Michael Kaufmann

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Michael Schumacher Kaufmann (Silent Hill, 31 de Fevereiro de 1911 - Acre, 11 de Onzembro de 1969) é um traficante, atirador de elite e diretor de hospital de fundo de quintal nas horas vagas. Tentou convencer que é médico, tentou convencer que é uma pessoa bondosa, tentou convencer que nunca teve um caso com Lisa Garland, mas ninguém engoliu sua renca de mentiras. A grande verdade é que Kaufmann é uma das pessoas mais podres de Silent Hill, pois matou o prefeito da cidade e mais de 300 oficiais de justiça, apenas porque eles fizeram PROERD e estavam numa cruzada anti-drogas combatendo a degeneração moderna que se desdobrava sobre a cidade. Quando os monstros apareceram em Silent Hill, essa desgraça só não morreu junto com os outros moradores da cidade porque é vagabundo, e estava dormindo em seu turno no hospital após uma sessão de duas horas de bronha vendo a categoria "nurses" do XVideos.

História[editar]

Kaufmann, de acordo com a Wikipédia.

As origens de Kaufmann são obscuras, pois ninguém se importou em investigar a história completa desse mané. A única coisa que se sabe é que Kaufmann nasceu em Silent Hill (ou não), no ano de 1911 (ou não). Na infância, por já demonstrar características de um legítimo filho da puta, como por exemplo, dedurar para os inspetores os seus amiguinhos que davam um tapa na pantera dentro dos banheiros, Kaufmann era excluído. Nem a sua mãe gostava desse sujeito. Talvez nem ele goste dele mesmo, por ter nascido com cara de bunda. Enfim, ele tinha tudo para se tornar um psicopata, um maconheiro, um político ou um traficante. Dessas opções, Kaufmann resolveu escolher a última, pois não gostava de sujar as mãozinhas de fada, não tinha dinheiro para comprar drogas e não tinha habilidade para roubar com canetadas. Para inicar a carreira no tráfico, não foi difícil, Kaufmann apenas precisou colher alguns brotos de uma erva conhecida como White Claudia, famosa por dar asas aos usuários mais rápido do que RedBull.

Poucos meses após ter entrado de cabeça, de braços, de pernas e de todo o resto no mundo do tráfico de entorpecentes, Kaufmann já tinha conseguido adquirir um patrimônio invejável, e a expectativa era de que esse patrimônio apenas aumentasse, já que o caminho estava livre, pois os policiais de Silent Hill preocupavam-se apenas em comer rosquinhas, e o prefeito estava andando e cagando para a população. Porém, sempre que alguém consegue se dar bem em alguma coisa, aparece um zoião para encher o saco e botar olho gordo... Com Kaufmann não foi diferente. Norman Young, que era seu "amigo" de infância, começou a chantageá-lo, ameaçando contar todo o esquema pros home caso não recebesse todo mês uma fatia do negócio. Sem escolha, Kaufmann aceitou, e ficou por um bom tempo tendo que sustentar esse peso morto.

Passados alguns anos, Kaufmann percebeu que precisaria arrumar um emprego, pois o leão logo suspeitaria dele, já que, mesmo desempregado, sua fortuna apenas aumentava, e aumentava e aumentava. Resolver este problema foi simples, Kaufmann apenas precisou subornar alguns funcionários do governo e pronto, mesmo nunca tendo estudado, ele conseguiu passar em um concurso público para diretor de hospital de fundo de esquina. Sua sombra, Norman Young, novamente começou com seus característicos mimimis, até que Kaufmann, já de saco cheio, deu para ele um emprego como médico, mesmo Young achando que 1+1 é igual a 12 e que a capital do Brasil é o Rio de Janeiro, quando todos sabemos que na verdade é Buenos Aires.

Certo dia, enquanto fazia porra nenhuma em seu escritório, Kaufmann recebeu a visita de Dahlia Gillespie, uma adoradora do demônio, que pediu para ele cuidar de sua filha, Alessa, pois ela estava destinada a ser a nova Rosemary, dando a luz ao filho do cramunhão. Como era simpatizante do satanismo, Kaufmann aceitou, e colocou a sua melhor enfermeira e amante, Lisa Garland, para tomar conta da garota. Lisa, que era uma democrata cristã nas horas vagas, e a principal porta-voz de Eymael nos Estados Unidos, não estava querendo cuidar de Alessa, mas após discutir muito com Kaufmann, ela acabou aceitando, por livre e espontânea cacetada e tortura.

Depois de algum tempo sendo tratada no subsolo do hospital, Alessa, que não é idiota e já tinha percebido que seria sacrificada em nome de Satanás Samael, resolveu usar os poderes psíquicos herdados de seu pai Fábio Puentes para dividir a própria alma em duas. A parte maligna da alma continuou no hospital como Alessa, enquanto que a parte bondosa viajou até Tangamandápio, onde materializou-se na forma de Cheryl Mason. Com esse acontecimento inesperado, o ritual de renascimento de Samael não pôde ser realizado, e Kaufmann foi obrigado a cuidar de Alessa até sabe-se lá quando. Para não dizer que ele não tirou nada de bom dessa experiência, ele aproveitou que Alessa estava inconsciente para usá-la como cobaia em seus experimentos doidos que ele aprendeu na internet, que o fizeram descobrir que, se misturasse White Claudia com Lico de Cair Pinto, ele conseguia criar uma poderosa droga alucinógena chamada Aglaophotis, que, juntamente do Roundhouse Kick, é a única coisa capaz de abortar o nascimento do filho do cramunhão.

