Svetlana Khorkina

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Svetlana Khorkina
040819 khorkina vmed 4p.widec.jpg
Até o meme do I am not impressed ela inventou muito antes da McKayla Maroney nascer
Nascimento 19 de janeiro de 1979
Bandeira da Rússia Rússia - Belgorod
Ocupação ginasta

Svetlana Khorkina (pronuncia-se whore-kina, também conhecida como The Queen) é uma ginasta de origem russa, conhecida por usar cuias para seus cortes de cabelo, por suas pernas enormes feitas só de osso e pele, e por seu desempenho memorável e revolucionário na ginástica artística, inventando ela vários novos movimentos e inclusive o primeiro meme da ginástica artística (I'm not impressed).

Svetlana é uma das ginastas mais condecorados na história da ginástica, em parte devido à sua longevidade por não se aposentar aos 20 anos como quase todas outras ginastas, e também devido a sua capacidade de seduzir os juízes para concedê-la pontuações massivamente infladas. Svetlana ganhou uma reputação como uma competidora de mais de 1,50 metros de altura, na verdade com os seus meros 1,65 metros de altura ela parecia uma gigante perante as adversárias. Dona de uma personalidade convencida, é o tipo de mulher chata que se acha o máximo, sendo ela bem notória tanto por suas medalhas de ouro como também por sua lamentação excessiva e performances dramáticas desconfortáveis nas derrotas consecutivas no exercício de solo o qual nunca ganhou. Suas companheiras russas eram muitas vezes alertadas a se manterem, pelo menos, 4 metros de distância de Svetlana durante as competições competição, visto que ela tinha uma tendência em bater, e ocasionalmente, morder quem estivesse por perto quando as coisas não ocorriam da sua maneira.

Juventude[editar]

Khorkina nasceu em Belgorod, uma cidade perto da fronteira com a Ucrânia. Aos 4 anos foi diagnosticada com anorexia severa, e a sua mãe preocupada a matriculou na ginástica para ver se dava mais ânimo à filha. Da anorexia, infelizmente ela nunca se curou, como observamos em seu corpo raquítico até hoje, mas pelo menos ela se tornou uma criança feliz que conseguiu ter uma carreira bem sucedida quando adulta.

Na época de apenas pirralha na escola, tornou-se fã da ginasta Oksana Omelianchik, a quem se espelhou em tentar um dia. Mas ao completar 12 anos, por ser altona, magrela, esquisita e desengonçada, todos seus treinadores a incentivaram apostar na ginástica rítmica, mas ela insistiu na ginástica artística e decidiu seguir carreira neste esporte para crianças baixinhas. Ela, uma criança alta, teve que se adaptar, e viria a ganhar muitas medalhas de ouro por dó dos juízes.

Carreira[editar]

Começo da carreira[editar]

Com 15 anos de idade estreava numa grande competição no Mundial de Dança de Brisbane 1994, torneio no qual ganhou logo de cara duas medalhas de prata, uma no pulo por cima da mesa e outra nas paralelas assimétricas a qual ainda viria tornar-se sua grande especialidade.

No ano seguinte já estava então conquistando seu primeiro ouro no mundial de Sabae 1995 pelas paralelas assimétricas, uma vez que suas longas pernas magras geravam um belo efeito de parecer haver uma terceira barra, o que lhe garantia sempre boas notas nessa exercício, o mesmo não pode dizer de seu desempenho no solo, onde a sua magreza e altura tornavam sua dancinha e cambalhotas algo ridículo de se ver, por isso só tinha péssimas posições nesse exercício.

Atlanta 1996[editar]

Khorkina usando um uniforme sem sutiã para tentar apelar na execução do solo o qual não ganhava nunca.

Se por um lado ganhou sua medalha de ouro olímpica individual nas paralelas assimétricas, exercício o qual sempre demonstrou domínio graças a sua capacidade de abrir suas pernas em pleno ar melhor que a mais hábil das prostitutas, no individual geral ela caiu nas mesmas paralelas assimétricas e ficou apenas com o 15º.

