Tsuru no Ongaeshi

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Danca.gif Tsuru no Ongaeshi é uma ave

Este artigo é sobre um bicho que voa, tem penas e asas (ou não).

Cuidado com o que faz por aqui, pois o Pica-Pau está vigiando!

Tsuru no Ongaeshi (A Garça Agradecida) é mais um lindo conto da mitologia japonesa, desses que começam de uma forma bem kawaii e terminam de maneira trágica para salientar o quanto a vida é uma merda e a felicidade dura pouco.

Mito[editar]

Cquote1.png Vamos dar uma espiadinha... Cquote2.png
Pedro Bial sobre Tsuru no Ongaeshi

Assim como muitas outras fábulas nipônicas, esta também é protagonizada por um velho, neste caso, um lenhador muito pobre que havia saído de casa para cortar lenha em um dia frio de inverno e encontrou uma garça machucada. Pensando em fazer um belo ensopado com a ave e matar sua fome, ele leva o bicho embora consigo e dá para sua mulher cozinhar, mas a velha não teve coragem porque achou-a muito cuti-cuti e resolveu cuidar dela até que se recuperasse e pudesse voar embora. O lenhador, mais uma vez, teve que se contentar em comer sola de sapato.

Algum tempo depois que a garça já tinha ido embora, surge uma guria retardada à porta do casal dizendo que era órfã e estava perdida, e ambos são burros o bastante de acreditar nessa história furada e acolher uma completa desconhecida em sua casa.

Todos os dias, a nova moradora se trancava no quarto e proibia os próprios donos de entrarem lá dentro até que ela saísse, e toda vez que deixava o aposento, ela trazia um pano branco que dizia ter costurado para que os velhos vendessem e ganhassem dinheiro, afinal, ela não queria ser como o Seu Madruga e viver devendo mais de 14 meses de aluguel. Só com a grana arrecadada através da venda dos panos, o casal ficou muito rico.

Chegou uma hora em que os velhotes não aguentaram mais de tanta curiosidade e abriram a porta do quarto enquanto sua inquilina ainda estava lá dentro, e ao invés da moça, quem estava lá era aquela garça praticando o ato sadomasoquista de arrancar as próprias penas e usá-las para tecer os tais panos.

A garça ficou tão puta por terem desobedecido sua ordem que xingou os velhos de tudo quanto é palavrão e foi embora para nunca mais voltar. Sem ninguém mais para explorar ajudar, o casal voltou a ficar pobre e morreu.

Ver também[editar]