The Surge

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg The Surge é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, Remilia Scarlet cria outra névoa vermelha em Touhou 6


O Surgimento
The Surge.png

Capa do jogo

Informações
Desenvolvedor From Software Paraguaia
Publicador Hocus Pocus Interactive
Ano 2017
Gênero Dark Souls genérico
Plataformas PC; PlayStation 4, Xbox One
Avaliação 7/10 pra quem conhece Dark Souls
0/10 pra quem não conhece Dark Souls
Idade para jogar Livre

The Surge é um Dark Souls genérico desenvolvido pela From Software Paraguaia e lançado para PS4 e Xbox One. Apesar de ser um Dark Souls, ele não é ambientado num mundo fantástico de fantasia medieval onde as coisas são resolvidas com golpes espadas e escudo, ele é ambientado num mundo futurístico do apocalipse distópico das máquinas onde as coisas são resolvidas com golpes de espadas e escudo.

Jogabilidade[editar]

Só mais um bichão que é impossível de matar.

O jogo é tipo um Dark Souls, então a ideia é fazer o jogador passar raiva com situações injustas, armadilhas, inimigos impossíveis de derrotar e chefões incrivelmente filhas das putas. A jogabilidade consiste então em bater com um botão, esquivar com outro e vasculhar cenários de escombros matando hollows zumbis dentro de armaduras altamente tecnológicas. Ao invés de coletar almas, você é um sucateiro e deve coletar é sucata que deve ser trocada em postos de ferro-velho por pontos de experiência ou para montar itens, que tal qual Dark Souls não influenciarão em nada na quantidade de dano recebido ou dano aplicado, que será sempre o mesmo: Injusto.

No mais, mesmo estando num futuro altamente tecnológico, não espere conseguiu um rifle e sair metralhando todo mundo a longa distância, os combates são todos como trogloditas ao cúmulo de você dar porretadas em máquinas altamente tecnológicas para derrotá-las. Tudo no futuro se resolve com pancadas de pedaços de pau e ferro. Você vai no máximo ter um drone que atira um peido a cada 1 minuto.

Enredo[editar]

Acompanhamos a aventura de um sucateiro chamado Warren, que enquanto trabalhava em sua carroça catando lixo foi atropelado e precisou se aposentar por invalidez ao virar um cadeirante. Warren acaba aceitando um emprego na CREO, nome da empresa que surgiu após uma grande fusão entre Microsoft, Facebook e Google (lembre-se que é um jogo no futuro). O problema é que, chegando no local de emprego, o que Warren achou ser um trabalho de faxineiro ou algo do tipo se transformou num pesadelo quando ele foi trancado numa maca e uma furadeira invadiu seu ânus sem anestesia, arruinando qualquer dignidade que ele ainda poderia ter, então ele prefere dormir pra não precisar ter a dor dessa recordação.

Warren acorda sabe-se lá quanto tempo depois, no meio de um terreno baldio e percebendo que drones controlados pela inteligência artificial da Amazon, Alexa. Como é um jogo inspirado em Dark Souls, acho que isso já foi mencionado no artigo, ninguém explica nada da história porque acham que copiar Dark Souls também é não explicar nada e deixar os jogadores se fuderem pra entender o que diabos está acontecendo, portanto a única coisa que se sabe é que Warren recupera os movimentos das pernas e pode retomar sua antiga profissão de sucateiro, com a diferença que agora todo mundo quer te matar assim que te vê, e quando Warren morre ele na verdade se teletransporta para um centro de reciclagem. Tudo isos enquanto você obedece uma tal de Sally, como um bom escravoceta do caralho.

Se algo mais sobre a história nos é revelado, é que a CREO estava investindo no Projeto reSOLVE que consistia em banir programas televisivos apresentados por Faustão e Luciano Huck e criar uma programação apenas de Telecurso 2000, como forma de restaurar a educação mundial, algo que estava falhando devido à baixa popularidade. A empresa decide então apostar num outro projeto, secreto, chamado Projeto UTOPIA, que consiste em exterminar 95% da população mundial.

No final descobrimos que o grande vilão por trás daquele apocalipse é uma consciência coletiva de máquinas chamada Mark Zuckerberg, um ciborgue de tecnologia avançada que deseja controlar os humanos através dos dados que estes voluntariamente disponibilizam na Internet. Após enfrentar esse último chefão, nos é disponibilizado a possibilidade de dois finais: Ou nos aliamos a Zuckerberg e deixamos o Facebook conquistar o mundo, ou nos aliamos a um robô rival chamado Elon Musk e mudamos a humanidade para Marte, em Facebook.