Sara Winter

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página se adequa à Nova Política de Conteúdo Sexual.
Conteúdo impróprio para menores de 18 anos! Tirem as crianças da sala! Este artigo tem conteúdo impróprio para menores!
Este artigo pode conter pornografia pesada ou leve. De preferência, leia-o de olhos fechados...

Se ele estiver cometendo uma infração à Política de Conteúdo Sexual, por favor, reporte à moderação.
Latino.png Este artigo trata de uma personalidade mortalmente,
putaqueparivelmente e filhadaputamente odiada!
A casa dessa pessoa vive quebrada e pichada.

Conheça outros filhos da puta clicando aqui.

Sara Fernanda Giromini
Sara Winter.png
Ela é retardada mesmo!
Nascimento 18 de junho de 1992
São Carlos, São Paulo Bandeira do Brasil Brasil
Ocupação Ex-feminazi (agora é só nazi)
Medidas De feminazi
Altura 1,55 m
Peso 55 kg
Signo Gêmeos
Cônjuge Ítallo Marcel Bengaly

Cquote1.png Sua intenção era pesquisar: Como vomitar física e mentalmente? Cquote2.png
Google dando uma de adivinho com a pesquisa de Sara Winter
Cquote1.png Experimente também: Hipócrita Cquote2.png
Sugestão do Google para Sara Winter
Cquote1.png Já comi essa porcaria e ainda por cima tive que pagar! Cquote2.png
Homem sobre Sara Winter.
Cquote1.png Feminista poser, ela se depila! Cquote2.png
Feminazi sobre Sara Winter.
Cquote1.png Diva, maravilhosa! Cquote2.png
Ninguém sobre Sara Winter.
Cquote1.png Até que é gostosa... eu comeria! Cquote2.png
Cego sobre Sara Winter.
Cquote1.png Nem me pagando o que o homem da primeira citação pagou! Cquote2.png
Outro homem sobre citação acima.
Cquote1.png Se eu comer, vou vomitar as tripas! Cquote2.png
Canibal sobre a mesma citação.

Sara Winter é uma subcelebridade tosca que conquistou a fama defendendo um pseudofeminismo que não era apoiado nem sequer pelas próprias feministas. Ficou conhecida principalmente por seus protestos nus, em que exibia as tetas caídas, a bunda flácida e a xereca arrombada como uma suposta forma de afrontar a sociedade patriarcal machista.

História[editar]

Sara Winter exibindo a bunda caída e cheia de celulite. Note que a menstruação chegou de surpresa e não deu tempo de colocar absorvente.

Nasceu em uma cidade do interior paulista, onde nada de relevante acontecia. A fim de agitar aquele lugar chato, começou a inventar umas asneiras a respeito de sua própria família, dizendo que era frequentemente espancada e estuprada por seus pais. Na adolescência, começou a frequentar fóruns neonazistas, onde conheceu e simpatizou-se com a figura de uma socialite nazifascista inglesa chamada Sarah Winter. A admiração rendeu uma homenagem a sua musa, e assim, ela passou a adotar o sobrenome da criatura a fim de passar-se por ela, aproveitando que o primeiro nome de ambas era quase igual. Para coroar de vez sua devoção ao neonazismo, ainda se prestou a tatuar uma cruz de ferro no cu corpo.

Mais ou menos nessa mesma época, começou a fazer programas, que não eram de rádio ou de televisão. Com o dinheiro obtido ao longo do tempo em que desempenhou a profissão, Sara viajou para Kiev, pois como sempre foi péssima aluna em história e geografia (assim como nas outras matérias), a burra acreditava que a Ucrânia era o berço do neonazismo, ao invés de ser a cadeira de balanço, como se é considerado. Quebrou a cara em relação a isso, mas acabou conhecendo um movimento tão ruim quanto através do grupo de ucranianas mal comidas Femen. Sara gostou daquela ideia de semear intolerância e ódio gratuito maquiada de protesto social e pediu permissão para as líderes do projeto se poderia fundar uma filial brasileira. Graças ao desejo das feminazis de dominar o mundo, é claro que elas deram autorização. Assim, quando Sara retornou ao Brasil, deu início à criação da versão nacional do Femen, fundada oficialmente em 2012.