Kaufmann estava tão feliz com a descoberta que nem percebeu que os seus negócios começavam a desmoronar. O recém-eleito prefeito de Silent Hill, o Leão do PROERD, criou uma lei anti-drogas, bem simples, mas eficaz: Quem fosse pego traficando ou fumando qualquer coisa, levava fumo da polícia, dos oficiais de justiça e era jogado nas masmorras. Com essa medida, Kaufmann passou a faturar incríveis zero dólares por mês. Para resolver este pequeno problema, e evitar a falência, Kaufmann teve que adotar uma medida drástica: No melhor estilo mafioso, ele pegou a sua .12 do Resident Evil, chamou a sua gangue (incluindo o inútil do Norman Young) e começou a tacar o terror em todos que faziam parte do movimento anti-drogas. O resultado é que o prefeito, os policiais, os oficiais de justiça, todos os membros da gangue de Kaufmann e mais um monte de gente que não tinha nada a ver com isso acabaram morrendo, transformando a parte nobre de Silent Hill em uma área fantasma. Mas do jeito que Kaufmann é filho da puta, ele nem se importou com isso, pois a sua grande freguesia estava mesmo na periferia.

Pós-Caos[editar]

Única imagem original de Kaufmann. Bem sem graça, mas é melhor do que nada.

Enquanto os habitantes de Silent Hill estavam sendo comidos, mortos, torturados e comidos de novo (nessa ordem) por criaturas vindas diretamente do inferno, Kaufmann estava puxando um ronco em sua salinha. Foi essa vagabundagem que o salvou, pois as criaturas também eram vagabundas, e, para evitar a fadiga de ter que arrombar portas, elas apenas atacaram quem estava no meio da rua (ou seja, 99% da população, já que Silent Hill é uma cidade caipira, onde o povo fica sentado na calçada o dia inteiro). Enfim, sendo uma das poucas pessoas que sobreviveram ao massacre, quando acordou, Kaufmann, não desconfiando de nada, foi na copa do hospital, para beber um café e comer um pão com mortadela.

Pegando o lanche e a bebida, Kaufmann, que não estava achando nem um pouco estranho o hospital estar completamente silencioso no meio da tarde, resolveu ver um pouco de pornografia no computador que ficava na sala de exames. Após ver alguns vídeos da Alexis Texas, Kaufmann estava quase alcançando o nirvana, quando percebeu que um pouco de baba caiu em sua testa. Mesmo sabendo que iria se arrepender, Kaufmann olhou para o alto, e viu uma criatura bizarra, que se parecia com um pterodáctilo e estava pronta para o ataque. Nessa hora, Kaufmann pensou que estava morto, mas aí ele se lembrou que, para proteger-se de eventuais policiais que quisessem prendê-lo pelo tráfico de drogas, ele sempre carregava uma arma na cueca. Então, sacando o artefato rapidamente, Kaufmann descarregou o pente de balas na criatura, matando-a várias vezes depois de morta. Depois disso, Kaufmann ficou pensando "Que porra é essa, essas coisas não existem, é pura criação da parapsiquê!". Mas ele não podia negar que a criatura era bem real, e o sangue dela estava avermelhando a barra de sua calça.

Enquanto ainda estava tentando compreender o que tinha acabado de acontecer, Kaufmann percebeu que a maçaneta da porta começara a se mover. Imaginando que era outro monstro babão, mesmo se cagando de medo, ele preparou sua pistolinha, mas logo se acalmou, quando viu que quem entrara era outro humano, mais precisamente Harry Mason. Mesmo assim, apenas para impôr respeito, Kaufmann atirou na parede, mostrando também que é idiota, pois gastar preciosa munição em um jogo de Survival Horror é o mesmo que suicídio. Bem, mas isso não vem ao caso. O que importa é que, após uma pequena resenha com Harry, Kaufmann decidiu explorar a cidade por si mesmo, para procurar alguma saída, mesmo sabendo que poderia ser empalado, destino comum dos figurantes de jogos de Survival Horror.

Após conseguir atravessar Silent Hill utilizando bruxarias, já que todas as estradas estavam bloqueadas e os esgotos estavam infestados de monstros, Kaufmann resolveu aproveitar que todo mundo estava morto para beber uma pinga gratuitamente no boteco. Enquanto enchia a cara, Kaufmann nem percebeu a aproximação de uma criatura meio humana meio macaco, que o matou de uma vez por todas (ou não, dependendo do jogador - Neste artigo, apesar de estarmos enjoados de escrever sobre este figurante, vamos presumir que ele foi salvo por Harry, apenas para encher linguiça). Enfim, após agradecer Harry xingando a mãe dele, Kaufmann vai para sabe-se lá onde, e só reaparece quando Harry encontra seu precioso frasco de Aglaophotis, que estava escondido debaixo de sua motocicleta.

Depois disso, Kaufmann desaparece mais uma vez, e só reaparece no final do jogo, fazendo uma entrada com estilo, baleando Dahlia Gillespie com sua Colt Python. Após uma pequena conversa clichê, em que Kaufmann descobre que foi usado como uma reles marionete, ele taca um frasco de Aglaophotis em Alessa Gillespie, abortando o nascimento do filho do cramunhão. Puto da vida com isso, Samael, que estava enfiado no cu de Alessa, resolve matar todos aqueles vermes insolentes com suas próprias mãos e trovões. Porém, por ser um fracote, ele acaba morrendo após levar alguns tiros de Harry, e desaparece pra sempre, ou não. Após a morte de Samael, Alessa/Cheryl usa suas últimas forças para abrir um portal dimensional para todo mundo fugir com vida da dimensão do Acre. Kaufmann tenta fugir também, mas assim como desapareceu do nada no hospital, Lisa Garland aparece do nada, e puxa o de Kaufmann. Se antes era Kaufmann que comia Lisa, agora os papéis de inverteram, e é Lisa que comeu Kaufmann.

v d e h
Silent Hill logo.png