Tina Gray

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Deppmorte.gif
Tina Gray
é uma vítima infeliz e sem sorte!

Foi fugir e tropeçou em uma pedra

250px-Wario WWare.gif Este artigo é sobre um personagem secundário!

Quase ninguém sabe da existência deste zé ruela que só serve pra encher linguiça na trama e provavelmente está morto. Se bobear, nem no Google tá!

Clique aqui para ver gente que só fãs alienados conhecem.

Tão sexy. Tão Tina. Tão Gray.(E ela ainda nem tinha morrido)

Cquote1.png Ah... A primeira vítima a gente nunca esquece... Cquote2.png
Freddy Krueger sobre Tina Gray

Christina "Tina" Gray é mais um dos mais milhões de personagens secundários cinematográficos que adotam o nome clichê de "Tina" em um filme de Terror. No caso, a participação irrelevante da vez dá-se no primeiro filme da franquia de filmes A Hora do Pesadelo. Apesar de tudo, Tina foi de suma importância para o cinema de horror mundial, pois sua morte serviu como o passaporte de entrada de Freddy Krueger para o universo dos serial killers.

História[editar]

Tina vasculhando o porão, após cismar com sua mãe que havia um velhinho psicopata escondendo-se lá só a espera do momento certo para puxar seu pé de noite.

Tina Gray nasceu em Springwood, uma cidadezinha inútil encravada no interior de Ohio, que ao longo dos anos vem sofrendo com uma razoável queda no número de adolescentes, filha de um casal de caipiras que moravam nos subúrbios rurais da cidade. Não se sabe ao certo o que se cultiva lá, mas por não ter sido revelado durante o filme, bem provável que a economia gire em torno das plantações de milho ou grãos aleatórios, padrão para toda cidadezinha minúscula no interior presente em filmes de Terror.

Tina, como toda criança do campo, só veio ao mundo com o único intuito de ajudar seus pais na roça. Tina deveria ser a primeira de 15 filhos que seus pais haviam planejado para ir catar milho nas plantações da família, porém, após dar-lhe a luz, sua mãe anônima entrou em processo de depressão pós-parto, e nunca mais quis saber de ter outros filhos em sua vida, ficando só com Tina mesmo. Sem contar que, conforme os dias foram se passando, não apenas sua mãe, mas também seu pai concordou em jamais se arriscar a ter mais crias, pois uma criança já representava incomodação suficiente, e nenhum dos dois estava disposto a encarar novamente ter que levantar na base de choro durante as noites, trocar fraldas e confrontar a rebeldia típica de adolescentes chatos novamente.

Entretanto, o fato de ser filha única proporcionou a Tina uma vida mais dura e cheia de responsabilidades: além de passar mais de 12 horas no milharal da família em busca de espigas prontas para a colheita, quando chegava em casa ela ficava encarregadas de fazer a comida, levar a roupa para a lavanderia, varrer a casa e consertar os eletrônicos quebrados, pois seus pais, agora que tinham um burro de carga para realizar todas a funções enfadonhas do dia-a-dia, não queriam mais nem saber de trabalhar, e ficavam o dia todo jogando conversa fora com os vizinhos e ou indo pescar em lagoas próximas. Pra completar, Tina era obrigada a dar um jeito de fazer tudo antes da meia-noite e correr contra o tempo no dia seguinte, acordando cedo para chegar a tempo na escola, que ficava há quilômetros de distância e ela era obrigada a pegar três ônibus até chegar lá.

Os finais de semana eram os únicos dias que seus pais lhe davam uma trégua folga e a deixavam descansar. Porém, isso não fazia muita diferença, pois como ficava o resto da semana toda trabalhando feito operador de máquina, não tinha tempo de estudar para as provas ferradas de Matemática e Português, e ela acabava destinando seu tempo livre para ler aqueles livros chatos cheios de regras de linguagem que quase ninguém usa diariamente e fórmulas aritméticas impossíveis para qualquer ser humano normal.

