The Legend of Zelda (jogo)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg The Legend of Zelda (jogo) é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, o Leon esta comprando uma Chicago Typewriter do Merchant.


A Legenda de Zelda
Legend of Zelda 1986 cover.jpg

Capa do jogo

Informações
Desenvolvedor Nintendo
Publicador Nintendo
Ano 1986
Gênero aventura
Plataformas Nintendinho
Avaliação 30%
Idade para jogar 6+

Cquote1.png Já joguei! Cquote2.png
Velho decrépito sobre The Legend of Zelda para NES
Cquote1.png Já joguei! Cquote2.png
Nintendista sobre The Legend of Zelda para NES
Cquote1.png Nunca joguei! Cquote2.png
Pessoa normal sobre The Legend of Zelda para NES

The Legend of Zelda (The Hyrule Fantasy ゼルダの伝説, Zeruda no densetsu) é o nome de uma espécie de Tibia lançado para NES e que acabou por acaso sendo considerado o primeiro jogo da série The Legend of Zelda, é um jogo daqueles antiquíssimos que você nunca jogou e há até dúvidas sobre a existência do dito, pois até uma calculadora tem mais memória RAM que o necessário para se rodar esse Zelda, tanto que dizem que o jogo era apropriado ao NES, mas a existência desse videogame ainda é contestada por alguns paleontólogos.

Produção[editar]

Um captura de ecrã de Toon Link bronzeado (aquela porcaria verde) enfrentando uns grotescos zumbis boqueteiros, inimigos inciais.

The Legend of Zelda foi a primeira criação do nerd Shigeru Miyamoto, ainda na época apenas um garoto japonês estranho (hoje um tio japonês estranho), um rapaz com complexo social que era espancado na escola todos os dias e sempre teve pregado um sorriso no rosto. Como a única coisa que fez durante toda a vida foi ficar em frente ao computador desprezando coisas como fazer amigos, respirar um ar, namorar, etc, Miyamoto começou sua carreira nos video-games e forçou sua cabeça pirada para criar algum jogo marcante que pudesse conquistar fãs retardados. Assim Miyamoto criou Zelda, o que idealizou com uma mistura de um Tibia melhorado, com RPG de quinta categoria e com um pixel verde como protagonista.

Enredo[editar]

O jogo conta uma historinha para boi dormir na qual um Duende precisa atravessar a Europa Feudal para resgatar uma princesa loira dos olhos azuis das garras do malvado Demônio-Porco que tem planos malignos de deflorar a princesinha, mas antes que Ganon pudesse usar o vibrador de ouro no cu da princesa, Zelda é perspicaz e divide o objeto sagrado em 8 fragmentos que espalha por 8 masmorras repletas de demônios boqueteiros e morcegos estupradores.

Como controlamos um duende emaconhado, o jogo contêm centenas de mensagens subliminares, entre a mais evidente são os desenhos dos dungeons do jogo, entre eles uma dungeon que tem o claro formato de suástica nazista.

É nesse jogo que todos os personagens da série Zelda fazem sua primeira aparição, mas o incrível é que parece que Link, Ganon e Zelda parecem sofrer de amnésia, pois nos Zedas seguintes a esse, eles parecem que esquecem tudo o que já se viram.

Jogabilidade[editar]

Durante o jogo devemos controlar as ações de um pixel verde que diz ser um duende chamado Link, após enfrentar diversos Dragões-Koala, quadrados marrons, ursinhos, morcegos estupradores, zumbis boqueteiros e muitas outras coisas toscas, Link salva o dia. Em The Legend of Zelda, tudo o que um zeldamaníaco adora já marcava presença, mas com gráficos podres de doer, como várias dungeons e essa mania do Link de reunir fragmentos de alguma coisa.

Neste jogo Link usa uma espada politicamente correta feita de madeira e já nessa época não se importava de andar de saia e já sabia guardar também 50 itens na cueca.

Itens, equipamentos e upgrades infelizmente não cancelados[editar]

O inocente mapa do terceiro templo.

Como todos sabem, o jogo The legend of Zelda foi inovador porque apresentou ao jogador um jeito complexo e não-linear de jogar, permitindo assim que você perca seu precioso tempo de muitas formas diferentes. Para que isso acontecesse, Sujaram Minha moto e Eji ah não, mano! tiveram que pensar num jeito inovador de fazer o pobre coitado do jogador ir de um lado para o outro sem ficar de saco cheio, e Infelizmente resolveram colocar uma quantidade assustadoramente tremenda de itens (para os padrões da época) no jogo para resolver isso.

