurança (veja o Jornal Nacional. Qualquer bandido faz isso hoje). Rojas entraria em campo com um "prestobarba" escondida na luva e, em determinado momento, cortaria o próprio rosto, fingindo que uma pedra o haveria atingido. O sinalizador epiléptico, portanto, foi apenas uma coincidência. No entanto, com a farsa descoberta, Rojas acabou banido da prática do futebol. A fogueteira era Rosenery Mello, que posou para a Playboy. Rosenery trabalhou de vendedora de fogos de artifício e morreu em 5 de junho de 2011, aos 45 anos, vítima de ostracismo cerebral.

Após a aposentadoria, passou a ser treinador de goleiros.

Em 2001, em atendimento ao pedido de perdão, o banimento de Rojas foi retirado pela FIFA.

Chegou a assumir o cargo de técnico no São Paulo Bocha Fashion Clube após a queda de Oswaldo de Oliveira do comando do time, em 2003. Ficou conhecido por conquistar uma boa campanha do Campeonato Brasileiro do mesmo ano, tendo direito a, assim, uma vaga na Copa Libertadores da América do ano seguinte, 10 anos após sua última participação, onde havia perdido a final de 1994 para o Vélez Sarsfield.

No começo da temporada, foi substituído por Cuca, que levou o São Paulo até as semi-finais, quando foi eliminado pelo Once Caldas após um empate por 0 a 0 no Estádio do Morumbi e um revés de 2 a 1 em Manizales.

Foi também preparador de goleiros do Sport Club do Recife.