Como resultado disso, Tina chegou a adolescência como sendo uma daquelas típicas jovens frígidas sem esperança de conseguir coisa melhor na vida, e quase acaba tornando-se gótica. Só não o fez por que morreu alguns dias antes do seu coturno e de suas roupas negras chegarem pelo correio.

A inofensiva ovelhinha com a qual Tina teria deparado-se no milharal da família.

Certo dia, ao levantar cedo para a colheita, Tina depara-se com uma criatura fofinha andando sem rumo pela plantação de sua família. Era nada mais nada menos do que uma ovelha, que estava tremendo de frio e estava com a boca suja de uma substância vermelha. De cara, Tina deduziu que o animal havia se esbaldado em alguma amoreira da região e sujado sua boca com manchas de amora. Como toda guria retardada, por achar o animal bonitinho e ter ficado com pena, em virtude do frio que fazia, decidiu se aproximar para tentar cobrir a ovelha com um cachecol que carregava consigo.

Contudo, quando chega perto da pobre e inocente ovelha, Tina percebe que não era mancha de frutas que havia em sua boca, e sim sangue humano. Ao olhar para o lado, ela localiza o cadáver de uma pessoa completamente mutilada. O fato é que aquela criatura na verdade teria se perdido de um rebanho de ovelhas que forma vítimas de experiências em laboratório com lixo tóxico, que afetaram significativamente sua mente e passaram a se alimentar única e exclusivamente de carne humana. Percebendo que na verdade aquele animal tratava-se de uma cria dos Infernos, Tina começa a correr, e acaba sendo perseguida pela ovelha até sua casa.

Desse dia em diante, Tina passa a ter um trauma terrível de ovelhas, e recusa-se a voltar para a plantação de milho da família. Seus pais, ao ouvirem o relato de sua filha, começam a a pensar que a mesma teria perdido os parafusos devido ao stress proporcionado pela carga excessiva de trabalho que depositaram sobre ela, e passam a se culpar pela desgraça que aconteceu com sua filha. No dia seguinte, eles decidem afastar Tina do milharal e de todas as lembranças ruins que o mesmo poderia lhe trazer, e se mudam para Elm Street, uma rua localizada na periferia de Springwood, onde Tina passa a atuar apenas como estudante.

Aparição no filme[editar]

O inusitado momento em que Freddy e Tina se conhecem. Um verdadeiro acaso do destino, simplesmente inesquecível para ambos.

Assim que chegam a Elm Street, Tina acaba por fazendo 3 amigos (dois deles secundários igual a ela). No que refere-se a vida de Tina, revelou-se posteriormente que seu pai, cansado de todas as manhãs acordar ao lado da mesma baranga de sempre, que seria sua mãe, decide pular a cerca, abandonando Tina e sua mãe na sarjeta enquanto fugiu com a nova vizinha. Sua mãe faz uma aparição no filme falando algumas abobrinhas e ao lado de um morto da fome que aparentemente era seu novo namorado. Sobre seu pai, não se sabe muita coisa, mas é bem provável que sua mãe tenha sabotado os freios do carro do sem-vergonha e ele acabou sendo morto em um acidente de carro ao lado da sua amante.

Tina é a primeira personagem cujo rosto aparece no filme. O primeiro personagem que aparece na verdade é Freddy, porém, só os braços confeccionando sua garra, pois os criadores do filme decidiram que colocar a cara abominável do Freddy desde o início, já iria matar muita gente de infarto, tendo em vista que o mesmo esbanjava feiura e o povo dos anos 80 tinha medo de qualquer porcaria, por mais tosca que seja. Então, Tina inicia dando o ar da graça com cara de confusa, olhando para o nada e com direito a um fundo completamente branco atrás dela. Na verdade, isso provavelmente foi um erro de filmagem, no qual os diretores se esqueceram de colocar o fundo artificial e a cena acabou ficando esse lixo mesmo.

