Alfa Romeo Racing

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Sauber)
Ir para: navegação, pesquisa
Flag of the Red Cross.png
Cheese mouse.jpg

"Um por todos e todos por um!"

Este artigo é suíço! Ele vive em cima do muro, come fondue de queijo, usa Rolex, produz canivetes, pratica esqui e tênis, além de ter a melhor qualidade de vida do mundo.

Viva Roger Federer!

Cquote1.png Você quis dizer: SaUber Cquote2.png
Google sobre Alfa Romeo Racing
Cquote1.png Um passarinho me contou que o câmbio da BMW não é confiável!! Cquote2.png
Galvão Bueno sobre BMW
Cquote1.png Eu falei!! Eu falei!! Cquote2.png
Galvão Bueno feliz com a desgraça alheia sobre Robert KubeeTZa abandonando com o câmbio quebrado
Cquote1.png O cérebro é que nem um queijo pastoso dentro de uma caixa de madeira ... Cquote2.png
Galvão Bueno sobre o cérebro do piloto número dois da equipe, Robert KubeeTZa
Cquote1.png Um absurdo um polonês numa equipe alemã..... Cquote2.png
Adolf Hitler sobre Robert Kubica

Alfa Romeo Racing, a antiga Sauber, é a mais uma equipe do circo da Formula 1. Muitos dizem que se seus carros não quebrassem tanto, a equipe poderia disputar por algo melhor. Leia-se não terminar em último sempre.

História[editar]

As constantes falhas mecânicas e quebras quase mataram Robert Kubica no Canadá.

A Sauber sempre foi uma equipe mediana, do tipo do meio pra trás. As outras equipes maiores não deixavam ela brincar sozinha, e ficavam testando suas invenções nela. Em 2004, Felipe Massa causou a falência da equipe após 23 acidentes em 18 provas, e tio Peter Sauber teve que vendê-la a Ned Theissen.

Em 2006, a equipe trouxe Nick Heidfeld e o ex campeão mundial Jacques 'who?' Villeneuve. Após o segundo bater no primeiro, a equipe mandou ele de volta pra casa, e ele resolveu virar cantor sertanejo. Quebrando preconceitos, a equipe chamou o polonês Robert Kubica, vulgo Gargamel, para substituí-lo, sendo ele então o primeiro polonês da F1. Alguns suspeitam que trata-se de uma tática para a BMW ser a equipe ariana, com todos os integrantes alemães, e que Ned Theissen só está aguardando a Alemanha invadir o país novamente, sendo isso tudo então um investimento à longo... médio prazo!

A equipe ficou mundialmente conhecida quando o jovem polonês impressionou o mundo com seu nome impronunciável, o que rendeu no mínimo umas 50 aulas de Galvão Bueno à população.

Confira então a pronuncia exata: K-u-b-e-e-e-e-e-e-T-Z-a-h! (com TZ, deixo bem claro)

Em sua segunda temporada, Nick Heidfeld conseguiu o primeiro recorde da equipe, após 30 quarto lugares consecutivos, e o polonês foi novamente astro após se acidentar e receber um milagre do papa.

A prova viva de que o viagra injetado pelo Peter Sauber e Mario Flanders fez efeito em 2008.

Em 2008, Peter Sauber e Mario Flanders Theissen injetaram viagra no carro e fizeram com que Kubica e Heidfeld andassem mais vezes na frente e, inclusive, brigando com as potências da época, Ferrari e McLaren em quase todas as corridas. Inclusive no Canadá, graças a uma reza braba do Theissen, Lewis Obama acertou em cheio a traseira de Kimi Vodkannen na saída dos boxes, que estava em sinal vermelho, enquanto que Felipe Zaca fazia uma corrida pífia, assim como Heikki Kovalainen, que foi ultrapassado até por RUBENS VASCOCHELLO e não marcou pontos. A combinação de todos esses fatores fez com que Kubica vencesse na mesma pista que fodeu com ele no ano anterior, além de fazer com que Heidfeld finalmente voltasse ao pódio depois de chegar em quarto mais de 8 mil vezes em 2007.

SaUber mostrando a única coisa para qual serve

A partir de 2009, o viagra injetado no ano anterior (que fez com que a BMW Sauber fosse 3ª colocada nos construtores) parou de fazer efeito, fazendo com que Kubica e Heidfeld voltassem a encarar a realidade de fundão de 2006. Só milagres faziam com que um dos dois subisse ao pódio naquele ano.

Puto com o desempenho da equipe, Peter Sauber deu um pé na bunda do Mario Theissen no final do ano, assim como nos seus pilotos, fez um pacto com o capeta equipando o carro com motores Ferrari e contratou Kamui Kamikaze, que tinha surpreendido a todos por segurar o Jenson Button no GP do Brasil de 2009 com uma carroça de Toyota, o que deixou Button putaço na hora, e o velhote espanhol Pedro de la Rosa, que não andava num carro de F1 há mais de 8 mil anos. O resultado dessa merda toda foram inúmeros abandonos dos dois e, quando completavam corridas, chegavam se arrastando no fundão.

Em 2011, a Sauber contratou o mexicano Sergio Pérez para garantir tequila a todos da equipe. Mas o carro continuou a mesma merda de 2010 e os dois continuavam se arrastando no final do pelotão.

Esteban Gutiérrez voando baixo com sua Sauber.

Em 2012, mais uma vez Peter Sauber injetou viagra no carro para fazer com que voltassem a andar na frente. O problema é que, desta vez, o viagra era mais fraco que o injetado em 2008, mas mesmo assim Kobayashi e Pérez andaram mais na frente, mesmo não sendo a ponto de brigar com RBR, Ferrari e McLaren. E em corridas macumbadas, conseguiram pódio.

Já em 2013, o efeito do viagra acabou e a equipe voltou a andar no fundão, com o alemão mais macho da F1 atual e outro mexicano, mas que só sabia bater.

A situação piorou (e muito) em 2014, pois a equipe só marcava pontos com milagres, além de amargar inúmeros abandonos.

Atualmente[editar]

O carro é lindo, pena que só anda no fundão.

Em 2015, após Dilma Rousseff guardar um pequeno dinheiro do Mensalão, a equipe fechou patrocínio com o Banco do Brasil (por isso que o Brasil tá na merda hoje), além de Peter Sauber injetar mais viagra no carro, mais fraco que os 2 anteriores, além de contratar Felipe Nasr e Sony Ericsson. Até que o viagra fez efeito, pois seus dois pilotos não precisavam de muitos milagres ou corridas macumbadas para marcar pontos.

Em 2016, o efeito do viagra acabou de vez e a equipe teve que amargar andar no fundão pela 666ª vez.

Em 2017, mesmo contratando Pascal Ver além, Peter Sauber e Monisha Capiroto não injetaram viagra, e mais uma vez a equipe anda no fundão. Só um milagre faz com que marquem pontos.

Em 2018, com um motor Ferrari desse ano em vez de ser um usado encontrado na sucata como nos anos anteriores e com dinheiro da Fiat Ferrari Alfa Romeu a equipa voltou a um lugar muito acima dos últimos anos a lutar por pontos. Com o mesmo piloto rico sueco e com um novo talento emprestado por uma época pela Ferrari enquanto arranjavam espaço para ele na equipa a Sauber agora Sauber Alfa Romeu conseguiu quase 10x mais pontos!!! (mas mesmo assim ficou em 8º).

Em 2019, a equipa passou a ser só Alfa Romeu Racing e ficou sem o talento Charles Leclerc mas ganhou a maior lenda de sempre na história da F1.