Rancharia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Ptbosta.gif Este artigo tá uma bostinha.
Ele está pequeno, chato e sem graça. Será que teria alguma alma caridosa capaz de fazer uma boa ação, tipo a de editar e colocar coisas engraçadas, de forma que ele fique mais engraçado e menos idiota? Só tome cuidado porque o Moderador Malvado está de olho em VOCÊ!


Seu cu não será perdoado.jpg Tá tirano?
Véio, si tu num colocá imagens no artigo, seu cu não será perdoado.

Cquote1.svg Você quis dizer: Meio do nada Cquote2.svg
Google sobre Rancharia
Cquote1.png Experimente também: Algum lugar decente Cquote2.png
Sugestão do Google para Rancharia
Cquote1.svg Ô Rancharia, cidade porcaria! Cquote2.svg
Qualquer um que vem de fora sobre Rancharia
Cquote1.svg Rancharia é um dos maiores municípios de São Paulo! Cquote2.svg
Ranchariense orgulhoso e iludido sobre Rancharia
Cquote1.svg O Balneário é uma maravilha! Cquote2.svg
O mesmo ranchariense orgulhoso e iludido sobre Rancharia
Cquote1.svg Pó pó pó pó!! Póóóóóó póó pó! Cquote2.svg
Cidadão ranchariense sobre economia da cidade.

Rancharia é um sítio município brasileiro do estado de São Paulo, localizado no interior do interior do interior. Sua população, segundo o Censo 2010, é de 120 bois, 50 galinhas e 3 patos. Há alguns humanoides perdidos por ali, e crê-se que são alienígenas. Como é uma cidade que fica no meio do nada, não faz fronteira com nenhum outro lugar. É um dos portais para o Acre espalhados pelo mundo. Há cidades não tão próximas à Rancharia, mas que são igualmente misteriosas, como Bastos, Sagres e Lutécia.

Réplica do Cristo Redentor na entrada da cidade. Como os habitantes humanoides de Rancharia não conhecem o mundo exterior e nem são permitidos a sair dali, são obrigados a se contentar com isso.

História[editar]

Livros antigos descobertos nas proximidades dizem que Rancharia era um cemitério indígena abandonado que séculos mais tarde fora dominado por animais como vacas, bois, patos, cavalos e pernilongos - muitos pernilongos -, mas outras histórias dizem que alienígenas passaram por aqui e fizeram da região que hoje é conhecida como Rancharia sua base de experimentos com corpos de terráqueos (o que explica o constante mal cheiro na região). Muitos anos se passaram até que os alienígenas se foram e os primeiros humanoides começaram a aparecer (provavelmente uma nova geração de alienígenas) e começaram a se relacionar com os outros habitantes da região, formando famílias e fomentando a economia local.

O restante da história continua um mistério para os próprios rancharienses, pois ninguém ali sabe ler.

Economia[editar]

Algumas sorveterias e lojas de roupa. Há artigos de informática também, porém, rancharienses não sabem ligar um computador ou qualquer outro aparelho eletrônico e eletrodoméstico. A maior parte está na agropecuária, com a produção de 30 mil saquinhos de leite por ano. Os donos de gado, membros do MST, alimentam a cidade com um rebanho de aproximadamente 80 bois, 17 porcos, 1 cachorro e 2 gatos.

Homem ranchariense prestes a acender uma fogueira.

Clima[editar]

Quente pra caralho no verão e frio pra caralho no inverno. É uma das regiões mais frias do estado de São Paulo, chegando a incríveis -5ºC na madrugada de inverno.

Lazer[editar]

Há uma ótima opção: sair da cidade, ir para algum outro lugar e nunca mais voltar. Mas os rancharienses se contentam com um grande bueiro a céu aberto repleto de sanguessugas e bosta boiando chamado Parque Balneário de Rancharia.

O Parque Balneário de Rancharia, também chamado de Ladrão.

Esportes[editar]

Além da pesca esportiva (que consiste em pescar peixes cobertos da bosta do Balneário), a cidade conta com um time de futebol chamado Associação PatéticaAtlética Ranchariense, cujo mascote é um cowboy viado (escolhido para retratar a juventude ranchariense). É um time tão ruim que nem divisão tem.

Tecnologia[editar]

Nenhum ranchariense sabe o que essa palavra significa, porém, recentemente descobriram que existe um jeito de deixar a carne mais gostosa: com fogo.