Na competição por equipes ficou com a prata sem ter ajudado muito, e no solo uma miserável 23º posição, porque nem subornando os juízes com favores sexuais dava para dar boas notas para a dança esquisita e broxante que Svetlana demonstrava.

1997-2000[editar]

No Mundial de Lausanne 1997 atingiu seu auge e ganhou várias medalhas, vencendo as paralelas assimétricas como sempre, pois ninguém conseguia abrir as pernas como ela ainda, mas também ganhou o individual geral. Ainda ganhou 3 pratas, uma por equipes, outra pulando uma mesa, e mais uma no solo (porque esta ela não ganharia ouro nem em sua melhor fase).

Chocou a todos quando em 1997 foi capa da Playboy russa e todos puderam ver o que antes apenas os juízes viam em suas salas escondidas, que eram as costelas de Svetlana e sua ausência total de seios e bunda. Até ficou de fora das competições de 1998 por causa disso, pois agora ela não era mais menor de idade e havia grande resistência dos organizadores pedófilos que fazem o campeonato de ginástica.

Todavia, voltou no Mundial de Tianjin 1999 e novamente ganhou medalha de ouro nas paralelas assimétricas mesmo já velha (20 anos de idade na ginástica já é considerado fim de carreira, longe de agradar os pedófilos fãs do esporte). Continuou é claro, sem ganhar o solo.

Sydney 2000[editar]

Com esta abertura de pernas que Svetlana conquistou tantas medalhas de ouro nas paralelas assimétricas.

Em mais uma olimpíada, ganhou mais uma penca de medalhas, primeiro por equipes, graças às companheiras ganhou a prata, pois Svetlana só ia bem nas paralelas assimétricas. Depois ficou apenas em décimo no individual geral porque é o máximo que uma atleta desequilibrada como ela poderia conseguir.

Na trave olímpica daquele ano tinha 5 centímetros a menos de largura por determinação da FIG que desejava ver o máximo de crianças caindo no chão, Svetlana já não era mais criança mas caiu mesmo assim e ficou somente em 12º. Com a queda ela teve uma gravde lesão no cóccix e cedeu seu lugar na final da mesa para a sua companheira Elena Zamolodchikova que foi lá e ganhou o ouro.

Apesar de todo um começo desastroso de olimpíadas, ela ganhou o ouro nas paralelas assimétricas, provando que aquilo era a única coisa que ela sabia fazer de bom, tanto que depois foi no dança de rebolado perder de novo e ganhar a prata.

2001-2004[editar]

Svetlana disfarçada de agente da KGB.

Graças às suas dúzias de medalhas, Svetlana recebeu a medalha de Honra ao Mérito da Rússia das mãos do fantasma de Lenin que vaga até hoje no Kremlin.

Começou a partir de então a também ganhar medalhas em campeonatos de arrogância por dar sempre declarações sobre como ela é o máximo, linda e elegante. Nesta época ganhou a alcunha de "A Diva" e "A Rainha", por saber se uniformizar e se maquiar para as competições melhor que as mais renomadas prostitutas da Europa.

Atenas 2004[editar]

Sua última participação num campeonato foram nos jogos de Atenas 2004, o qual só foi participar mesmo, pois com seus 25 anos de idade suas juntas já estavam calcificadas e ela não conseguia mais executar os movimentos que as crianças de 15 anos realizavam, então ela conseguiu apenas uma oitava colocação nas paralelas assimétricas. Já uma adulta formada, não agradava mais o grupo de juízes pedófilos, e assim não recebeu as notas infladas que sempre recebeu em seu auge de puberdade.

Após aposentadoria[editar]

Após o fracasso nas olimpíadas de 2004, Svetlana foi forçada a aposentar-se com 25 anos de idade, e passou a trabalhar no comitê russo de ginástica como figura ilustrativa, porque administrar alguma coisa ela certamente não sabe.