Tristão e Isolda

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Bandeira da Inglaterra.png GOD SAVE THE DESCIC£OPEDIA!!

The Merlim's Order First Class garante que este artigo é 100% inglês. Ele é industrializado, casto, vitoriano e tem a aprovação de Rainha Elizabeth II.

The £ondon Royal British Association of England vigia este artigo.
Queen picking.jpg


Tristão e Isolda é uma lenda medieval tragicômica sobre a paixão e morte de dois adolescentes emos. Foi escrita em sangue e esperma junto com 2 gajas lesbicas por um monge tarado enquanto estuprava uma criança. Uma das histórias mais famosas de todos os tempos, foi adaptada como ópera pelo pagodeiro nazista Richard Wagner.

NewBouncywikilogo.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Tristão e Isolda.

História[editar]

Rei Marke da Cornuália

O Rei Chifrudo da Cornuália manda seu melhor cavaleiro e amante, Tristão, raptar uma princesa irlandesa, druida e gostosa chamada Isolda. Tristão atravessa de moto a Gália, onde tem muitas aventuras homossexuais com o casal gay Asterix e Obelix. Chegando na Irlanda, ele se alista no grupo terrorista IRA e junto com Mário Mário explode o castelo do Rei Koopa dando cabeçadas nos tijolos. Toda a safra de batatas era armazenada em um silo de grãos dentro do castelo, e sua queda provocou a famosa crise das batatas irlandesas.

Isolda é pendurada pelos mamilos no mastro principal de um navio. Tristão parte levando sua encomenda de volta para a Cornuália, mas resolve dar uma parada em um porto inglês antes. Entediados enquanto esperam que os mantimentos sejam carregados na embarcação, Tristão e Isolda resolvem sair à noite e participar de uma rave em um galpão crioulo de um CTG local. No meio de uma música trance, a traficante de drogas chamada Brangäne coloca pílulas de ecstasy na latinha de Fanta Uva que eles estavam compartilhando (para economizar no couvert). Os dois ficam apaixonados, os mamilos de Isolda começam a lactar e o ânus de Tristão pisca incontrolavelmente.

Ao chegar na Cornuália, o casal passa a encontrar-se às escondidas em um motel próximo à floresta negra. Infelizmente, o cavaleiro Deduro Pushasack participa de uma orgia em um dos quartos do motel e descobre os amantes besuntados de mel embaixo de dois anões e um jegue. Deduro interrompe seu coito, corre para o castelo do rei e conta o que viu. O monarca fica puto da vida com a dupla traição, e corre para o local dirigindo sua Ferrari Testarossa. Surpreende os amantes tomando banho juntos e usando um sabonete no formato de bunda. A guarda real prende Tristão e Isolda, esvazia o frigobar e rouba várias toalhas cor-de-rosa com corações bordados.

Na prisão, Tristão fica deprimido com os constantes estupros e torturas, e vira emo depois de não suportar mais ficar afastado de Isolda. Decide cometer suicídio colocando o pênis dentro de um moedor de carne industrial. Isolda também não aguenta ficar sem a companhia de Tristão dentro de sua vagina, e resolve se matar pulando dentro de um rio de ácido muriático radioativo cheio de piranhas mutantes.

Adaptações Famosas[editar]

Tristan Und Isolde[editar]

A ópera de Fagner muda alguns detalhes da história. A trama desenrola-se no espaço sideral, onde cavaleiros arianos lutam contra os judeus de Marte pela supremacia do planeta Terra.

Tristan Pinball[editar]

Uma das adaptações mais fiéis ao enredo original, em que Tristão é interpretado por uma bola de metal, e Isolda é representada simbolicamente pela rampa lateral de bonus.

Versão Lusitana da Lenda[editar]

Tristão mostrando para Isolda todo o seu prestígio de guerreiro
Isolda implorando pra Tristão que a possua
Lord Marke querendo possuir Isolda

Tempos obscuros na Inglaterra depois dos romanos terem dado o bazo. Século V (quinto) e a Inglaterra encontra-se dividida e em guerra com a Irlanda.

O maneta Lork Marke quer uniar a Inglaterra para lutar contra o barbudo Rei da Irlanda.

