Silver Surfer

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg Silver Surfer é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, Alguém vê mais uma calcinha em Soul Calibur.

Game Over, a imagem mais vista do jogo

Silver Surfer é o jogo do Surfista Prateado para o Nintendinho. Esse é o nome em inglês do Surfista Prateado, o que poderia ser um redirecionamento para o próprio personagem prateado da Marvel (que não é parente da Banshee Prateada), mas aqui no Brasil o povo mal sabe ler em português, quem dirá em inglês. Além do mais, se fosse criar redirecionamentos do nome inglês para o nome usado no Brasil para todos os personagens de banda desenhada, ia dar um trabalhinho da porra. Mas logo poderá ocorrer de alguém mover esse artigo para Silver Surfer (NES) e essa porra de introdução ter que ser toda modificada, já que quem moverá nem se dará o trabalho de ler o artigo e corrigir a droga do artigo. Mas agora chega de enrolar e começar a falar do jogo mesmo.

Jogabilidade[editar]

Esse é talvez o jogo mais difícil do planeta Terra e adjacências. Começou o jogo, perde uma vida. Deu respawn, perde outra vida. Começou o jogo novamente, game over. Encostou na porra da samambaia na encosta da montanha já perde uma vida. Os programadores desse jogo não tavam nem aí pra quem fosse jogar essa droga, provavelmente nem fizeram o teste beta com os jogadores imbecis. Por causa dessa jogabilidade retardada, Silver Surfer é considerado um dos piores jogos de todos os tempos.

Essa porra é considerada um jogo de "navezinha", por incrível que pareça. Isso se dá porque o imbecil do Surfista Prateado, que tem um bilhão de poderes, nesse jogo só fica atirando bombinha pela prancha e desviando de entulho. Às vezes o jogo fica em visão lateralizada, igual ao jogo Parodius (tão poluído quanto), outras vezes em visão aérea, igual ao Galaga (surpreendentemente tão entendiante quanto).

Os chefões do jogo, mas ninguém nunca conseguia chegar até eles, mal se saía do primeiro centímetro de jogo

São cinco fases iniciais, podendo o jogador escolher a ordem que irá jogar, mas não mudará nada mesmo já que morrerá nos primeiros segundos. Cada fase tem uma segunda fase, que é a fase do chefão do jogo. Eu só sei disso porque tinha a mania de deixar qualquer jogo parado na tela inicial só pra ver as fases dos jogos, e odiava quando um jogo não tinha uma apresentação de fases ou animação. Pelo menos essa merda ainda tem essa opção.

Os cinco chefões são os seguintes, conforme a imagem ao lado, começando do chefão selecionando e seguindo em sentido horário: Um jacaré humano, algum sujeito feito de fogo bem tristonho, um hipster, um skrull qualquer e o Mefisto (ah, enfim alguém que eu conheço). O único sinal do Galactus no jogo é porque ele que pediu para o surfista ir pegar um MacGuffin, e só por causa disso que existe esse jogo bucéfalo.

Recepção[editar]

O jogo foi altamente mal recepcionado pela crítica, pelos jogadores, pela mídia, pela Velma, por qualquer um. Diziam que o jogo era uma verdadeira pilha de merda centenária, o que era uma verdade. Também colocaram a culpa no Surfista Prateado, que é um personagem de bosta, mas isso pode ser maldade do pessoal contra o surfista, embora ele seja mesmo um dos piores personagens de quadrinhos da pior editora de quadrinhos e, costumeiramente, estraga tudo por onde aparece, seja jogo ou filme.

E nada presta nesse jogo bostial? Não, há algo que se salva plenamente, que é a a trilha sonora. Porra, a trilha sonora, embora não consiga salvar esse estrume curtido, ao menos dá ao jogador alguma alegria. Muitos alugavam a fitinha (antigamente só se alugava, nunca se comprava, e só na sexta-feira pra poder devolver apenas na segunda-feira) só pra ouvir a música tema, que é uma das melhores músicas temáticas de jogos.

Outros jogos merda de Nintendinho[editar]