Suma Teológica

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Alguém colcoando os nove volumes de Suma Teológica na estante para nunca ler.

Cquote1.png A Suma Teológica é o céu como se estivesse num roteiro de anime Cquote2.png
Papa Pio XI

Suma Teológica é uma das maiores obras da escolástica da filosofia teológica das chatíssimas aulas de catequese. Escrito pelo maior católico cdf de todos os tempos, o santo dos nerds Tomás de Aquino, esta obra traz 512 perguntas e respostas individuais sobre mistérios que a Bíblia não responde, com esclarecimentos desde o sexo dos anjos até a lógica do pecado do incesto uma vez que os filhos de Adão e Eva não tiveram outra opção.

Criação[editar]

O livro foi escrito em meados do século XIII quando Tomás de Aquino estava construindo um enredo de seu mais novo RPG quando lembrou que suas fanfics tinham muitas incongruências e discordâncias, quando então ele decidiu fazer um minucioso estudo de tudo que a humanidade tinha sobre o sobrenatural e então deixar para o posteridade dicas preciosas de como matar lobisomens, vampiros, como fazer exorcismos, é o manual do bom católico praticante.

O livro Suma Teológica foi tipo um Yahoo! Repostas da Idade Média.

Composição[editar]

A obra abrange 2669 perguntas e respostas divididas em 512 questões, que originalmente iriam compor um banco de dados para a realização de um quiz show no Vaticano. A grande genialidade do livro é a sua capacidade de agradar gregos e troianos, pois para cada pergunta Tomás de Aquino sempre consegue dar duas boas respostas convincentes, por exemplo: "[...]Deus existe?[...]Deus parece que existe porque é tudo muito bonito.[...]Em sentido contrário Ele parece não existir porque ninguém nunca viu." ou "[...]Deus ama os humanos?[...]Parece que Deus ama os humanos, afinal os criou, deve ser porque os ama.[...]Em sentido contrário ele colocou todo mundo numa vida de sofrimento e angustia sem nunca terem a certeza de sua existência, logo Ele não nos ama, só nos sacaneia."

O livro é ainda dividido em três partes:

  • Primeira Parte: Na qual é tratada a Lei Eterna, os personagens fantásticos e fictícios de um bom RPG: Deus; anjos; demônios; e também a natureza do Homem.
  • Segunda Parte: Na qual é tratada a Lei Natural: furacões, vulcões, terremotos.
    • Primeira Seção da Segunda Parte: Na qual é tratado os princípios gerais da personalidade: safadeza; corrupção; tesão; inveja.
    • Segunda Seção da Segunda Parte: Na qual é tratada a moralidade e as virtudes: ser bonzinho; ser bandido; ser bom de cama; ser virgem.
  • Terceira Parte: Na qual é tratada a Lei Humana: cristianismo; sacramentos; ateísmo; fim do mundo.

Exemplo de um capítulo do livro[editar]

QUESTÃO XXIX
A BEM-AVENTURANÇA DA COXINHA DE RODOVIÁRIA
em dois artigos

Artigo 1
Coxinha de Rodoviária é saborosa?

QUANTO AO PRIMEIRO, ASSIM SE PROCEDE: parece que coxinha de rodoviária não é saborosa.

1. Com efeito da existência de coisa melhor, é evidente que não passa de uma refeição de pobre, a começar pelo tipo de frequentador de tal recinto, apenas pobres andam de ônibus, logo é de se aceitar que a rodoviária seja composta apenas de atrativos de pobres.

2. EM SENTIDO CONTRÁRIO por se tratar de uma quitanda em ambiente de grande stress, o saboroso que muitas vezes é definido com o simples fato em si do aplacamento da fome, torna uma coxinha saborosa.


Artigo 2
Coxinha de Rodoviária faz mal para a saúde?

QUANTO AO SEGUNDO, ASSIM SE PROCEDE: parece que coxinha de rodoviária faz sim mal à saúde.

1. Com efeito da porca higiene dos recintos onde são produzidas, somada ao fato de sua natural composição gordurosa que visa entupir, intencionalmente, artérias coronárias com o objetivo de causar infarto do miocárdio de maneira fulminante.

2. ADEMAIS não adiante só secar num guardanapinho.

3. QUANTO AO PRIMEIRO deve-se chegar à conclusão de que se prestar a executar tal refeição é suicídio premeditado, logo coxinhas de rodoviária são almôndegas do diabo.