O guerreiro mais forte de Lord Marke é Tristão de Aragão, que foi criado pelo mesmo com o carinho de um pai. Pois os seus bateram a caçoleta ás mãos dos irlandeses.

Lá em cima, na Irlanda, há uma bela e virgem princesa, filha do Rei Irlandês, a bela Isolda, sempre com o raio da ama atrás, a Bragnae. O pai, que gosta bastante da filhinha, oferece-a em casamento ao seu guerreiro (mais feio, horrível e gordo) forte, Morholt. Isolda vomita ao saber da notícia.

O gordo Morholt vai lutar pa Inglaterra e acaba morto. Durante a feroz batalha campal, em que os irlandeses e ingleses armam o barraco e dão uma cor mais vermelha á floresta, Tristão é ferido pela espada envenenada de Morholt. Todos pensam que ele virou presunto e fazem um funeral, enviando-o num barco funebre.

Como coincidência, o barco vai ter á costa da Irlanda e Isolda encontra Tristão.

Ela acha o jovem tao charmoso que o leva para uma cabana junto á costa, com a ajuda da sua ama perseguidora. Isolda despe Tristão, vendo todo o prestígio dele e deita-se nua, dizendo que é para o aquecer (deve pensar que a gente é burra, hein!). Mas vamos acreditar nas intenções puras e virgens da jovem.

Isolda faz curativo na ferida de Tristão, pois ela além de bela virgem loura e de olhos azuis, ainda é curandeira, heroina e corajosa! Salva todo o mundo. E com o passar dos dias, os dois vão-se apaixonando, mas Isolda nunca revela seu verdadeiro nome.

Mas Tristão tem de regressar á Inglaterra e ainda não comeu Isolda! E só no dia anterior á ida é que ambos declaram todo o seu amor e Tristão mostrar todo o seu prestigio de guerreiro pra Isolda, tirando a virgindade da princessinha.

Destino cruel! Nessa mesma noite, um velho qualquer está dando um passeio nocturno pela praia e descobre o barco de Tristão, corre a avisar o Rei.

Isolda, contactada pela sua ama perseguidora, vai ajudar Tristão a fugir. A canoa onde ele vai pa Inglaterra é mais veloz que os cavalos pedigree do Rei Irlandês.

Dias depois, a aldeia e Lord Marke descobrem que Tristão está vivo e fazem uma festa!

O Rei Irlandês decide ser maquiavélico e arranja um plano para desunir ainda mais a Inglaterra (ui, tão mau). Envia cartas, que chegam ao destino no mesmo dia que as envia - tecnologia medieval - a propor um torneio entre as nações inglesas e em que o vencedor fica com a sua filha, Isolda, como prémio. Tristão, sempre corajoso, diz que vai á Irlanda para trazer uma mulher para Lord Marke.

Acontece uns vinte minutos de torneio e claro que Tristão sai vencedor! Isolda fica toda feliz, mas lá se vai a felicidade quando o pai (Rei Irlandês) lhe diz que não é com Tristão que ela vai casar, mas sim com Lord Marke.

E assim, Isolda vai pa Inglaterra e casa com Lord Marke e fazem sexo. Tristão fica cheio de ciume deles e fala pa Isolda isso, ela lhe diz que faz qualquer coisa só pa mandar uma queca com ele, outra vez.

Entao os amantes condenados pelo destino (sempre original) começa a encontrar-se debaixo da ponte romana para mandar umas, metendo os cornos a Lord Marke.

O Rei Irlandês visita o castelo mas sua intenção é invadir e matar. Já sabe do caso entre Tristão e Isolda, quer apanha-los em flagrante para poder declarar guerra. E assim acontecesse. Eles são apanhados, os ingleses chacinados e essa bosta toda.

Tristão é ferido e vai morrer. Isolda chora e diz que o amam muito e bla bla! As ultimas palavras de Tristão são "não sei se a morte é melhor que a vida. mas o amor foi melhor que ambas".

Isolda sepulta seu amado sob as ruinas romanas e onde crescem dois salgueiros entrelaçados (como?). Depois, vai-se embora.


Ver Também[editar]