Xaropinho

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Depois é só deixar a mão de molho no permanganato.

Xaropinho não é sua mãe ou sua avó enfiando aquelas melecas goela abaixo que não vão diminuir em nada a tosse, é um bonequinho em forma de leão-marinho rato criado pelo Eduardo Mascarenhas, mas o Ratinho mente que foi ele quem criou, mas foda-se quem criou, ninguém liga pra isso.

Todo mundo sabe[editar]

Todo mundo sabe que xaropinho é um pedaço de espuma colorida manejada por um cara e não um tipo de xarope você diz, mas e daí? Pode ser que seu irmãozinho ou sobrinho ou filho(aaarrrgh!), ou priminho de 1, 2 ou 3 aninhos pode não saber disso. Ele também não sabe ler nem acessar nada embora já esteja treinando, mas leia pra ele gentilmente como boa babá que você tem jeito pra isso.

O Xaropinho por mais que fale bobagens e ser pago pra isso, sempre será quem fala alguma coisa que preste porque dali só sai asneira, mas o pior não é isso, é quando sai asneira como se fosse informação séria e o povão vai na onda Se o Xaropinho e o Tonico são quem fala algo que preste vez ou outra, só há de se imaginar o que os bonecos e as bonecas infláveis vivas de lá falam de asneira e mais o porquinho Ratinho falando uma tonelada de bosta, então esse bonecos são os menos nocivos. A desinformação piorou ainda mais depois que a boneca sabugo, Lucimara prima do Visconde do Monteiro Lobato, brigou com o boneco murcho e puxou o tapete da Vanessa que ainda dava um ar da graça naquilo, então é que a bosta passou a nem servir de adubo mais.

Xaropinho após a primeira lavada.

Depois que a mulher que ainda dava umas ideais boas se foi e entrou a boneca sabugo murcho, tudo piorou ainda mais em todos os sentidos, então é que os bonecos de rato passaram mesmo a ser os únicos que ainda conseguem dizer coisa com coisa vez ou outra. As bonecas infláveis também não dizem nada, mas tudo certo nesse caso, só estão lá pra provarem que são gostosas e é isso mesmo que têm que fazer o tempo todo, nada de mostrar cabeça, ainda que uma delas tenha a cabeça do tamanho de uma melancia e nem é preciso dizer nada que se aproveite(embora ache que diga), mas tem a arcada dentária arreganhada igual às de abóboras de halloween... pode-se ver que aquele circo é cheio de bonecos e bonecas vivas, então o boneco que precisa de uma mão no buraco pra ganhar vida pode se sentir entre iguais ou nem tanto já que ele é uma carcaça que pode servir pra alguma coisa.

Cãibra na mão[editar]

O criador do Xaropinho, que é o Ratinho Eduardo Mascarenhas não chega a ter cãibra na mão porque não são tantas horas com a mão no buraco do rato, se não mudou desde a última vez que tive saco pra dar uma olhada naquilo, deve ser uma hora a uma hora e meia, menos do que alguns outros manejadores precisam ficar e ganham menos,

A meiguice em forma de brinquedo.

então ele não reclama, porém aquela vozinha é o mais difícil dele deixar de fazer, já quase foi internado pela família por demência, já que não conseguia deixar de fazer aquela voz estridente e aguda, mas além da voz também algumas vezes baixou a pomba-gira entidade Xaropinho de tal forma que ele não conseguia mais deixar de agir assim, só comia ratas queijo — ratos não têm queijo com alimento preferido, mas como o Xaropinho é com base em ratos da ficção, ele só quer saber de queijo e isso também começou a fazer seu fígado dar revertérios, que fez que sua família o internasse por uns dias, até que a terapia de desratificação deu certo, então ele finalmente conseguiu deixar o bicho tão logo terminasse o trabalho... como ele não tinha garantia de que a terapia daria certo, também encomendou um trabalho pra garantir.

Depois disso o Xaropinho passou a ser vendido, pois não haveria mais perigo de, assim como ocorreu com seu manejador, as crianças continuassem com espírito de rato depois que já tivessem parado de brincar. E seria um problema mesmo, imagine que a mãe está dando banho na criança e sai correndo de medo porque o(a) pirralho(a) imitou rato tão bem que ela seguiu o instinto feminino e saiu berrando.

Ver também, se quiser[editar]