Pesca & Companhia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Pesca & Cia)
Ir para: navegação, pesquisa
SBTTV.JPG Este artigo é coisa da ex-vice maior audiência do mundo! Seu programa é chato e ruim, dá menos audiência que o Vídeo Show e ri das piadas do Chaves. Se vandalizar, você será forçado a passar o domingo assistindo ao Domingo Legal. Conheça outros plágios mal-disfarçados clicando aqui.


Olho na Bosta, Olho na Band!

Coisa da Band é sempre mal-feita!

Este artigo está relacionado à Band. E só existe para não falarem que lá só passa programa do Silas Malafaia ou Igreja Mundial do Poder de Deus. Seu programa passa logo após o RR Soares (ou não).

Conheça mais dessa gentalha aqui.

Rede Record.jpg Este artigo é propriedade de Edir Macedo, assim como a Rede Record e a Universal, e ele fará de tudo para que você seja roubado pague o dízimo!

Igreja universal.jpg
Conheça seus outros planos de dominação mundial clicando aqui.
Se você não sabe o que é essa imagem, meus parabéns que não foi obrigado a ouvir pescador dizendo "QUE BELEEEEEEEEEEZA, PEIXÃO PUXOU MUITA LINHA!"

Cquote1.png Você quis dizer: Pescaria feita por vegans Cquote2.png
Google sobre Pesca & Companhia
Cquote1.png PEGOOOOOU!!!! EEEita peixão! Bicho bão! Cquote2.png
Pescador e apresentador sobre uma de suas únicas falas no programa todo
Cquote1.png O cara me pesca, fura minha boca e depois me joga de boinhas num rio cheio de piranhas. Valeu hein! Cquote2.png
Peixe antes de morrer devorado sobre a brincadeirinha estúpida do programa

Pesca e COMPANHIIIIIIIIIAAAAAAAAAAA!!! era um programa mequetrefe e chato para um caralho que passava beeeeeem de domingo de manhã, e passou por uma caralhada de emissoras durante os anos 1990 e 2000: SBT, Band, RecordTV e Rede 21, para ser a versão aquática e rival do Globo Rural (e como ele, também deu origem a uma revista homônima). Só que diferente deste, eles tavam se fodendo pra plantação, vaca, bosta de estrume, cantoria de sertanejo ou festança de índio (apesar do programa em questão ser um baita programa de índio); nananinanão, o importante aqui é brincar de pescador e também contar umas cascatas que pareceriam bem verídicas hein!

Atualmente o programa ainda existe, mas só no VocêToba, já que a televisão brasileira hoje em dia não quer mais pescar robalo e sim tribufu.

Modus operandi[editar]

O programa em si era um besteirol tão irritante que dava pena de quem assistia isso todo domingo, igual teu pai. Basicamente uns pescadores profissionais apareciam em uma embarcação pequena, com vara de pesca e tudo o mais, e iam pro meio do mar ou de um rio ou lagoa que obviamente tivessem peixe. Imagina o desespero que era filmar esse programa se passassem ao vivo e naquele dia especificamente o mar não tivesse pra peixe LITERALMENTE! (ainda bem que não era ao vivo, até porque se fosse ia ter de ter umas 20 horas ou mais de programa dependendo do dia). Mostravam as iscas, a diversidade delas (e não, eles nunca usavam minhoca, ou seja, se você é um pescador desses que só vai pra ação de vez em nunca jamais vai se sentir representado aqui).

Daí após pescar o dito-cujo, vinha todo um cuidado pra mostrar que ele não se feriu muito com o anzol, mostra o BICHÃO, as guelras, tem vezes que é uns 4 meses de programa passando os mesmos peixes o tempo todo, mas sempre com o apresentador superempolgado com aquela BELEZURA! E no final de tudo eles vão e jogam o peixe de volta pro mar ou rio. Vê mesmo que besteirol essa porra de pesca esportiva.

Ah sim, já ia esquecendo, durante os blocos do programa só passavam comerciais relacionados ao tema, assim agora ficou fácil pra um cabra que entrou agora nesse ramo descolar um arpão bem potente pra panhar o peixe com gost... epa, o programa não era contra matar os bichão?

Apresentadores[editar]

Não, não tinha nenhuma pescadora assim no programa, para sua tristeza eterna.

Depois de ouvir Bruno Nunes (quem?) cantarolando o som de abertura (e fechamento também, por falta de recursos pra outra música), passavam por nós os pescadores Rubens de Almeida Prado (o "Rubinho", não o Pé-de-ferro), Gustavo dos Reis Filho (o "Gugu", que não é o Liberato, apesar que bugava a cabeça da turma), Marcos Conceição, Nelson Nakamura, Pepe Mélega, Lester Scalon e Luis Claudio Pacheco (Lusca). Mas quem realmente sabia a diferença entre eles? Tudo parecia o mesmo caipira de boné mó empolgadão por pegar um peixe, pouco importando se era um pirarucu ou uma beta ou uma piaba...

Revista[editar]

A revista tinha de tudo que se possa imaginar: Imagens de pescarias (óbvio né), seção de cartas pra tentar contato pra fazer um achaque numa pororoca, histórias de pescador e vez por outra, igual outras revistas feitas especificamente pra homem, uma ou outra modelo pagando de sereia ou de pescadora gostosa (quando sabemos que é mais fácil acreditar que o cara pescou um tubarão baleia do que uma mulher gostosa perdendo tempo acordando de madrugada pra fisgar peixe, quando é muito melhor fisgar é um milionário pra ela, isso sim...).

Imitações[editar]

Sendo o primeiro programa de pesca da história do mundo, ao longo dos anos surgiram um monte de versões do programa - acredite se quiser -, como o Pura Pesca e o Pesca Alternativa. Claro que nenhum desses tem aquele clima de nostalgia e retardatice que o original tinha, portanto nunca chegarão aos pés de acordar de manhã ouvindo o Rubinho ou o Gugu dizendo OLHA SÓ QUE BICHO LINDO! QUE TUCUNARÉ BONITÃO!


Pra relembrar[editar]

Ver também[editar]

Serjão entrevista.jpg Enxada-2.pngEsti artigu é caipira, sô!!Enxada-1.png

Este tar di artigu pareci caipira, foi escritu purum caipira, ô ele é de fato
CAIPIIIIRRA!!!

Num istraga eli naum, si não nóis crava a inxada pra riba docê!