South of Heaven

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
DesBoleros em Ingrêis.png Este artigo trata de um álbum

E provavelmente tem só duas músicas que prestam.

Conheça o resto da playlist clicando aqui.

Cquote1.svg Duvido você me superar, seu babaca! Cquote2.svg
Reign in Blood sobre South of Heaven.
Cquote1.svg Foi um sacrifício pra mim ter que tocar mais devagar. Cquote2.svg
Jeff Hanneman sobre South of Heaven.
Cquote1.svg Conseguimos fazer muito melhor que isso Cquote2.svg
Jota Quest sobre South of Heaven
Cquote1.svg Esse lugar eu não conheço. Cquote2.svg
Deus sobre South of Heaven.
Cquote1.svg Mas eu sim! Cquote2.svg
Teu pai sobre South of Heaven.

South of Heaven é o quarto álbum da banda Slayer. Ele é um dos álbuns mais lentos que o Thrash Metal já viu, porém essa lentidão conseguiu eliminar a barulheira infernal que foram os três primeiros álbuns do Slayer. O álbum foi lançado em 1988, quando Tom Araya estava vomitando esquilos que ele comeu pensando que eram ratos de porão, mas eram só esquilos mesmo.

Olhem pra mim! Eu sou a caveira flutuante!

Antecedentes[editar]

Depois que o Slayer criou que aquele álbum super-rápido que cria buracos negros ao ser tocado ao contrário (e mostra mensagens satânicas também) e que levou milhares de alienados musicais metaleiros baterem cabeça freneticamente; eles foram levados a pensar num jeito de criar um álbum ainda melhor que aquele.


Cquote1.svg Sabe King... Cquote2.svg
Jeff Hanneman


Cquote1.svg O que foi? Cquote2.svg
Kerry King


Cquote1.svg Que tal a gente deixar o próximo álbum mais devagar? Cquote2.svg


Cquote1.svg Tipo Rubens Barrichello? Cquote2.svg


Cquote1.svg Porra, não é pra tanto! Quer perder nossos fãs?! Cquote2.svg


Cquote1.svg Foi mal, brother Cquote2.svg

E foi mais ou menos assim que o South of Heaven foi criado com menos velocidade, riffs mais técnicos e mais melodia. Mas foda-se isso tudo, não ganhei dinheiro nenhum com esse álbum e você também não, paga-pau do Slayer.

Produção[editar]

O álbum teve uma produção boa nas mãos do mercenário empresário Rick Rubin. Embora não se escute o baixo direito (por ele ser discreto e gostar de trabalhar longe dos holofotes.)

Recepção[editar]

Todo mundo começou a babar ovo porque o Slayer ousou diminuir a velocidade e acharam que isso era a genialidade dos músicos sendo manifesta (??) e um monte de parada. Resumindo: o Slayer fez uma jogada de marketing deixando o South of Heaven diferente do Reign in Blood e um monte de metaleiro sem noção começou a aplaudir o álbum.

Conteúdo lírico[editar]

Guerra, mentiras, religião, caos e um monte de parada louca que passa pela cabeça do Kerry King.

Músicas[editar]

  • South of Heaven/Para o Norte e Avante! - É um hino para todos os super-heróis da Capcom, Marvel e Revista Veja.
  • Silent Scream/Sussuro Gritante - Fala de um método para que mudos falem.
  • Live Undead/Morto-Vivo - Com a participação de coreógrafos e dançarinos do Thriller.
  • Behind the Crooked Cross/A Cruz Maltina - O que é cruz maltina mesmo? Ah sim, a cruz de Malta!
  • Mandatory Suicide/Mandando Su e Sai - "Su" e "Sai" são dois amigos orientais da banda que mandaram uma carta para eles.
  • Ghosts of War/Fantasmas Atrás da Cortina - Cuidado! Tem um atrás de você.
  • Read Between The Lies/Saiba Ler, Seu Analfabeto! - Aproveite e faça um curso intensivo de língua portuguesa com o professor Seu Creysson.
  • Cleanse the Soul/Lave Os Pés - Não faça igual o sapo e não more na lagoa. Se não você terá chulé.
  • Dissident Aggressor/Dissidente do Tio Fidel - Na verdade é uma música do Judas Priest assassinada emprestada para o Slayer.
  • Spill the Blood/Derrame a Bênção - Uma música para terminar missas, nada demais.

Integrantes[editar]


Tom Araya - Baixo e voz
Kerry King - Careca Brilhante
Jeff Hanneman - Madeixas loiras sedosas
Dave Lombardo - Batuqueiro