  • Espada de madeira - Carinhoso nome dado ao cassete de Link. Link faz seu cassete crescer tanto e com tamanha velocidade que mata os inimigos. Só pode ser usada após você receber uma quantidade tremenda de viagra de um velhinho que mora numa caverna. O legal é que se você tiver com a energia cheia Link vai ficar tão excitado que vai soltar um jato de gozo pra frente, matando os bichinhos a distância!
  • Espada branca - Apenas o mesmo cassete de Link, só que cheia de seu sêmen. Espadinha do He-man de plástico que você ganha na promoção do Baú da felicidade. Mata duas vezes mais que seu pênis sem gozo.
  • Espada mágica - Espadinha do He-man cheia de purpurina colada com Pritt. O atrito causado pela purpurina corta os inimigos, dando a essa espada o máximo poder de aniquilação de massas.
  • Bumerangue - Coisa tosca sem valor algum. A maioria dos inimigos nem sentem o golpe.
  • Bumerangue mágico - Bumerangue tunado dotado do princípio aero-dinamicamente-pelicolado-exdrúxulo-exorbitante-ultra-master-blaster-procarionte-pteridofita-wapper-duplo-com-queijo-tenúncho-risotto-mangaré-jacarépaguá que faz ele voar até bater em alguma bosta ou no limite do cenário
  • Arco e flecha - Esse item é um saco de achar! Para conseguir ele você tem que ir na parte mais longínqua do primeiro templo, vencer cinquenta inimigos dos mais filha da puta, adivinhar que tem que puxar uma pedra (não tem indicação nenhuma do que você tem de fazer naquela bodega!), descer uma escada, vencer uns morceguinhos chatos, subir escada, descer escada, e lá está o arco! Nem tão chato, né? POIS ESPERE ATÉ VOCÊ DESCOBRIR QUE VOCÊ NÃO TEM FLECHAS! Saia por aí feito um tonto procurando algum lugar que venda flechas. Aliás, não EXISTEM lugares onde vendam flecha! Você compra uma amostra de flecha por trocentas rupias, e cada vez que você usa uma flecha gasta uma rupee, ou seja, SE VOCÊ QUISER ECONOMIZAR DINHEIRO, ESQUECE!
  • Varinha Mágica - Pedaço de pau para brincar de Kamek!
  • Livrinho mágico - Só pra tunar a varinha.

Lugares, itens e equipamentos cancelados[editar]

O cartucho de incríveis 500 Kilobytes Kilogramas.

Cquote1.png AHH QUE MERDA EU QUERIA VER!! Cquote2.png
Nerd sobre hentai de Link com a Malon, removido da versão original do jogo

Como o cartucho do Legend of Zelda era muito pequeno (em termos d ememória), eles não podiam lançar um jogo gigante, apenas um jogo compacto e com alguns mistérios fúteis. Por isso, tiveram que excluir alguns lugares, itens e equipamentos que Link originalmente iria achar durante sua jornada. Segue coisas que foram canceladas:

  • Lon Lon Ranch Versão NES - Excluíram esse lugar porque quando Link chegasse lá, Malon iria estar o esperando totalmente nua e assim os dois iniciariam um ritual de acasalamento, essa cena foi considerada muito pornográfica, e como o público alvo eram crianças que ainda acham que o neném veio da cegonha, os desenvolvedores do jogo excluíram essa parte do jogo.
  • Atomic Bomb - Item sugerido pelo próprio Miyamoto, mas os padres japoneses disseram que isso seria uma ofensa ao povo de Hiroshima e Nagasaki por causa do acontecimento em 1945, então a Bomba Atômica foi cortada.
  • Bexiga d'água - O efeito dela era molhar os inimigos de fogo e assim danificá-los, mas o desenhista que era estagiário não sabia desenhar água.
  • GigaShot - Foi um princípio para o famoso hookshot, mas como tinha um formato de um pênis de cavalo virou suspeita de mensagem subliminar e cancelaram. Depois mudaram o formato do gancho para um formato mais adequado para crianças e voltou dois jogos depois em A Link to the Past.
  • Tibia Link - Esse item serviria para jogar Tibia no Zelda, o legal era que você poderia jogar com o seu personagem todo personalizado e com efeitos especiais de verdade em vez daquela fumacinha vergonhosa, mas foi cancelado porque os gráficos do NES eram muito avançados para jogar Tibia.

Recepção[editar]

O jogo foi lançado em 1986 e para se ter uma ideia de como eram os nerds de antigamente esse jogo The Legend of Zelda incrivelmente fez sucesso e bateu as vendas de Pacman, Tetris e Ping Pong. A explicação disso, ninguém sabe ao certo, mas parece que The Legend of Zelda revolucionou a maneira de jogar conseguindo unir os nerds aos RPGistas, tanto que atualmente as duas coisas parecem ser sinônimos.

Os gráficos desse jogo foram amplamente aprovados pelo pivete playboy da década de 1980 que diz Owww! Nice graphics!!", de modo que The Legend of Zelda foi o único cartucho para NES o qual era necessário o uso de uma ultrachip propulsor megaprocessador de 3,5 bytes acoplado a um ventilador para resfriar a máquina. Comparado aos Tetris da época, aquele quadrado verde (Link) foi uma revolução para os gráficos contemporâneos.