Tina inicialmente ouve uma voz escabrosa chamando pelo seu nome, e em seguida, se depara com uma sala de caldeira, com canos danificados expelindo vapor por todo o ambiente. Após andar por um corredor escuro, eis então que surge uma ovelha na cena. Freddy teria usado a principal fobia de Tina contra ela mesma, o que a aterrorizou pro completo, trazendo a tona todos os seus medos e fazendo-a correr como nunca pela espelunca. Em meio a ruídos malignos, risadinhas diabólicas e sons de metal arranhando, eis então que Freddy decide colocar sua cara feia em cena, aterrorizando Tina ainda mais e fazendo-a correr e dar uns berrinhos retardados (coisa de atriz amadora). Tina se vê encurralada num beco sem saída, mas repentinamente, Freddy desaparece, dando lugar ao som irritante de um bebê tosco chorando. Quando Tina pensa que estava livre da aberração de cara queimada, Freddy a surpreende pelas costas, e em meio a mais um berro sem naturalidade, ela acorda. É nessa parte que surge uma monstruosidade tão horrível quanto Freddy na porta da jovem, contribuindo ainda mais para amedrontar os telespectadores: a mãe de Tina. Após tagarelar umas asneiras sem importância, a velha sai de cena. Nunca mais se teve notícia dessa senhora o resto do filme, a qual nem deve ter aparecido no enterro da própria filha mais tarde por ter saído para festinhas particulares com seu namorado mala.

No dia seguinte, por estar cagando de medo, Tina consegue atrair dois de seus amigos para passar a noite em sua casa - Nancy Thompson e Johnny Depp Glen Lantz - ao mentir para os mesmos, dizendo que rolaria erva à beça para eles ficarem doidões na noite. Quando chegaram lá, mesmo incomodado com a mentira e com o fato de terem de dormir na casa de Tina só porque ela estava com medinho de sonhar com um simpático velhinho inofensivo, acabam ficando por lá mesmo e passarem a noite na base de Coca-Cola com Doritos. Pouco depois deles chegarem lá, também chega na casa o incompetente Rod Lane, namorado de Tina. Nem bem chega e ele e Tina já vão para o quarto fazer o que todos os adolescentes de filmes de terror vivem para fazer, deixando Nancy e Glen a ver navios, pois não poderiam divertir-se da mesma maneira, já que estavam apenas como visitas.

Tina com o Capeta no couro, pouco antes de bater as botas.

Após uma noitada daquelas, Tina e Rod, com mais nada de interessante para fazer, resolvem dormir. No meio da noite, Tina é acordada por pedregulhos de crack batendo na sua janela, e uma voz sinistra surgindo do meio do nada chamando pelo seu nome. Como toda guria burra de filmes de Terror, ao invés de ficar dentro de casa e segura, Tina tem a brilhante ideia de sair sozinha para o meio da rua para verificar quem era o engraçadinho que estava lhe arremessando drogas, sobretudo para cobrar pelos prejuízos da janela que o malandro tinha quebrado. Porém, pouco depois de sair para a rua, eis então que o delinquente em questão mostra-se como sendo nada mais nada menos do que Freddy Krueger, que após alguns truquezinhos baratos de mágica, persegue Tina e a alcança.

No momento que Tina é agarrada por Freddy, ela entra num processo lento e doloroso de morte, na qual um pedaço de plástico bege sua pele começa a ser dilacerado pelas garras do assassino, com direito a todo tipo de efeito especial vagabundo. Enquanto estava sendo esfolada viva em seu sonho, na vida real Rod observa Tina berrando enquanto entrava em processo de surto psicótico, subindo pelas paredes e voando por todo o cenário enquanto vários litros de extrato de tomate eram jorrados de canos falsificados acoplados ao corpo da mesma numa fracassada simulação de veias jorrando sangue. Dessa maneira, Tina encerra sua participação no filme. Vale ressaltar que, embora Tina seja a personagem mais inútil do primeiro filme, consegue ser mais importante que cerca de 90% dos outros figurantes que aparecem ao longo da série.


v d e h
One, two, Freddy's coming for you...
Freddy krueger.jpg