Multa

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Na UNIÃO SOVIÉTICA a multa é aplicada por VOCÊ Cquote2.png
Reversal Russa sobre Multa

Cquote1.png Eu não paguei Cquote2.png
Edmundo sobre multa do imposto atrasado

Cquote1.png Nós pagamos Cquote2.png
Telexfree sobre multa da Anatel

Cquote1.png Ai minha Nossa Senhora! Cquote2.png
Ateu sobre multa salgada

Cquote1.png Eu não sabia Cquote2.png
Lula sobre mensalão

Cquote1.png Ninguém me multa, sou eu que multo todas as pessoas! Cquote2.png
Chuck Norris sobre multa

Cquote1.png Sou fake, mas são todas minhas! Tudo é meu! MWHAUWHAUWHUA Cquote2.png
Guilherme von Oldenburg Czernichovscki sobre multa

Cquote1.png Mas papai, eu juro que não fiz isso! Cquote2.png
Filho mimado sobre multa que veio para o pai

Cquote1.png Marronzinho, cumpra sua cota de multas. Seja feliz! Cquote2.png
CET sobre cota de multas

Multa é o dinheiro pago para alguma autoridade, em geral para dar um jeitinho brasileiro e evitar alguma outra punição mais dolorida ou mesmo outra multa. É um teste para medir o quanto liso você é, afinal, só os trouxas não conseguem dar uma boa desculpa ou usar a lábia para escapar de uma.

Trânsito[editar]

Este carro nunca levará uma multa por excesso de velocidade. mas se colocar escada e adesivo de firma...

O lugar onde as pessoas mais levam multa é dirigindo um carro correndo pra caralho, sendo flagrado por um guardinha da cor que a sua cidade preferir ou por um radar. É a prova perfeita da lei de Murphy porque os guardinhas e os radares móveis só aparecem quando o ás do volante motorista cuidadoso está com pressa ou precisa dar aquela paradinha estratégica onde uma autoridade disse que não pode estacionar.

Apesar de ter a intenção de aumentar a segurança nas estradas que estão mais esburacadas que queijo suíço acaba gerando uma indústria da multa controlada pela máfia dos pardais.

Indústria da multa[editar]

Um dos chefes da indústria da multa

Indústria da multa é o nome que se dá a máfia formada pelos agentes de trânsito e as empresas especializadas em ajudar motoristas a recorrerem de multas. O princípio que rege esta indústria é o jeitinho brasileiro pois se todos se ajudarem a burlar o sistema, todos conseguem ganhar sua parte.

Chefiados pelos pardais, os agentes de trânsito recebem cotas de multas para serem cumpridas todos os dias. Eles alimentam a cadeia produtiva das empresas especializadas em ajudar motoristas a recorrerem das multas, permitindo que elas cobrem caro para que não tenham que pagar a multa para o governo. Claro que estas empresas precisam continuamente lavar a mão dos pardais comprando rações extras de alpiste.

Este arranjo produtivo beneficia as empresas que constroem radares pois novos radares sempre serão necessários, os agentes de trânsito que mantém seus empregos e sempre acabam ganhando por fora, as empresas que recorrem da multa que sempre terão serviço e os motoristas apressados que sempre encontrarão radares nas rotas onde a indústria da multa consegue lucrar e não onde há problemas de segurança com o excesso do limite de velocidade.

Síndrome da multa[editar]

A síndrome da multa é um mal que acomete principalmente os motoristas, em geral uma complicação do quadro de pé pesadite. Os principais sintomas se manifestam quando o motorista se aproxima de um posto policial, de uma passarela ou de uma mureta na beira da estrada. Nestes pontos esses motoristas são dominados por um medo incontrolável que leava a atitude irracional e perigosa de frear para evitar uma multa, por mais que não estejam acima do limite de velocidade e nem vendo radares ou policiais.

Os especialistas da área da saúde relacionam este mal a uma dor na consciência ao vincular o fato de que lembram de terem ultrapassado o limite de velocidade no passado. Outros defendem a ideia de que é um reflexo involuntario dos portadores de pé pesadite.

Algumns médicos alegam que não há cura para este mal. Outros alegam que conseguiram tratar com sucesso seus pacientes administrando multas mais pesadas até que sofressem outro tipo de punição que tivessem a carteira cassada pelo governo. Neste caso eles teriam aprendido a lição, só que não.

Atrasos[editar]

Tua cara quando descobre que esqueceu de pagar as contas

Multas também são comuns em atrasos de pagamentos, uma consequência direta da lei da procrastinação universal que nos faz pagar as contas no dia do vencimento. Exatamente neste dia Murphy irá arranjar todos os meios possíveis, impossíveis, imagináveis e inimagináveis para você não chegar no banco antes de fechar ou nem conseguir acesso ao banco via internet.

Neste dia seu carro quebrará na rua, o ônibus quebrará na rua, seu celular quebará, seu tablet quebrará, seu computador quebrará, você quebrará sua perna, o caixa eletrônico quebrará, o atendente quebrará a cabeça ou então é você quebrará a cabeça. E se nada disso quebrar, é você que vai quebrar pagando a multa pelo atraso.

Condomínios[editar]

Outro local no qual as pessoas mais levam multas são os condomínios. Isto ocorre devido a fiscalização constante das normas dos condomínios realizadas pelos vizinhos filha da puta condôminos zelosos, e pelo cuzão do síndico ou síndica. A aplicação destas multas visa coibir atitudes que deixam seu vizinho chato de saco cheio prejudiciais ao convívio social saudável entre os moradores chatos.

Segundo os estudiosos da Universidade da Maconha, isso demonstra como a sociedade atual cria covardes. Quando alguém é incomodado pelo seu vizinho tem seu direito tolhido, ninguém tem a coragem de cumprir seu dever democrático de mandar o cara tomar no cú e dar umas porradas exigir o cumprimento dos deveres de condôminos. Apenas registra a reclamação anonimamente com o síndico para que o infrator receba a multa.

Contratos[editar]

Você acha mesmo que alguém será multado por isso?

Os contratos estabelecem multas para caso uma das partes decida abandonar o acordo. Em geral servem para jogadores de futebol não caírem fora quando time afunda não abandonem seus clubes formadores, ou para evitar que empresas deixem de cumprir seus serviços públicos. Muito embora em ambos os casos role muita lábia nos fóruns apropriados para que tudo se acerte sem valores públicos.

São as multas que nos obrigam a manter a fidelidade aos planos mirabolantes das prestadoras de serviço, que vivem querendo nos iludir com combos, mais combos, hadoukens que acabam em fatality. Só doendo no bolso para que a gente não deseje pular a cerca com outra empresa. Os especialistas de plantão acreditam que a alta dos preços nos serviços é uma acomodação das empresas que não precisam ficar paparicando os consumidores que decidirem amarrar uma bola de ferro nas suas pernas.