Com menos de um ano de atuação, Sara Winter conseguiu levar o Femen brasileiro à falência, pois nem as feministas gostaram daquela porcaria. Ao invés de realmente protestar a favor dos direitos das mulheres, a loira oxigenada estava mais preocupada em tirar a roupa e desfilar pelada em ambientes públicos, o que segundo ela seria uma forma de manifesto em oposição ao machismo. Nas palavras da própria Sara, a intenção daquela palhaçada seria usar o corpo feminino para divulgar mensagens sociais ao invés de simplesmente vender produtos fúteis ou servir como inspiração de punheta.

Para manter o Femen funcionando no Brasil, Sara frequentemente recebia dinheiro enviado pela matriz europeia, mas ao invés de usar a grana para investir na organização e divulgação do projeto, ela preferia torrar tudo em roupas, sapatos, bolsas e outras quinquilharias que ela sequer usava, já que vivia pelada. Foi aí que as ucranianas pistolaram de vez e a expulsaram do grupo, alegando que ela não respeitava a real ideologia da parada.

Vida pessoal[editar]

Sarinha mostrando como fez para conquistar o maridão.

Após ser expulsa do Femen em 2013, Sara bem que tentou criar outros movimentos parecidos, mas fracassou em todos eles. Vendo que estava prestes a cair no esquecimento, tentou medidas desesperadoras para atrair a atenção da mídia, como inscrever-se para o Big Brother Brasil. Na época do Femen, ela criticava a Globo e a acusava de ser uma ferramenta de alienação social (o que é verdade mesmo), então é óbvio que sua participação não foi aprovada. Já que não deu certo, Sara apelou de vez e abriu um canal no YouTube onde começou a gravar vídeos (ah, vá!) falando mal do feminismo. A estratégia deu certo e logo atraiu a fúria de milhões de feminazis inconformadas e das feministas que pistolaram com suas performances de açougue. Em 2014, conseguiram derrubar o canal de Sara Winter, mas ela não desistiu do seu attwhoreismo e escreveu um livro, novamente descendo a lenha no feminismo e boicotando tudo aquilo que supostamente defendia anteriormente.

O ápice de sua hipocrisia ocorreu em 2015, quando revelou que estava casada com um homem, algo imperdoável para as feminazis, que são todas obrigatoriamente lésbicas. Não bastando apenas isso, o marido era militar e já a tinha emprenhado. Sara então declarou à imprensa que havia se convertido evangélica e que passaria a apoiar campanhas de políticos conservadores, dentre eles Jair Bolsonaro e Marco Feliciano. Mais do que isso, ela ainda disse que sempre admirou a extrema-direita e que seu maior ídolo era Plínio Salgado, grande muso inspirador de seus momentos solitários. Atualmente, Sara ganha a vida dando garrafas palestras vazias por aí criticando movimentos sociais de esquerda como doutrinação marxista e ideologia de gênero, além de boicotar aborto, drogas e prostituição, coisas que ela mesma curtia antigamente. Sara pateticamente refere-se a si mesma como uma das maiores lideranças pró-vida e pró-família do Brasil.

Ver também[editar]

Chupando.JPG
Grande série temática das putas
v d e h

Tipos de putas: Profissional do séquiço - Putas - Puta gostosa - Puta baranga - Puta paga - Puta de luxo - Atriz pornô - Puta comunista - Stripper - Gueixa - Vadias que fazem putarias mas alegam dignidade - Puta virgem

Putas famosas: Aileen Wuornos - Andréia Schwartz - Andressa Urach - Bruna Surfistinha - Calamity Jane - Catherine Walters - Christiane F. - Cora Pearl - Day McCarthy - Divine Brown - Deusa Puta - Frinéia - Gabriela Leite - Hilda Furacão - Inês Brasil - Jade Bolt - Lola Benvenutti - Madame du Barry - Maria Bolena - Maria Degolada - Maria Madalena - Mata Hari - Nancy Spungen - Sada Abe - Sally Salisbury - Sara Winter - Tati Neves - Tua irmã - Tua mãe - Valerie Solanas - Vanessa de Oliveira - Vanessa Ji-Paraná - Veronica Franco - Zahia Dehar