R-Zone

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Papelhigipod.jpg

R-Zone foi uma invenção que fracassou.
E trouxe vários prejuízos!

O visor de Kano, prontinho para você jogar nele.

Cquote1.png Você quis dizer: R.evolt-Zone Cquote2.png
Google sobre R-Zone
Cquote1.png Experimente também: Virtual Boy de quinta categoria Cquote2.png
Sugestão do Google para R-Zone

R-Zone é um videogame fodido da Tiger Electronics (mais uma criação diabólica deles, igual seus minigames dementes e também o seu querido Gizmondo - ok, não é dela, é da Tiger Telematics, mas é quase a mesma merda). Tal criação teria sido arquitetada para concorrer com o tão bizarro quanto o lixo do Virtual Boy da Nin-Tendu, usando uma tecnologia ripada, miniaturizada e piorada para talvez ficar melhor que a da concorrente japa.

De fato, pelo menos agora sim é mais "portátil", mas isso não torna esse videogame bom, pelo contrário, imagine a tela vermelha e preta satânica do Virtual Boy piorada mil vezes, e o pior, dessa vez em apenas um olho, forçando você a fechar o outro olho o tempo inteiro. Podes crer, quando você terminar sua jogatina, se não estiver passando mal pela utilização desse console diabólico de "realidade virtual", você certamente terá que ir a um oculista ou oftalmologista para consertar seu olho, pois estará completamente fodido.

Os jogos[editar]

Basicamente nos seus fabulosos microcartuchos transparentes (isso mesmo, o chip era transparente e ficava exposto no cartucho, para ser visto na "tela" portátil) existiram apenas DOIS tipos de jogos:

  • Jogos "originais" da própria produtora, que nada mais eram que os joguinhos daqueles mini-games fodidos que a Tiger produzia no início dos anos 90, e o pior, os jogos eram iguais uns com os outros, só o título mudava;
  • Jogos roubados e fodidos em conversão de outras produtoras, como Virtua Fighter, Jurassic Park, entre outras cagadas similares.

Já percebeu o tamanho do cocozaço que você pegou, né?

Os três R-Zones[editar]

Típico imbecil que curte esse portátil.

Lembrando, a Tec Toy criou uma versão só dela, mas que se foda, pirataria é coisa do demônio!

  • R-Zone Headgear: O clássico de março de 1995, saindo antes do Virtual Boy inclusive. Usando a tecnologia do "Olho do Kano", junto com um controle com botão de ligar, outro pra desligar (fizeram dois pra evitar desligamento por acidente?), Start, Select, Som, Pause, e os quatro botões clássicos (vinham quase colados inclusive), além de controles de brilho e contraste (O RLY?). Sim, o direcional vinha separado. MUIIIIIITO conveniente para um portátil. Tinha o mesmo problema da tela vermelhenta do Virtual Boy, pro desespero de todos.
  • R-Zone Super Screen: Esse vinha com a inovação de ser colorido (UFA, finalmente), só que colocando uma película para isso (é... Odyssey e Vectrex, vocês ganharam mais um parceiro). Os quatro botões siameses enfim foram separados, mas tinha que jogar numa mesa. Pois é, pendurar no rosto com uma cinta nunca mais...
  • R-Zone X.P.G. Xtreme Pocket Game: Puta nome grande! Lançado em 1997, parecia um Game Gear gordo pra caralho e com uma tela vermelha da morte endemoniada. Já imagina que deu em merda esse também, né?

Ver também[editar]